A CRÓNICA: O RECÉM SUBIDO MOSTRA O ADN DA CIDADE DE VIZELA

O primeiro minuto foi crucial para a formação de Miguel Pedro, em vantagem no marcador com um remate certeiro de Jorge Luiz para uma defesa impossível por parte do guarda-redes da formação vizelense, Coelho.
A desvantagem do FC Vizela parece que fez acordar o emblema da rainha, e uma raça astronómica tomou conta dos jogadores, gerando o golo. Um cruzamento (quase) perfeito para Diogo Ribeiro, que encheu o pé de força e encheu a baliza de Ivo. Dispensou festejar com os colegas de equipa. Ao invés, correu para os braços do técnico Álvaro Pacheco, de forma poética e emotiva.

Após inúmeras tentativas da equipa do FC Vizela de chegar à superioridade no marcador (dando especial destaque a Diogo Ribeiro), Dinis Gorjão assinala o final da primeira parte em Paços de Ferreira.
Uma segunda parte que começa com uma intensidade muito diferente daquela que foi demonstrado na primeira parte da partida no Estádio da Capital do Móvel.

As emoções estavam cada vez mais altas e o emblema da rainha acaba por arrancar uma grande penalidade nos últimos minutos da partida.
Entrou e marcou! Cassiano observa a posição do guarda-redes e o remate para o centro da baliza adversária coloca o FC Vizela em superioridade no marcador.

Anúncio Publicitário

Os últimos momentos são intensos na área da equipa da casa, como tentativa do UD Oliveirense de chegar pelo menos ao empate. Infelizmente para uns, felizmente para outros, o árbitro termina a partida e o recém subido festeja a primeira vitória naquele que é a primeira grande prova da Segunda Liga Portuguesa.

 

A FIGURA

Diogo Ribeiro – Infeliz com o resultado desde o primeiro minuto da equipa da cidade de Vizela, conseguiu mostrar a qualidade técnica que possui e colocar a formação numa posição mais favorável. Após assinalar o seu primeiro golo da época continuou a persistir na equipa adversária, com inúmeras tentativas.

O FORA DE JOGO

Segundo tempo da partida – Comparativamente à primeira parte, a segunda lavou toda a qualidade técnica e a maioria das tentativas (que são poucas, diga-se de passagem) de golo ficam muito aquém das expetativas colocadas em ambas as equipas a disputar a equipa.

 

ANÁLISE TÁTICA – FC VIZELA

O técnico Álvaro Pacheco apostou num 4-3-3 para o primeiro jogo da época. A estreia de João Pais na equipa a assumir titularidade na sua primeira experiência na Segunda Liga Portuguesa. Zagbayou assume a responsabilidade de capitão neste primeiro jogo.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Ivo (7)

Kouao (6)

Aidara (8)

Mello Costa (7)

Ofori (8)

Zagbayou (9)

Gomes (6)

Samu (7)

Soares (6)

Ribeiro (10)

João Pais (7)

SUBS UTILIZADOS

Tavinho (5)

F. Cann (8)

Ericson (6)

Cassiano (8)

 

ANÁLISE TÁTICA – UD OLIVEIRENSE

Ao contrário do adversário, Miguel Pedro apostou numa equipa mais recuada, apresentando um 4-4-2. A saída de Mohammed Lamine nos primeiros minutos de jogo condicionou um pouco a equipa visitante. Oliveira como capitão e apostando em Luiz e Lima como os figurantes mais avançados.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Coelho (8)

Marques (7)

Machado (6)

Raniel (6)

Tavares (7)

Lamine (3)

Gonçalves (9)

Oliveira (5)

Costahende (7)

Lima (6)

J. Teixeira (6)

SUBS UTILIZADOS

Luisinho (6)

S. Davou (5)

Ono (7)

Bortoluzo (7)

António Gomes (5)

Artigo revisto