Anterior1 de 4Próximo

Cabeçalho Futebol Nacional2002 foi o ano que marcou o regresso do CD Nacional à elite do futebol português, onze anos depois da última presença na I Divisão. José Peseiro – em estado de graça na Choupana – era então o treinador e o plantel continha os desconhecidos Rossato, Paulo Assunção e Adriano Louzada, além de Jokanović, Ivo Vieira e Filipe Gouveia – futuros técnicos na Primeira Liga. O presidente era, desde 1994, Rui António Macedo Alves, um dos grandes obreiros da ascensão do Nacional. 15 anos volvidos, o clube alvinegro vê-se despromovido ao segundo escalão e o homem que durante duas décadas fora visto como figura intocável é agora apontado como o rosto do fracasso. Na formação do plantel, na abordagem aos maus resultados e nas trocas de treinadores, vários foram os erros que marcaram a última campanha do clube e o somatório acabou por mostrar-se fatal. Diz a Lei de Murphy que “se algo pode correr mal, vai correr (mesmo) mal” e o Nacional versão 2016/17 revelou-se prova real do adágio. Poucos previam no início do campeonato o desfecho que se acabou por verificar, numa época em que os madeirenses conheceram três treinadores diferentes. O annus horribilis da turma insular foi mesmo penoso a todos os níveis, acabando a equipa com a pior defesa e o pior ataque, tudo culminado com a descida de divisão.

Anterior1 de 4Próximo

Comentários