Malick Evouna nasceu a 28 de novembro de 1992 em Libreville, a cidade capital do Gabão, um pequeno país da África Central.

Formado no Cercle Mbèri Sportif, conjunto da sua cidade natal, Malick atuou, ainda, no Centre de Formation de Mounana, um outro clube gabonês, antes de rumar a Marrocos – em setembro de 2013 – para representar o Wydad Athletic Club, um dos emblemas mais prestigiados daquele país assim como de todo o continente africano.

Consagração em África

Depois de uma temporada de estreia positiva na formação de Casablanca, no decurso da qual marcara oito golos em 21 partidas, na sua segunda época, o avançado internacional pelo Gabão – conta com 22 aparições além de se sagrar campeão do Botola Pro, o principal escalão na hierarquia do futebol marroquino, fizera acrescer ao seu currículo o título de melhor marcador da prova, em virtude dos 16 golos apontados em 26 encontros. Ademais, e paralelamente a esse feito, Evouna obteve, também, o estatuto de máximo goleador de todos os principais campeonatos do Magrebe, região que integra três países: Marrocos, Argélia e Tunísia.

Consequentemente, e após vários emblemas estrangeiros (polacos, egípcios e cataris) terem manifestado interesse na contratação do artilheiro do WAC, Evouna haveria de se juntar ao Al Ahly SC, formação egípcia que se superiorizou à concorrência do Zamalek SC, seu eterno rival.

Ao serviço do conjunto da cidade do Cairo, onde chegou a coincidir com o treinador português José Peseiro, o ponta de lança voltou a evidenciar os seus dotes de goleador (12 tentos em 24 partidas), revelando-se, a par de Ramadan Sobhi – jovem promessa egípcia – e, do médio ofensivo, Abdallah El Said, um dos elementos cruciais para que os El Shayateen El Homr (Diabos Vermelhos, em português) conquistassem o seu 38.º título de campeões da Egyptian Premier League.

De resto, o êxito logrado no Egito culminou na sua transferência para os chineses do Tianjin Teda, numa transação efetuada mediante o pagamento de quantia próxima dos oito milhões de dólares – a maior venda protagonizada por um clube africano.

O avançado gabonês é, ainda hoje, recordado com apreço pelos adeptos do Al Ahly Cairo
Fonte: Al Ahly SC

No entanto, o percurso ascendente da carreira de Malick Evouna não teve continuidade na China, uma vez que dispôs de poucas oportunidades para demonstrar o seu valor; efetuou dez partidas – apenas três como titular –, tendo apontado três golos. Na verdade, o avançado que já acumulou 22 internacionalizações pelo Gabão (marcou dez golos) acabou por ser relegado para a equipa de reservas.

Europa – Da experiência falhada nas Águias da Anatólia à segunda vida nos Açores

A vinda de Evouna para os Açores e para o CD Santa Clara traduzir-se-á, apenas, na segunda experiência do ponta de lança no continente europeu, isto depois de ao longo da temporada transata ter atuado (por empréstimo) no Konyaspor Kulübü, emblema que se posicionou no  15.º lugar da Süper Lig – principal escalão do futebol turco. Como tal, apesar da notabilidade alcançada em África, o avançado natural de Libreville ainda procura transpor o seu registo goleador para o «Velho Continente», uma vez que a passagem pela Turquia se revelara infrutífera nesse capítulo – marcou um golo em 17 encontros.

Por conseguinte, o seu regresso à Europa está a ser encarado com bastante expetativa por parte da crítica desportiva em África, na esperança de que, na ilha de São Miguel e ao serviço dos Encarnados de Ponta Delgada, o avançado consiga reconciliar-se com o golo e, deste modo, relançar a sua carreira.

Malick Evouna caracteriza-se por ser um avançado polivalente, pois tanto pode atuar sozinho na frente de ataque como numa das alas – em particular, a direita. Aliando robustez à velocidade, surge, de forma oportuna, em zonas de finalização.

Foto de Capa: CD Santa Clara

Artigo revisto por: Rita Asseiceiro

Comentários