cab futebol feminino

Sempre gostei da palavra “salganhada”. Não sei exactamente porquê. É daquelas palavras que soam bem ao ouvido, que sabem bem dizer. Mesmo sem associar o seu significante ao significado (ai, Semiologia…), a própria palavra acaba por transmitir uma ideia automática de confusão, imprevisibilidade. Uma ideia de que nada está decidido e tudo pode acontecer.

Bem a propósito, é exactamente assim que vejo o que se passa actualmente no Campeonato de Futebol Feminino português – uma valente salganhada. Mas uma boa salganhada. Uma grande salganhada, diria. Isto porque afirmar que o campeonato feminino “está ao rubro” é dizer francamente pouco. E, sem mais demoras, devaneios ou introspecções linguísticas, passo a explicar o que quero dizer.

Campeonato de Manutenção

Aqui o termo salganhada remete para a intensa disputa entre 3 equipas. Bem sei que nesta fase de manutenção competem 6 clubes, mas actualmente penso ser bastante claro que a verdadeira luta pela permanência se jogará entre EFF Setúbal, 1º Dezembro e Cesarense. Com 4 jogos jogados de uma fase de 10 no total, tudo ainda é matematicamente possível, mas à excepção de uma eventual má fase de qualquer uma das restantes 3 equipas (Boavista, Valadares Gaia e Vilaverdense), o tira-teimas é entre as 3 últimas classificadas. Neste capítulo, o Cesarense leva uma forte vantagem para os restantes – 14 pontos somados, 3 vitórias e 1 derrota desde que começou a fase de manutenção. A 7 pontos de distância está, para surpresa de muitos que não tenham acompanhado recentemente futebol feminino, o 1º Dezembro. Sim, o grande Golias do Futebol Feminino português dos últimos anos, que chegou a vencer 11 campeonatos consecutivos e atingiu a marca de 140 jogos sem perder para o campeonato, está neste momento com um pé fora do primeiro escalão. Com um pouco mais do que um pé fora está mesmo a EFF Setúbal. Apenas 3 pontos somados no total (relembro que à entrada para a 2ª fase do campeonato os pontos foram divididos), 4 derrotas em 4 jogos da fase de manutenção. Vida difícil para o lanterna vermelha, que ainda assim registou bons pormenores durante a presente época.

1º Dezembro e EFF Setúbal em situação mais delicada para garantir a manutenção Fonte: Zerozero.pt
1º Dezembro e EFF Setúbal em situação mais delicada para garantir a manutenção
Fonte: Zerozero.pt

Penso que seja seguro afirmar que, à partida, Boavista, Valadares Gaia e Vilaverdense estão “safos”, isto é, em princípio não irão descer de divisão. A vantagem de 7 pontos que o Cesarense tem sobre a linha de água é sólida, mas nada garanta que 1º Dezembro e EFF Setúbal não desatem a fazer pontos e ainda consigam fugir àquele que começa a parecer cada vez mais o seu destino. Nesta salganhada para ver quem consegue um lugar ao sol, tenho o pressentimento de que ainda pode haver surpresas na fase de manutenção. Resta aguardar e ver quem se destaca.

Anúncio Publicitário

 

Campeonato de Apuramento de Campeão

Na minha antevisão sobre a luta pelo campeonato de campeão (https://www.bolanarede.pt/?p=8711), sublinhei dois aspectos de maior revelo: que o espectáculo prometia pela grande competitividade que se adivinhava e que ainda estava mesmo tudo em aberto. Volvidas três jornadas, que é como quem diz metade da fase de apuramento de campeão, estas duas premissas confirmam-se. Se partimos para esta segunda fase com A-dos-Francos em primeiro (24 pontos), seguido de Clube Futebol Benfica (22), Atlético Ouriense (20) e Albergaria (19), vejamos como está agora a classificação:

Campeonato de Apuramento de Campeão de Futebol Feminino Nacional 13/14, à passagem da terceira jornada. Fonte: Zerozero.pt
Campeonato de Apuramento de Campeão de Futebol Feminino Nacional 13/14, à passagem da terceira jornada. Fonte: Zerozero.pt

