À margem de qualquer sistema de jogo, dinâmica ou tática que Rui Vitória possa utilizar, o plano em que o SL Benfica mais aposta para levar a cabo o objetivo da #reconquista parece ser, sem sombra de dúvidas, o das cortinas de fumo.

Mergulhado numa imensidão de batalhas judiciais das quais terá, invariavelmente, de acatar algum tipo de consequência, o clube encarnado começou a jogar o campeonato mesmo antes de este começar.

A mais recente “birra” com Yacine Brahimi permite desde já antever a estratégia com que os lisboetas partem para a nova época. Os mesmos que alegadamente manipularam descaradamente as imagens de Danilo na Vila das Aves, removendo frames que chegaram ao ponto de fazer desaparecer o pé do jogador avense, são os que, quais paladinos da verdade desportiva, se servem de uma imagem (quando o vídeo completo permitiria uma melhor análise) para tentar comprovar uma pseudo agressão do argelino a Niltinho, do CD Chaves.

Por uma questão de coerência, convinha que o SL Benfica abordasse lances como o que deixou Herrera neste estado
Fonte: FC Porto

Para desmistificar essa quase anedota nada melhor do que saborear a explicação do totalmente insuspeito Duarte Gomes (ex árbitro que não raras vezes assumiu o seu benfiquismo), que desprovido de qualquer pudor não hesitou em pressupor a abordagem do seu clube como “manipuladora”: “Felizmente temos opinião própria e não alinhamos em frames que insinuam agressões ou condutas violentas.”

Mas aqui entra o cerne da questão. Por onde andava este SL Benfica atento, justo e preocupado com o bem estar do futebol português quando o mesmo Brahimi foi suspenso por dois jogos por ter “proferido palavras impercetíveis em francês?” No mínimo ridículo, não senhores polícias do mau comportamento?

Ou então, por onde andavam os arautos da verdade quando Luís Godinho, num dos seus habituais enganos em jogos do FC Porto, abalroou sem apelo nem agravo um jogador portista, expulsando-o imediatamente?

Gostaria também que o Sr. Varandas Fernandes me pudesse elucidar sobre o critério que o SL Benfica utiliza para descortinar benefícios ao FC Porto em jogos em que este é altamente prejudicado. Foi assim há duas semanas em Aveiro, quando o gabinete de crise se apressou a condenar os excessos de Sérgio Conceição, mas logicamente esqueceu a bárbara agressão de que Herrera fora alvo e que, naturalmente, acabou por desencadear essa reação mais intempestiva do treinador do FC Porto. Mais recentemente, tivemos a brincadeira de meninos que foi o caso de Brahimi quando, precisamente no mesmo jogo, o penalti sobre Otávio, do tamanho da catedral da Luz, fugiu do horizonte dos apaziguadores do ambiente crispado em que se encontra o futebol português.

O SL Benfica clama aos quatro ventos a necessidade de irradiar comportamentos que coloquem em causa a honestidade dos árbitros, condenando as pressões a que estes são muitas vezes sujeitos, mas esquece que tem um treinador que não abdica de ir para uma conferência de imprensa no final de um jogo que correu menos bem prometendo que estaria atento à carreira do árbitro em questão.

Varandas Fernandes criticou a não penalização de Brahimi
Fonte: SL Benfica

O SL Benfica acusa o FC Porto de exercer poder sobre as mais variadas instâncias que gerem o futebol português, mas bastou um mísero sinal de desagrado em relação ao desfecho do caso de Brahimi (que havia sido arquivado pela comissão de instrutores da Liga) para logo o amigo Meirim vir acalmar as massas com a anunciação da instauração de um processo. A pergunta aqui é: Para que serve mesmo a tal comissão?

Já que estamos numa maré de perguntas, e voltando ao Sr. Varandas Fernandes, poderia também aproveitar para explicar o que pretendia o SL Benfica com a alegada recolha de dados pessoais dos árbitros (como moradas, contactos e informações privadas) que constam dos emails revelados e que tardam em ser categoricamente desmentidos. Por que razão o SL Benfica tem mais sucesso quando os seus jogos são arbitrados pelos denominados “padres” do que por outros? Num dos emails foi possível ter conhecimento da criação, por parte do SL Benfica, de um PowerPoint que detalhava todos os passos necessários para controlar os organismos do futebol português, como a Liga, a FPF e o conselho de arbitragem. O que é que isto significa, mesmo?

A síndrome do esquecimento é tramada…

Foto de Capa: FC Porto

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários