Acordou, levantou-se e logo pisou aquela peça de LEGO, cujas arestas confluem no vértice que perfura o pé calejado do desporto em Portugal.

O comum adepto pouco percebe de acórdãos, jurisdições e enquadramentos penais. Percebe de golos, fintas e foras-de-jogo. Se calhar, da última nem tanto, por VARiadíssimas razões.

Incluo-me no cada vez menos abrangente lote de adeptos comuns. A vós me confesso leigo no que refere a matérias que envolvam togas e leis. Sem prejuízo dos meus parcos conhecimentos do poder legislativo e judicial, não preciso de empunhar uma balança na mão esquerda ou dos olhos vendados para descortinar o bem do mal.

Uma plataforma digital, de passarinho branco em fundo azul, trouxe-me a notícia de que o Tribunal da Relação de Lisboa defende que “comportamentos reveladores de baixeza moral são de alguma forma tolerados na cena futebolística”, descriminalizando o insulto e as ofensas; deste modo, o enquadramento penal de injúrias não será tido nem achado, porque falamos de um jogo de futebol, andebol ou pólo aquático.

Anúncio Publicitário

Entrando em considerações existencialistas, porque gosto de escrever sobre o que domino, parece-me que esta decisão dos juízes da 9ª secção do Tribunal da Relação de Lisboa é o perpetuar de um legado de sentenças que afastam dos recintos quem se comporta condignamente.

Por experiência – enquanto atleta federado durante um par de anos – e por constituir parte interessada e atenta ao fenómeno, noto que a educação está de forma constante em off-side nas bancadas. Se no campo a história é outra, fora dele são cada vez mais comuns os laivos de raiva e os assombros de frustração que descem em forma de sinapses do córtex para as extremidades do corpo e da língua.

Quem resolveu vir a terreiro foi José Manuel Constantino, através da sua página pessoal de Facebook. Numa intervenção em que recorreu aos recursos estilísticos para estabelecer um paralelismo entre um recinto desportivo e um off-shore, o Presidente do Comité Olímpico de Portugal pareceu mais preocupado em deixar uma bicada política na ressaca das legislativas, do que em contrariar este acórdão.

O futebol puxa o que de mais irracional existe no ser humano. Mas, felizmente, nem sempre é assim
Fonte: Francisco Correia /Bola na Rede

O desporto é, inequivocamente, um monopólio de emoções e deve ser encarado com rivalidade e competitividade. No entanto, o extrapolar de comportamentos aceitáveis, aliado à permissividade latente das leis que tratam da saúde desportiva portuguesa, não auguram um futuro auspicioso.

Cabe a quem gosta do jogo, pelo jogo, tentar mudar comportamentos e mentalidades, começando pela forma como olhamos e tratamos o outro fora dos estádios e pavilhões.

Não sou pai, nem sequer tenho muitos medos físicos. Mas sou filho, irmão, amigo e colega. No fundo, sou um comum adepto de futebol que deseja, apenas, sentir-se inseguro quando o adversário ataca a sua baliza.

Foto de Capa: Website Gandula FC

Artigo revisto por Joana Mendes

 

Artigo anteriorO Hondurenho que conquistou Tondela
Próximo artigoRed Bull dá-te tentáculos
Um conjunto de felizes acasos, qual John Cusack, proporcionaram-lhe conciliar a Comunicação e o Jornalismo. Junte-se-lhes o Desporto e estão reunidas as condições para este licenciado em Estudos Portugueses e mestre em Ciências da Comunicação ser um profissional realizado.                                                                                                                                                 O Miguel escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.