A CRÓNICA: GOLO MADRUGADOR COLOCA BRAGA EM AFLIÇÕES

Bastaram cinco minutos de futebol para Thiago Santana assinar o seu terceiro golo na edição 2020/2021 da Liga Portuguesa e colocar o CD Santa Clara em vantagem na Pedreira. Vendo-se em vantagem perante um adversário teoricamente mais forte, os açoreanos não tiveram medo de jogar mais recuados e focaram-se em fechar a porta ao perigoso ataque bracarense.

O primeiro momento que poderia ter dado o empate veio dez minutos depois, com um livre direto a ser batido rasteiro, com Marco Pereira a evitar males maiores sobre a linha de golo. Pouco depois, André Horta até colocaria a bola dentro da baliza após excelente jogada individual de Paulinho, mas o lance acabou anulado por fora de jogo de Francisco Moura. Até ao intervalo, o Braga teve mais bola, mas não encontrou o caminho do golo e até foi o Santa Clara a estar mais próximo do segundo aos 32 minutos.

Para o segundo tempo, Carvalhal lançou Galeno e Iuri Medeiros em campo, mas o jogo não mudou de figurino: o Braga teve mais controlo do esférico, mas continuou incapaz de bater Marco Pereira. Galeno teve um falhanço e houve também uma bola na barra e um corte crucial de João Afonso.

Anúncio Publicitário

No entanto, o jogo acabou por não ter grande emoção e os visitantes conseguiram defender a vantagem e somar a segunda vitória consecutiva, ficando, pelo menos por uma noite, com a liderança do Campeonato. Já o Braga tem um arranque para esquecer – não perdia os dois primeiros jogos da Liga desde 1999/2000 – e começa a ficar em aflições num ano em que tinha intenções de discutir o título.

 

A FIGURA

Marco Pereira – Várias intervenções de qualidade a negar o golo ao Braga e excelente qualidade de passe na reposição de bola. Viu amarelo por demorar demais num pontapé de baliza, mas não se pode criticar tal ação em demasia.

 

O FORA DE JOGO

Carlos Carvalhal – Dois erros podem ser apontados ao técnico bracarense. Em termos táticos, foi incapaz de colocar o eixo central da sua equipa a funcionar da melhor maneira. A somar a isso, faltou atitude durante todo o desafio a um conjunto da casa que nunca foi suficientemente aguerrido.

 

ANÁLISE TÁTICA – SC BRAGA

A equipa da casa mudou algumas caras no onze face à derrota no Dragão, mas não se pode dizer que tenha havido grande novidade no 4-3-3 apresentado na primeira partida oficial em casa da temporada. Paulinho foi um perigo sempre que tinha a bola, mostrando estar realmente entre os melhores do campeonato, mas Ricardo Horta não apareceu a nível que nos habituou e, acima de tudo, o meio-campo arsenalista nunca se encontrou, condenando a equipa a carburar sempre a meio gás.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Matheus (7)

Esgaio (5)

Carmo (5)

Bruno Viana (5)

Sequeira (6)

Francisco Moura (4)

André Horta (5)

Al Musrati (3)

Fransérgio (4)

Paulinho (6)

Ricardo Horta (5)

SUBS UTILIZADOS

Galeno (5)

Iuri Medeiros (4)

Castro (5)

Schettine (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – CD SANTA CLARA

Organizada num sistema de 5-4-1, a equipa açoreana mostrou um cariz bastante defensivo, forçado pela qualidade do adversário, mas também de forma ajustada ao golo madrugador. O conjunto do Santa Clara foi sempre competente e sólido na ação defensiva, mas também não abdicou de tentar visar a baliza à guarda de Matheus. Thiago Santana foi ameaça na primeira parte, mas a equipa perdeu um pouco de fulgor com a entrada de Crysan. Ainda assim, essa veia ofensiva foi suficiente para não permitir que o Braga se instalasse confortavelmente no domínio do encontro.

 

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Marco Pereira (8)

Rafael Ramos (6)

Mikel Villanueva (8)

João Afonso (7)

Mansur (6)

Rashid (6)

Anderson Carvalho (5)

Salomão (7)

Jean Patric (5)

Thiago Santana (7)

Carlos Júnior (5)

SUBS UTILIZADOS

Crysan (4)

Romão (5)

Lucas (-)

Ukra (-)

Sagna (-)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

CD Santa Clara

BnR: O Thiago Santana saiu tocado ao intervalo. Já sabe se será algo com consequências só para hoje ou se implicará uma paragem?

Daniel Ramos: Não sei. Só me apercebi já mesmo no balneário que ele estaria limitado e que provavelmente não estaria disponível para a segunda parte. Ele escorregou e tem ali um problema muscular. Vamos avaliar e tentar perceber se ele vai ser solução para o próximo jogo. Ainda não sabemos.

Outras declarações:

«Na segunda parte, tivemos mais dificuldades em fechar espaços».

«A equipa no seu todo foi sempre muito disponível. Foi muito equipa, muito unida».

«Temos a satisfação de ir para casa com o dever cumprido. Vão ver um Santa Clara a dar luta a toda a gente e a conseguir, muitas vezes espero eu, conquistar pontos».

«Melhor do que duas vitórias, só três».

SC Braga

O BnR não colocou questões ao treinador do SC Braga, Carlos Carvalhal.

Outras declarações:

«Acho que este é um jogo fácil de analisar».

«Fiquei com a sensação de que ao intervalo o empate era o resultado que mais se ajustava».

«Na segunda parte, o jogo teve um só sentido».

«Neste jogo, ficaria triste com um empate».

«Não estou triste com os meus jogadores, bem pelo contrário».

«[Sobre o golo anulado] Há lances que é só ver».

Artigo revisto