Mamadou Loum N’Diaye nasceu a 30 de dezembro de 1996 em Dakar – cidade capital da República do Senegal, país que possui uma considerável cultura futebolística. Por conseguinte, e à semelhança de muitas outras crianças daquele país da África Ocidental, Mamadou interessou-se pela modalidade, fazendo despertar o desejo de se vir a tornar profissional de futebol, uma aspiração que se intensificou assim que ingressou no Union Sportive de Ouakam, emblema dos arredores da capital onde fez toda a sua formação.

Após participar no Campeonato do Mundo sub-20 de seleções, que decorreu entre maio e junho de 2015 na Nova Zelândia – realizou cinco partidas ao serviço dos Les Lionceaux de la Téranga -, foi contratado pelo SC Braga, isto depois de ter cumprido um período de testes na Udinese Calcio, emblema italiano reconhecido internacionalmente por sinalizar jovens talentos.

Lançado por Abel Ferreira, fez a sua estreia – como suplente utilizado – no segundo principal escalão do futebol luso, a 15 de agosto de 2015, num encontro ante o Gil Vicente FC.

Enquanto jogador dos Arsenalistas, Loum atuou, ao longo das três últimas temporadas, na equipa B, disputando um total de 64 jogos e marcando quatro golos na exigente Segunda Liga. Assim, e ainda que não lhe tenham proporcionado oportunidades na formação principal do SC Braga, a qualidade que revelara catapultou-o para a Primeira Liga, um salto que se deu por via de um empréstimo a outro clube minhoto, o Moreirense FC.

Mamadou Loum tem vindo a deslumbrar, em época de estreia, na Primeira Liga, ao serviço do Moreirense FC
Fonte: Moreirense FC
Anúncio Publicitário

Um autêntico polivalente

A formação de Moreira de Cónegos, orientada por Ivo Vieira, tem alternado, desde o início da época, entre três esquemas táticos: o 4-4-2, o 4-3-3 e o 4-2-3-1. Ora, independentemente do sistema adotado, o médio defensivo senegalês tem surgido sempre como titular no setor intermédio dos verde e brancos, reflexo da importância que o seu contributo representa para a equipa. Porém, e atendendo à tática utilizada, o camisola número 31 do Moreirense comporta-se, claro está, de maneira diferente. Se, por exemplo, fizer parte de um meio-campo “a três” – com Pedro Nuno, Neto ou Chiquinho-, Loum fica encarregue de dar solidez à defesa, posicionando-se essencialmente no meio-campo defensivo da sua equipa, tal como sugere a seguinte imagem:

A verde, encontra-se representada a região que o médio senegalês ocupou por mais tempo diante do CD Feirense
Fonte: Heatmap

Além da grande consistência que empresta a nível defensivo, este jovem médio de 21 anos desempenha um papel essencial na articulação – entre setores – do jogo do Moreirense FC, o que se comprova pelo facto de ser o médio que maior número de toques dá por encontro, registando uma média de 56,3 toques. Trata-se, também, daquele que mais passes realiza, efetuando uma média de 41,4 passes por jogo, a que corresponde uma percentagem de sucesso de 70%.

Como joga

O médio vinculado ao SC Braga revela-se um futebolista polivalente, embora se destaque pelas suas caraterísticas defensivas. Nesse sentido, há que salientar a sua capacidade de desarme, já que realiza uma média de 2,3 desarmes bem sucedidos por encontro, o que equivale a uma percentagem de 80% sobre o total efetuado e, ainda, a sua destreza no capítulo das interceções.

Por sua vez, no que se refere ao plano ofensivo, sobressai a sua aptidão para efetuar remates de meia-distância, sendo que representam 70% da totalidade de remates que tenta.

Que este Loum possa crescer e ‘incendiar’ com a sua classe os relvados deste nosso Portugal.

Foto de Capa: Moreirense FC

Comentários