liga europa

O dia 31 de Julho de 2014 vai ficar na história do Rio Ave. O sonho de poder jogar nas provas europeias concretizava-se para a equipa de Vila do Conde. O adversário era o IFK Göteborg. À partida este era um adversário acessível mas que podia dificultar a vida aos portugueses. Os suecos já têm história na Liga Europa, ao vencê-la por duas vezes nos anos 80, quando ainda era conhecida por Taça UEFA, e estão a meio do seu campeonato. Este era um dado a seu favor, pois o Rio Ave fazia agora o seu primeiro jogo oficial, tem um novo treinador e ainda procura a melhor forma.

Mas mesmo perante estas adversidades, o Rio Ave nunca se intimidou. O nervosismo de uma estreia europeia ficou no balneário, e a equipa apresentou-se em campo já com uma ideia de jogo. Durante a primeira parte foi dona e senhora do jogo; o Göteborg, que já tinha mais experiência nestas andanças, nunca foi capaz de assustar realmente o conjunto treinado por Pedro Martins. Só há a destacar uma defesa de Cassio num lance de perigo por parte dos suecos, logo nos minutos iniciais. Durante o resto da partida, o Rio Ave foi mais forte, principalmente depois do golo, quando o Göteborg desapareceu do jogo. Golo esse que veio aos 22 minutos. Momento para entrar na história. Hassan aproveitou da melhor maneira um cruzamento e escreveu uma página dourada no historial do Rio Ave, sendo o autor do primeiro golo em provas europeias.

Hassan fez história e foi o melhor jogador em campo Fonte: Facebook do Rio Ave
Hassan fez história e foi o melhor jogador em campo
Fonte: Facebook do Rio Ave

Ao intervalo, ninguém diria que o Rio Ave era um estreante, tal era a calma com que jogava. Sem medo e sem acusar a pressão, o Rio Ave construía uma vantagem justa.

A segunda parte foi diferente. Algo já esperado. O Göteborg tinha mais jogos nas pernas, enquanto o Rio Ave fazia o primeiro jogo, onde o esforço era maior. O treinador sueco arriscou tudo, e o Rio Ave teve de fechar os caminhos à baliza. Mas estava lá Cássio, que esteve seguríssimo quando foi chamado. E mesmo tendo mais preocupações defensivas, o Rio Ave nunca desistiu de procurar o ataque e por várias vezes poderia ter chegado ao 2-0. No final, um resultado justo, que poderia ter sido maior, e que deixa abertas as portas do play-off.

Pedro Martins está a construir uma equipa e só pode estar agradado com o resultado de hoje. Pegando no núcleo duro da época passada, o treinador viu a sua equipa ter uma exibição personalizada. Parecia que já estavam habituados a estas andanças.  O técnico deve ter gostado de ver Filipe Augusto, que foi o motor desta equipa. Ocupou o campo todo e procurou sempre levar a equipa para o ataque. Do outro lado, Del Valle esteve abaixo daquilo a que já habituou nestas épocas em Portugal. O treinador também lançou o jovem Boateng. O ganês, de 18 anos, teve o seu primeiro jogo oficial pelo Rio Ave logo num confronto europeu e cumpriu com o que foi pedido. Veremos se bem trabalhado pode ser uma mais-valia para o Rio Ave.

Comentários