Anúncio Publicitário

futebol de formação cabeçalho

A UEFA Youth League está de volta e nesta segunda edição conta com a presença dos “três grandes” de Portugal. Na primeira temporada desta competição para as camadas jovens europeias sub 19, o título foi para o FC Barcelona, após uma final discutida com o SL Benfica. O Benfica realizou um percurso prestigiante, tendo deixado para trás equipas como o PSG, o Olympiakos, o Anderlecht, o Áustria de Viena, o Manchester City e o Real Madrid, colocando-se entre os dois melhores clubes da Europa em sub 19.

Este ano, os encarnados lidam, simultaneamente, com o peso da responsabilidade do percurso do ano passado e com a vantagem da experiência adquirida. Embora o primeiro embate tenha terminado num empate sem golos frente ao Zenit (equipa que esteve no grupo do FC Porto na edição anterior), os vice-campeões criaram mais oportunidades de golo. Destaque para duas situações claras de golo, uma de Diogo Gonçalves, internacional português sub 18, com um remate que foi desviado pelo adversário e ainda chegou à trave, e outra de Romário Baldé, que surgiu isolado e consumou o golo, sendo este depois invalidado pelo árbitro por pretenso fora de jogo. A equipa portuguesa esteve, por isso, mais perto do golo mas faltou sorte e eficácia.

Anúncio Publicitário

O grupo C  já é liderado pelo Mónaco, que bateu o Bayer Leverkusen por 3-1. Na próxima jornada, a 1 de outubro, o Benfica desloca-se a Leverkusen (Alemanha) para defrontar o Bayer local.

O FC Porto, tal como os encarnados, beneficia da experiência do ano passado, embora o percurso não tenha sido de sucesso. Iniciou este ano a competição com o pé direito, tendo vencido por 2-0, em casa, o primeiro adversário, BATE Borisov. Apesar de ambos os golos terem sido de grande penalidade, o marcador não espelha a diferença de valor das equipas em confronto. A equipa portuguesa mandou em todos os capítulos do jogo, dando provas de ter um bom coletivo, que privilegia a posse de bola. Contudo, este não foi um jogo que desse para testar a qualidade do plantel azul e branco em termos internacionais, visto que a equipa bielorrussa não apresentou grandes argumentos ofensivos, preocupando-se, fundamentalmente, em defender. Destaque para a ala direita dos dragões, onde Fernando Fonseca e Ruben Macedo (autor do primeiro tento) conduziram a maior parte dos ataques da sua equipa.

Ainda no grupo H, o Atlético de Bilbau perdeu por 2-0, em casa, frente ao Shaktar Donetsk, equipa que irá receber o FC Porto no dia 30 de setembro.

O Sporting CP, caloiro nesta competição, foi à Eslovénia vencer por 3-1 o Maribor. Os leões assumiram cedo o comando do jogo e durante a primeira parte poderiam ter sentenciado a partida, tal foi o domínio e as oportunidades criadas. A vencer por 1-0 ao intervalo, a equipa portuguesa foi gerindo o tempo e o ritmo de jogo na segunda parte, parecendo estar já com o pensamento no duelo do fim de semana com os eternos rivais (Sporting-Benfica, sábado pelas 17h na Academia de Alcochete). O adversário apresentava-se aguerrido, mas sem grande qualidade técnica, o que poderia ter levado os verde e brancos a uma melhor circulação de bola e a um claro ascendente no marcador, o qual só viria a acontecer no período de descontos. O adversário não colocou à prova a capacidade desta equipa sub 19 do Sporting C. P., aguardando-se com enorme expetativa a visita do Chelsea à Academia no dia 30 de setembro.

Neste grupo G, o Chelsea venceu o Schalke 04 por 4-1.

Anúncio Publicitário