cab futebol feminino

Estados Unidos da América, Suécia, Japão, Alemanha e Brasil. Cortemos os ‘joguinhos’ de suspense. Estas são as maiores potências do futebol feminino, estas são as principais candidatas ao título do Campeonato do Mundo que arranca hoje no Canadá. Se o nível de jogo corresponder a 50% do mediatismo que o futebol feminino tem tido nos últimos meses (e vai ultrapassar de olhos fechados a marca aqui proposta), será o evento de maior sucesso para as jogadoras que querem e merecem que deixe de existir um ‘feminino’ depois da identificação da prova.

Falar de futebol, o jogado por raparigas/senhoras, é falar de uma vertente em crescendo desde os últimos anos. Mas essa introdução está feita. O que aqui interessa são os ‘dias de ouro’ do futebol feminino que hoje arrancam. O que aqui interessa, mesmo, é falar das equipas, das jogadoras, de hipóteses e perspectivas. De hoje até 5 de julho joga-se o sétimo Campeonato do Mundo de futebol feminino da história.

Pela primeira vez, estarão em competição vinte e quatro equipas. Não as doze que em 1991 disputaram, na China, a primeira edição da prova, mas vinte e quatro. O favoritismo distribui-se um pouco mais, sim, mas nem por isso os Estados Unidos deixam de ser apontados como principais favoritos. Têm a fórmula (da vitória e do sucesso – é importante distingui-los), têm a experiência e, claro, a equipa. Da baliza ao último terço do terreno, são a equipa mais completa.

Alex Morgan e Abby Wambach - dez anos de diferença e um objectivo comum: o terceiro título mundial  Fonte: Goal.com
Alex Morgan e Abby Wambach, dez anos de diferença e um objectivo comum: o terceiro título mundial
Fonte: Goal.com

Aqui, não há como enganar e é difícil apontar uma e apenas uma jogadora, mas fazemo-lo. Na frente e já com mais de cinquenta golos está Alex Morgan, agora com 25 anos. É ela a principal figura fora do campo (a par da guarda-redes Hope Solo), é ela a principal figura dentro dele. É exímia na colocação da bola, dotada como poucas. Tem a capacidade de destruir qualquer defesa num piscar de olhos e a estar livre de lesões será, indiscutivelmente, uma das figuras do mundial. Mas só com o apoio de Sydney Lerous, Abby Wambach e Megan Rapinoe. Não há como enganar.

Anúncio Publicitário

Mas, tal como os EUA, também a Suécia tem uma equipa e um plano bem traçado. O problema? Estarem ambas no mesmo grupo, a par de Austrália e Nigéria. Se no último Mundial (e nos dois Jogos Olímpicos ganhos) a equipa norte-americana era orientada por Pia Sundhage, a sueca está finalmente ‘em casa’ e poderá revelar-se como um fator decisivo na luta pelo título; a lutar pela camisola azul e amarela dentro do campo estarão jogadoras como Nilla Fischer. Sara Thunebro e, claro, a icónica Therese Sjögran, que aos trinta e oito anos conta já com 209 internacionalizações.

Quando, em 2011, os Estados Unidos (sim, outra vez…) garantiram o apuramento para a final, o título estava praticamente entregue. Pelo menos assim pensava a imprensa, os adeptos e, eventualmente, algumas atletas. O Japão discutiu a decisão para vencer, com uma humildade notável e talvez nunca antes vista. Fê-lo contra a corrente, contra o estrelato e venceu. Sofreu, mas venceu por 3-1 depois de grandes penalidades (2-2 após os 120 minutos).

O Japão vai tentar revalidar o título conquistado em 2011  Fonte: Fox Sports
O Japão vai tentar revalidar o título conquistado em 2011
Fonte: Fox Sports

Não há armas que valham mais que o espírito de equipa e o Japão tem-no como apenas algumas equipas conseguem nos dias de hoje. O futebol feminino está a crescer, sim, mas a equipa nipónica não. Tem raízes entrosadas há vários anos, tem valores adquiridos. Tem um percurso e, já, uma história.

Os casos do Brasil e da Alemanha estão a meio termo. Não atingem a popularidade dos EUA, como aliás ninguém nos dias de hoje consegue, mas têm o mesmo talento e, claro, a mesma experiência. Basta referir o nome de Marta, emblemática, para os dados estarem lançados.

Se conseguimos, através disto, delinear uma campeã antecipada? Bem… Uma vez mais, os Estados Unidos têm sido a equipa com melhores resultados nas grandes provas, aquelas que todas jogam – vice-campeãs mundiais em título, bi-campeãs olímpicas –, mas… Não passam de números. É dentro do campo que se define a campeã mundial e os jogos começam hoje. A partir de agora, sim, podemos passar a falar de campeãs. It’s showtime.

Foto de Capa: Eurosport

Comentários