Primeiras reacções? “Grande salganhada!” foi a minha. O líder incontestado da primeira fase fez 3 pontos em 3 jogos. Para quem havia atingido um marco impressionante de 16 vitórias em 18 jogos da fase regular, é seguro afirmar que o A-dos-Francos está um pouco aquém do esperado. De qualquer forma, mantém-se no topo da classificação, com os mesmos dois pontos de avanço para a competição, e com boas hipóteses de se vir a sagrar campeão. Isto porque nos primeiros 6 jogos (3 jornadas) desta espécie de final four do campeonato nacional feminino, 4 deles acabaram em empate. O líder não descolou dos top contenders, o que permitiu ao campeão em título, Atlético Ouriense, aproximar-se do topo da classificação. Na primeira metade deste mini-campeonato, o Ouriense foi mesmo a equipa com o melhor resultado – 5 pontos em 9 possíveis. Logo atrás está o Albergaria, que, com uma preciosíssima vitória em Benfica frente ao Fofó, conseguiu angariar 4 pontos, continuando ainda na última das quatro posições.

Falta falar, então, do Clube Futebol Benfica. E a sua situação é mesmo a mais surpreendente. Depois de terem acabado a fase regular do campeonato com expressivas vitórias sobre adversários directos, o Fofó tem até agora o pior registo desta fase – apenas 2 pontos em 9 possíveis, fruto de dois empates e da derrota, em casa, com o Albergaria. Nesta verdadeira fase de mata-mata, em Benfica não se tem conseguido impor a supremacia ofensiva que tanto caracterizou a equipa ao longo da presente época.

O Campeonato Feminino Nacional está mais do que ao rubro e a imprensa desportiva portuguesa não é indiferente – o jornal A Bola deu o merecido destaque à modalidade. Fonte: Futebolfemininoportugal.com
O Campeonato Feminino Nacional está mais do que ao rubro e a imprensa desportiva portuguesa não é indiferente – o jornal A Bola deu o merecido destaque à modalidade.
Fonte: Futebolfemininoportugal.com

A 3 jornadas de se saber quem será o novo campeão feminino português, tenho de destacar o Atlético Ouriense nesta primeira metade da luta pelo título. Num curto espaço de tempo, as atletas de Ourém conseguiram ultrapassar a saída de uma jogadora importante, a demissão e consequente substituição do treinador e uma desvantagem de 4 pontos para estarem actualmente a apenas 2 do título. Não tenho dúvidas de que o Ouriense está dedicadíssimo em defender o título do qual é detentor, e os resultados comprovam-no. Nesta altura, apenas o Albergaria não depende de si mesmo para atingir a glória, e a próxima jornada contém um escaldante Fofó vs. Ouriense que pode decidir muito. Mas a julgar pelo que aconteceu nas primeiras 3 jornadas, tudo está, verdadeira e comprovadamente, em aberto.

Faltam nada mais, nada menos do que 3 jornadas. 3 jogos, 6 partes, 270 minutos que separam uma destas 4 equipas de ser campeã nacional. Afirmar que o apuramento do campeão nacional de futebol feminino “está ao rubro” soa a pouco. Muito pouco mesmo. Chegámos àquela altura em que a história chega ao seu desfecho, em que depois do twist inesperado a trama chega ao seu derradeiro final. Foi uma grande e longa guerra. Vamos ver quem ganha as últimas batalhas. Depois de ter acompanhado a temporada desde o seu início, confesso que estou em pulgas para ver os episódios finais. Foi uma bela viagem. Veremos quem sai por cima desta grande, mas boa, salganhada.

Comentários

Artigo anteriorAté domingo, amor da minha vida
Próximo artigo(Não) somos Porto
O Rui jogou a trinco nas camadas jovens do União de Tomar, e reza a lenda que se fartava de fazer faltas. Muito mais moderado nos comentários, diz que quando teve a oportunidade de escrever sobre futebol e raparigas, não pensou duas vezes.                                                                                                                                                 O Rui não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.