É só impressão minha ou este campeonato está mesmo muito estranho? Claro que não é. Nem sei porque é que estou a perguntar isto. A verdade é que não há, neste momento, nenhuma equipa em Portugal que me encha as medidas em termos de futebol praticado. Porém, está a verificar-se um fenómeno que, na minha opinião, é uma mais valia para o futebol português. Dá-me ideia de que as equipas grandes estão mais fracas e, por sua vez, as restantes mais fortes. Teremos, então, um campeonato mais competitivo este ano? Na teoria, sim. Na prática, não sei se tanto.

Ainda assim, não posso deixar de fazer referência à prestação destes clubes ditos “mais pequenos” naquela que tem sido a época 2018/2019. Mas de certo que será injusto falar dos bons resultados de algumas equipas somente este ano. Há, de facto, em Portugal, cada vez mais projetos desportivos sólidos, consistentes e com pernas para andar, e, sem dúvida, que isso tem feito a diferença a médio e longo prazo. Aliás acredito mesmo que daqui para a frente isso vá ser ainda mais notório até! O Braga já nem se insere neste tipo de clubes a que me refiro porque, à partida, todos nós já sabemos o clube que é e os “estragos” que pode causar ao longo do campeonato.

Exemplos como o Rio Ave, Vitória SC, etc. são mais do que elucidativos disso mesmo. Ano após ano, com algumas lacunas pelo meio, são clubes que não costumam ficar abaixo do meio da tabela e são muitas vezes essas equipas que acabam por surpreender os três grandes e, irremediavelmente, interferir na luta pelo título. Surpreender como quem diz, não é verdade? À partida, jogos com estas equipas, e especialmente se forem em casa, são sempre muito difíceis para conquistar os três pontos.

Ano após ano, o Rio Ave mostra ser é uma das equipas do campeonato com um projeto mais sólido
Fonte: Rio Ave FC

Com orçamentos ridiculamente mais baixos, a estratégia destes clubes tem passado essencialmente pelos empréstimos de jogadores não tão utilizados nos três grandes para estas ditas equipas. Isto acaba por ser benéfico para todos: para o campeonato, visto que a equipa fica mais competitiva; para o clube, visto que ganha um reforço na equipa a baixo custo e benéfica para o próprio jogador porque consegue ter mais minutos.

Não sei se este equilíbrio se fez mesmo notar mais agora devido ao facto de nenhuma equipa estar a jogar um bom futebol. A verdade é que temos equipas a sobressair e a surpreender e, pelo menos assim, conseguimos “desenjoar” um bocadinho dos três grandes.

 

Foto de Capa: Liga Portugal

Artigo revisto por: Rita Asseiceiro

Comentários