A CRÓNICA: NA PROCURA DA VITÓRIA, RESTOU O NULO

A 19ª jornada abriu com jogo no Estádio Municipal de Famalicão, com um encontro que opôs o FC Famalicão e o Belenenses SAD. Estas duas equipas entraram no campo com o objetivo de dar uma reviravolta na série de resultados que têm apresentado. O Famalicão não vencia há quatro jogos (sendo a última vitória frente ao Santa Clara, nos Açores, por 2-1, em jogo a contar a 14ª jornada). Já o Belenenses SAD não sentia o cheiro da vitória desde a 15ª jornada da Liga, onde venceu o Tondela, e veio a jogo depois de acumular dois empates. Na luta por somar pontos e para subir na tabela, as duas formações alinharam-se e entram fortes no jogo.

Começou equilibrado o encontro em Vila Nova de Famalicão. Com bastantes ataques parte a parte, as ocasiões flagrantes de golo existentes nos primeiros 20 minutos foram a favor do Belenenses SAD. Os forasteiros chegaram muitas mais vezes à baliza adversária e, principalmente, com mais critério e perigo.

Anúncio Publicitário

A formação de Silas privilegiava a construção de jogo desde a linha defensiva, mas a calma com que o fazia também trazia erros. Saía a ganhar o Belenenses SAD com esses mesmos erros, que, com tanto fulgor ofensivo, podia perfeitamente criar perigo e estar muito perto de inaugurar o marcador.

A sorte não assistia ao Famalicão. Varela fez falta sobre Ruben Vinagre e o jogador da equipa da casa teve de abandonar o terreno por estar a sangrar. Tudo pareceu recompor-se, mas, dez minutos depois, com o jogo a correr, Ruben Vinagre acabou por cair sozinho no relvado. Aos 32 minutos e no seguimento deste infortúnio, o jogador foi carregado de maca para fora do terreno de jogo. O Bola na Rede deseja uma rápida recuperação ao jogador!

O intervalo chegou numa boa altura para ambas as equipas, pois era necessário refrescar minimamente os jogadores e a estratégias que os treinadores tinham para este encontro. Quem refrescou a sério foi o Belenenses SAD, que entrou na segunda parte com uma forte pressão ofensiva sob o Famalicão.

No decorrer da segunda metade, surgiram ainda menos oportunidades do que nos primeiros 45 minutos. A construção ofensiva demasiado temporizada do Famalicão tornou previsíveis os movimentos e, consequentemente, facilitou a tarefa defensiva do Belenenses SAD.

Foi preciso chegar aos 89 minutos para existir uma nova oportunidade de golo – e a favor do Belenenses SAD. Afonso Sousa, do “meio da rua”, quase inaugurou o marcador, mas Luiz Júnior esticou-se e conseguir desviar a bola da rota da baliza.

Depois da oportunidade perdida de Afonso Sousa, os últimos minutos foram por conta do Famalicão. A falta de eficácia e o fincar pé do Belenenses SAD não permitiram qualquer oportunidade.

O jogo terminou como começou, com um zero a zero no marcador. Ficou um ponto para cada lado, num encontro bem disputado, onde as falhas de uma equipa complementaram os pontos fortes da outra.

 

 

A FIGURA

Eficácia defensiva do Belenenses SAD – Não é por acaso que, ao momento, o Belenenses SAD detém o 4º melhor registo defensivo do campeonato português. A eficácia defensiva da equipa de Petit é fulcral para o jogo da equipa. A capacidade de fechar linhas e dificultar a construção de jogo da equipa adversária é o ponto forte da equipa.

 

O FORA DE JOGO

Construção ofensiva do FC Famalicão – A turma de Silas apresentou um problema no encontro frente ao Belenenses SAD, que foi um dos fatores para terem conseguido arrecadar apenas um ponto. A construção ofensiva da equipa famalicense era demasiado demorada e previsível. A falta de fluidez de jogo tornava-o previsível e facilitava a tarefa defensiva, conhecida por ser muito bem efetuada, do Belenenses SAD.

 

ANÁLISE TÁTICA – FC FAMALICÃO

Silas escalou um onze inicial na base de um 4-3-3, fazendo alinhar dois centrais, ao contrário do pensado: Diogo Queirós e Riccieli. A restante linha defensiva ficou completa após a inserção de Rúben Vinagre e Patrick nas alas e Luiz Júnior na baliza.

No setor do meio-campo, Ugarte e Pepê ocuparam a zona central, com o apoio de Ivo. Heriberto Tavares e Gil Dias encarregaram-se das extremidades e de fazer a ligação entre setores para o avançado Alexandre Guedes.

Durante a primeira parte, existiu uma grande insistência por parte do Famalicão em atacar pelo flanco direito do campo, aproveitando os cruzamentos e a rapidez de Gil Dias, em detrimento do jogo interior. Fora essa escolha atacante, a formação de Silas ocupava toda a largura do campo, alargando os espaços entre jogadores.

A nível defensivo, o Famalicão não desmontava o esquema montado, apenas fechava muito mais as linhas, de forma a impedir a construção de jogo por parte do Belenenses SAD.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

 Luiz Júnior (6)

Rúben Vinagre (-)

Patrick William (6)

Diogo Queirós (6)

Riccieli (4)

Ivo (3)

Heriberto Tavares (5)

Ugarte (5)

Pêpê (5)

Gil Dias (5)

Alexandre Guedes (5)

SUBS UTILIZADOS

Calvin (5)

Diogo Figueiras (6)

Jhonata Robert (5)

Anderson (5)

Fernando Valenzuela (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – BELENENSES SAD

Petit montou a composição do Belenenses SAD com apenas uma diferença no onze titular em relação ao jogo frente ao Vitória SC. Neste encontro frente ao Famalicão, Diogo Calila alinhou a titular, rendendo o lesionado Gonçalo Silva.

Kritciuk continuou a segurar as redes, com uma linha de três defesas montada à sua frente. Henrique, Tomás Ribeiro e Tiago Esgaio ocuparam a zona central da defesa, numa tentativa de parar o homem mais avançado do Famalicão, enquanto que Ruben Lima subiu no terreno e ocupou lugar no meio-campo.

Esse meio-campo foi também ocupado por Cafú e Yaya, com a ajuda de Diogo Calila e Varela, jogadores que atuaram como extremos, na sua ajuda à ofensiva propiciada por Miguel Cardoso e Cassierra.

Nas transições defensivas, o esquema da equipa de Petit transformava-se num 5-4-1, com Calila e Ruben Lima a descer no terreno para compactar a linha defensiva. O único homem a permanecer na frente era Cassierra, dado que Miguel Cardoso baixava no meio-campo para impedir a progressão do Famalicão.

Quando em transição ofensiva, o Belenenses SAD voltava a montar-se conforme o esquema retratado inicialmente, com a formação de Petit a optar por um jogo bastante rápida e compacto entre linhas.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Kritciuk (6)

Diogo Calila (6)

Henrique (6)

Tomás Ribeiro (6)

Ruben Lima (6)

Tiago Esgaio (6)

Yaya (5)

Cafú (6)

Varela (5)

Miguel Cardoso (5)

Cassierra (6)

SUBS UTILIZADOS

Afonso Taira (5)

Afonso Sousa (6)

Dieguinho (-)

Francisco Teixeira (-)

Bruno Ramires (-)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

FC Famalicão

BnR: O Famalicão está numa série de resultados que, certamente, não são aqueles esperados tanto pelos jogadores como por Silas. O que falta para conseguir dar uma verdadeira reviravolta aos números obtidos pela equipa?

Jorge Silas: Efetivamente, não são os resultados de que estávamos à espera. Hoje não perdemos e temos de jogar para ganhar. Fizemos isso hoje, faltou-nos algum discernimento, mas jogámos para ganhar. É como lhe digo, ninguém esperaria estes resultados. Agora, resta trabalhamos muito para dar a volta. E vamos conseguir.

Belenenses SAD

BnR: O Belenenses SAD acabou por construir melhor o jogo relativamente ao Famalicão. Qual é a dificuldade que encontra na falta de concretização das oportunidades de golo?

Petit: É acreditar no processo. É um trabalho que fazemos todas as semanas. Não temos sido felizes nesse capítulo, mas o importante é construir e, neste jogo, estivemos muito mais perto de fazer golo. Sabemos que o Famalicão é uma equipa que gosta de circular atrás para chamar o adversário. Baixámos um bocadinho o bloco, permitimos que eles errassem. Mas temos que continuar a trabalhar nesse processo ofensivo.

Artigo revisto por Mariana Plácido 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome