Cabeçalho Futebol Nacional

Na pacata Vila das Aves, em Santo Tirso, mora uma equipa com história no futebol nacional: o Desportivo das Aves. Com quase 90 anos de história e estórias, o Desportivo das Aves pretende chegar à primeira divisão pela quarta vez, mas falta saber se a equipa das Aves terá asas para voar.

O Desportivo das Aves, segundo classificado da Ledman Liga Pro, quer, finalmente quebrar a maldição de Neca, nesta temporada. Para quem não sabe, o Desportivo das Aves conta com três presenças na primeira divisão do campeonato português: em 1985, pelas mãos do mítico Professor Neca, em 2000 de novo com Neca e em 2005, novamente com Neca. A verdade é que a equipa só conseguiu subir à primeira divisão pelas mãos do professor, e até teve uma oportunidade de quebrar esta maldição, em 2014, quando teve a oportunidade de disputar um play-off contra o Paços de Ferreira, mas a equipa não conseguiu.

Esta temporada, com Ivo Vieira, técnico que passou pelo Nacional e pelo Marítimo, o objetivo definido no início da época foi bem claro: chegar à primeira divisão. A temporada até começou de forma algo intermitente, com a equipa das Aves a somar alguns empates, mas depois a equipa conseguiu dar a volta à situação e acumulou vitórias consecutivas que lhe permitiram atingir o segundo lugar da tabela classificativa. Os avenses conseguiram, em 13 jogos, 11 vitórias e apenas dois empates, fazendo valer o fator casa para garantir a vitória em diversos jogos.  A equipa estava bem e recomendava-se, conseguindo cavar um fosso assinalável em relação às equipas que disputavam o segundo lugar. Só que, depois de quatro jogos, onde a vitória não surgiu, os responsáveis do Desportivo das Aves perderam a paciência com Ivo Vieira e despediram-no, justificando o despedimento devido aos maus resultados, mesmo depois deste ter guiado a equipa até ao segundo lugar da prova.

De forma surpreendente, o escolhido para treinar a equipa das Aves, foi José Mota. O experiente técnico que falhou esta temporada no Feirense, volta a ser solução de recurso para uma equipa da segunda,  tentando alcançar a subida, depois de já o ter feito pelo Feirense, na temporada passada. Apesar de José Mota não ser uma opção consensual no seio dos adeptos do Desportivo das Aves,  o técnico terá todas as condições para alcançar a tão almejada subida. Desde o forte apoio dos adeptos, à boa classificação no campeonato, que permite ter algum desafogo, e ao próprio plantel, muito bem preparado e feito a pensar na subida.

José Mota tem tarefa árdua
José Mota tem tarefa árdua
Fonte: Desportivo das Aves

A equipa da Vila das Aves conta com um plantel constituído com um misto de juventude e com jogadores já batidos na segunda liga, um plantel recheado de qualidade. Na defesa, com Quim, experiente guarda-redes que passou pelo Benfica e pelo Braga, a liderar o quarteto defensivo constituído por: Hackman, a defesa direito, jogador que passou pelo Boavista na temporada passada, Nélson Pedroso, a defesa esquerdo, homem formado na casa e que conta com várias passagens na primeira liga, Tiago Valente e João Pedro, ambos com experiências na primeira liga, a atuarem como centrais.

Mais à frente, no seu experiente meio-campo, a equipa conta com elementos como: Luís Alberto, que já passou por diversos clubes na primeira liga, Pedró, que tem sido o patrão do meio-campo da equipa,  Tarcísio, médio centro com alguma rodagem nesta segunda liga, Zé Tiago que tem tido uma carreira em clara ascensão. Na frente de ataque é onde se vê maior rotação. Ora joga Théo Mendy, jogador que já está no seu segundo ano no clube, e Femi Balogun, nigeriano que esteve na Olhanense aquando da última participação na primeira liga, ora joga Alexandre Guedes, jovem avançado forma no Sporting e Luís Barry, experiente avançado que passou alguns anos pelo Desportivo de Chaves.

Mas não é só o plantel experiente e bem planeado do Aves que pode ajudar José Mota, a alcançar a subida. O Desportivo das Aves, em casa, tem um registo quase imaculado, sendo que é dos clubes mais fortes a jogar no seu reduto, da segunda liga. Vejamos: a equipa das Aves, em 14 jogos, perdeu dois, empatou três e venceu por nove vezes. Sendo que, o forte apoio do público tem sido também fundamental para o bom desempenho da equipa.

Agora, resta saber se com José Mota a equipa terá asas para alcançar a subida de divisão. Ainda há muito campeonato pela frente mas a equipa das Aves tem tudo para chegar à primeira divisão e quebrar mais uma “maldição” do futebol português.

Foto de capa: Desportivo das Aves

Artigo revisto por: Diana Martins

Comentários