O jogo de domingo, que colocou frente a frente o FC Porto e o Portimonense SC, será certamente um dia de que Alex Telles se recordará pelo simbolismo que o mesmo representou para a sua carreira enquanto atleta dos dragões. O lateral brasileiro cumpriu a sua 100º partida na Primeira Liga ao serviço dos azuis e brancos, assim como o 150º jogo com a camisola do emblema treinado por Sérgio Conceição. Num encontro que em termos individuais foi do oito (marcou o primeiro golo do desafio) ao 80 (foi expulso nos minutos finais), para o atleta.

Deve-se dizer que o jogador deverá ser daqueles que conseguiu atingir este número redondo de uma forma mais acelerada, já que a sua jornada no FC Porto tem sido notada por um tremendo sucesso e em quase todas as temporadas que já cumpriu em Portugal terá sido, sem grandes margens para dúvidas, um dos mais utilizados pelos diferentes treinadores que apanhou no clube da invicta. Aliás, desde que Sérgio Conceição assumiu o comando técnico que o brasileiro tem sido, de longe, o futebolista com mais minutos e partidas realizadas.

A história entre o defesa e o emblema nortenho iniciou-se no dia 13 de julho de 2016, quando a SAD Portista anunciou a sua contratação ao Galatasary SK da Turquia. A sua aquisição não foi unânime, visto que o FC Porto contava, na altura, com Miguel Layún, que tinha realizado uma temporada satisfatória, porém rapidamente Telles se transformou num dos jogadores mais acarinhados pela “torcida” azul e branca.

Este facto, deve-se ao extremo profissionalismo que o futebolista incutiu desde do seu primeiro dia como jogador do FC Porto. No entanto, a ligação que o conecta ao clube já vai muito para além do que um profissional tem com a sua entidade empregadora. Ou seja, nota-se já uma paixão, um sentimento, um carinho que ambos nutrem um pelo outro e que foi sempre sentido e crescendo ao longo dos vários 150 jogos em que participou.

Momento em que Alex Telles oferece a camisola da sua primeira internacionalização ao museu do FC Porto
Fonte: FC Porto

Desta forma, há vários momentos que nos vem logo à cabeça, uns mais felizes do que outros, como o golo decisivo contra a AS Roma, no jogo da segunda mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões. O livre fantástico que converteu, na época passada na Madeira, contra o CD Nacional  ou então aquela lesão que sofreu contra o GD Estoril. De facto, todas estas situações revelam magia, perseverança, empenho e sofrimento. Tudo aquilo que um adepto do FC Porto aprecia num profissional e a verdade é que Alex Telles já conseguiu conquistar um “legado” nos corações da massa associativa, bem como um lugar na história do clube. As palavras aquando da sua chegada parecem estar a concretizarem-se, visto que não é muito descabido afirmar que a preocupação que os adeptos têm com o defesa é quase tanta como tem com uma vitória dos “dragões” nos seus desafios.

Por tudo o que já simboliza e representa, atualmente, o atleta é um dos jogadores mais preponderantes dentro do plantel portista e em quem a equipa técnica mais confia. Deste modo, já pertence ao lote de capitães de equipa e quando um dos seus superiores não está no terreno de jogo, é ele que é merecedor de utilizar a braçadeira de capitão. Ou seja, Alex Telles já é daqueles que enverga dentro de si a tão aclamada “mística à Porto” e isso é uma peça importante para integrar os jovens talentos ou novas incorporações no grupo de trabalho.

Como se sabe, o defesa-esquerdo, pela sua competência técnica e física, é um dos maiores ativos que o FC Porto detém. Por esse facto, época após época é sempre um alvo de cobiça por parte dos emblemas estrangeiros. Contudo, o clube português tem conseguido reter esse interesse alheio por uma das suas “pérolas” e o compromisso, o profissionalismo e a alegria que o futebolista demonstra no seu dia a dia com a camisola dos portistas é algo que caí no goto de toda a gente ligada aos azuis e brancos. Também, será por isso que a renovação do internacional pelo Brasil é um dos processos prioritários em cima da mesa da direção liderada por Pinto da Costa.

Sendo assim, Telles precisou, sensivelmente, de três temporadas para chegar a esta marca, onde contabiliza até ao momento 13 golos. Por conseguinte, o internacional canarinho conta no seu currículo como futebolista do FC Porto, um campeonato e uma supertaça, um “legado” que o próprio quererá aumentar esta temporada. Por agora, resta continuar a disfrutar do seu “futebol” e que daqui a 150 jogos existam mais razões para festejar e para partilhar.

Foto de capa: FC Porto

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários