A CRÓNICA: CÓNEGOS COM VITÓRIA ESCLARECEDORA FRENTE A UM FC FAMALICÃO PERDIDO EM CASA

O FC Famalicão recebeu o Moreirense FC para mais um jogo a contar para a 17.ª jornada do campeonato. Na estreia de Silas como treinador principal da equipa famalicense, foi o Moreirense que entrou melhor em campo. O jogo começou com uma grande jogada de Abdu pela esquerda do ataque dos visitantes que cruzou para a grande área onde apareceu Walterson a rematar para uma grande defesa de Luiz Junior.

A resposta do Famalicão chegou por intermédio de Anderson que, isolado, viu o seu remate ser cortado por Rosic, originando um canto para os famalicenses. Na conversão da bola parada, caprichosamente três jogadores do FC Famalicão desentenderam-se e, na pequena área, nenhum rematou para a baliza. Quem aproveitou este desleixo foi mesmo o conjunto de Moreira de Cónegos que, mais uma vez através de uma rápida incursão por uma das alas, surgiu um cruzamento rasteiro e tenso para a grande área com Riccieli a introduzir o esférico na própria baliza para evitar que Walterson conseguisse marcar golo.

A primeira parte apresentou um Moreirense por cima do jogo quer em termos exibicionais, quer a nível de resultado. O segundo golo chegou pouco antes do apito final para o intervalo. Mais uma vez, um contra-ataque rápido do Moreirense e Walterson deixou em Yan Matheus para ampliar a vantagem dos visitantes.

Anúncio Publicitário

No regresso dos balneários houve um Famalicão mais focado em inverter o resultado, mas ainda com muitas dificuldades para penetrar a defensiva do conjunto liderado por Vasco Seabra. Com um ascendente famalicense na partida, muito por culpa de Gil Dias que ia batalhando do lado direito e ia ganhando posição a Abdu Conte para cruzar para a grande área, houve mesmo situações de perigo para a equipa da casa. No entanto, Anderson não conseguiu corresponder da melhor forma a nenhum dos cruzamentos, já que era o único elemento a aparecer para finalizar.

Os momentos finais do encontro foram escaldantes. Não pela qualidade exibicional, mas sim porque ainda houve tempo para a expulsão de Jhonata Robert num lance que deu falta para o Famalicão. Assume-se que tenha sido por palavras, algo que enaltece a imaturidade da equipa e a forma como ainda tem dificuldade em lidar com momentos de maior tensão. Com este resultado, o Moreirense soma 21 pontos e ocupa a oitava posição da tabela classificativa. O Famalicão, por outro lado, prolonga a série de maus resultados e soma a terceira derrota consecutiva, mantendo-se no 16.º posto do campeonato.

 

A FIGURA

Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Abdu Conté Performance de luxo do lateral esquerdo do Moreirense. Impressionante na forma como abordou os lances ofensivos. Usa bastante a sua velocidade para se lançar e ultrapassar adversários. Defensivamente, conseguiu ser consistente e competente para parar Gil Dias de conseguir levar a melhor.

 

O FORA DE JOGO

Riccieli – Mais uma exibição fraca do central brasileiro. Sendo que o setor defensivo todo é muito passivo, Riccieli comete muitos erros individuais que comprometem a saída da sua equipa em transição. Terá que melhorar neste aspecto para se manter no onze num sistema com três centrais.

 

ANÁLISE TÁTICA – FC FAMALICÃO

Se nos últimos jogos já se vinha a ver alguma passividade da defensiva de Famalicão, nesta quinta-feira viu-se mais do mesmo. A dificuldade que os famalicenses têm na fase de construção é notória e fica ainda mais visível quando há tantos passes falhados a meio-campo. Existiu uma desconexão entre o setor defensivo e os centrocampistas do conjunto de Silas que já vem a acontecer há muitas jornadas e que diminui as possibilidades de haver sucesso na construção com bola. Já na “destruição”, ou seja na forma como se pressiona os oponentes, pouca se vê, algo que permite aos opositores terem mais bola.

