Depois de uma paragem para compromissos de seleções, os clubes estão de volta para a terceira eliminatória da Taça de Portugal. Se para algumas formações este será o primeiro jogo da época nesta competição, não se pode dizer o mesmo sobre o Futebol Clube de Alverca.

Para chegar a esta fase do torneio, o clube que integra o Campeonato de Portugal deixou pelo caminho o SC Sacavenense e o AD Portomosense. Quis o sorteio que, nesta ronda, – a primeira a ser disputada pelos três grandes – os ribatejanos recordassem os velhos tempos de Primeira Liga e Alverca receberá o campeão em título, o Sporting CP.

Afastado dos grandes palcos há mais de uma década, o atual vice-líder da série D da terceira divisão está a viver um momento bastante positivo rumo ao objetivo da subida.

Depois de, no ano de 2005, os “alverquenses” quase terem fechado portas, conseguiram reerguer-se. Regressaram aos campeonatos nacionais, têm um centro de estágio e ainda um investidor. 2006/07 foi o ano do recomeço. A equipa de futebol sénior voltou para disputar a terceira divisão distrital da AF Lisboa.

Os anos seguintes não foram fáceis, mas a direção liderada pelo presidente Fernando Orge teve sempre em mente dois pilares fundamentais para a recuperação, que só conciliados podiam levar o clube ao sucesso de outrora: a vertente desportiva e a sustentabilidade financeira, sem nunca esquecer o papel fundamental da “gente de Alverca” no apoio ao clube da terra. Foi com este pensamento que passados 13 anos o clube regressou aos campeonatos nacionais.

Festejo do regresso aos campeonatos nacionais, treze anos depois.
Fonte: FC Alverca

O regresso não foi fácil. No fim da primeira volta do campeonato passado, o Alverca ocupava um lugar de despromoção. Não era possível fazer face aos custos inerentes ao Campeonato de Portugal e continuar com o crescimento sustentado que trouxe o clube novamente para os campeonatos nacionais.

Posto isto, Fernando Orge viu-se obrigado a procurar um parceiro que ajudasse o clube a suportar os custos de uma equipa sénior nestas divisões. Foi, deste modo, que surgiu a parceria com Ricardo Vicintin, investidor brasileiro, que é representado por Artur Moraes, antigo guarda-redes do SL Benfica e do SC Braga, e agora vice-presidente dos “alverquenses”. A criação desta sociedade trouxe resultados desportivos imediatos, fazendo do FC Alverca a segunda equipa com mais pontos conquistados na segunda volta do campeonato transato e terminando a época num impressionante sétimo lugar.

Fernando Orge e Artur Moraes, presidente e vice-presidente do FC Alverca
Fonte: FC Alverca

Este ano a preparação foi diferente. Com a presença da SAD desde o inicio do campeonato, o planeamento da época foi feito para objetivos maiores. Se na temporada passada o objetivo era a manutenção, esta época a meta é a subida de divisão. Percorridas as primeiras sete jornadas, o FC Alverca é vice-líder do campeonato sem derrotas e o objetivo mantém-se intacto.

Com esta paragem na liga, o foco está virado para a Taça de Portugal e para o Sporting CP. Apesar da décalage nos orçamentos de uma e outra equipa, o Complexo Desportivo de Alverca não costumava ser um palco fácil para os leões. Em sete jogos disputados no reduto dos ribatejanos, as vitórias dividem-se, três para cada lado e ainda um empate. Veremos se o antigo “papa-gigantes” faz jus à alcunha e, passada mais de uma década, volta a provocar surpresas aos sportinguistas.

Foto de Capa: FC Alverca

Artigo revisto por Joana Mendes

Comentários