A segunda parte trouxe duas substituições com ela. Entraram Jhonata Robert e Heriberto para os lugares de Riccieli e Kraev. Com a saída de um dos centrais, o Famalicão teve que mudar o esquema tático e voltou ao 4-4-2 e notou-se uma evolução pela positiva. Houve uma maior pressão a meio-campo, mais movimentações no último terço, mas Anderson continuou muito sozinho lá na frente e os três centrais do Moreirense conseguiram anular os movimentos do avançado.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Luiz Junior (5)

Babic (5)

Ugarte (6)

Kraev (5)

Riccieli (4)

Rúben Vinagre (5)

Lukovic (4)

Gil Dias (6)

Anderson (5)

Diogo Figueiras (4)

Patrick William (5)

SUBS UTILIZADOS

Jhonata Robert (-)

Heriberto (5)

Pêpê Rodrigues (-)

Alexandre Guedes (-)

Morer (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – MOREIRENSE FC

Abordagem diferente por parte de Vasco Seabra para este jogo em Famalicão. Pela primeira vez nesta época, optou por apostar num esquema de três cenrais com Abdoulaye Ba, Rosic e Steven Vitória e pareceu ser bem aceite pelos jogadores.

Houve uma grande aposta nos passes diretos na profundidade nas alas, onde apareceram os laterais Abdu e D’Alberto para cruzar para a grande área. Dois, três passes foram suficientes para a bola chegar com perigo à grande área defendida pelo Famalicão. No meio-campo, viu-se uma grande mobilidade, tanto em Filipe Soares como em Alex Soares que iam preenchendo os buracos deixados pelo conjunto de Silas para irem intercetando as iniciativas famalicenses.

Com dois golos de vantagem, Vasco Seabra preferiu gerir o resto do jogo e apenas arriscar em transições ofensivas rápidas, situações pelas quais até conseguiu originar perigo, mas longe do que demonstrou na primeira parte.

A solidez defensiva do Moreirense veio ao cima e é algo a enaltecer, já que foi a primeira vez que os centrais jogaram neste esquema tático e já que foi a estreia de Abdoulaye Ba. Os três centrais foram fundamentais, mas houve um nome que sobressaiu: Fábio Pacheco. Mais uma exibição repleta de confiança e segurança do central português ao serviço da equipa de Moreira de Cónegos.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Pasinato (5)

D’Alberto (6)

Rosic (6)

Abdu (8)

Fábio Pacheco (7)

Yan Matheus (7)

Steven Vitória (6)

Filipe Soares (7)

Abdoulaye (6)

Alex Soares (7)

Walterson (6)

SUBS UTILIZADOS

Afonso Figueiredo (-)

Lucas Silva (-)

Ibrahima (5)

Lacerda (-)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

FC Famalicão

BnR: Depois do que viu hoje, vai manter o sistema de três centrais? Se sim, que aspetos acha que tem que melhorar para que resulte melhor?

Silas: É claro que quando se perde, pensamos que devíamos ter feito assim ou assado, mas não é por aí. Não perdemos pelos três centrais, perdemos pela falta de profundidade que tivemos no jogo.

Moreirense FC

BnR: Qual foi a sua ideia ao introduzir um sistema tático com três centrais para este jogo? Quais as debilidades do Famalicão que este sistema tático expunha mais?

Vasco Seabra: Sim, nós somos uma equipa com jogadores inteligentes, capazes de interpretar aquilo que nós pedimos e aquilo que sentíamos para este jogo era que precisávamos de ter estabilidade no corredor central principalmente na última linha para conseguirmos pressionar mais à frente e para nos sentirmos confortáveis. Felizmente isso acabou por resultar e ser importante para nós, conseguimos ser muito pressionantes, principalmente na primeira parte e conseguimos efetivamente estabilizar, mesmo em momentos mais complicados. Por isso, é uma das formas que teremos para o futuro para podermos alternar em função do adversário.

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome