É sabido que o FC Porto não atravessa um momento de grande fulgor financeiro. Até 30 de junho o FC Porto precisa de realizar mais-valias e a venda de Ricardo Pereira estava planeada pela administração portista.

Ricardo Pereira fez uma época fantástica, sendo muito importante na conquista do título. Mas entre os jogadores que podiam gerar uma boa mais-valia, Ricardo, talvez fosse o mais fácil de substituir. Dalot é um tremendo jogador e, na minha opinião, dentro de dois, três anos pode ser o melhor defesa direito do futebol mundial. É muito importante apressar a sua renovação. Maxi já mostrou disponibilidade para renovar e baixar o salário, e a mesma está prestes de ser concretizada.

Anúncio Publicitário

Dalot e Maxi Pereira dão plenas garantias no plano desportivo e a mescla da juventude de Dalot com a experiência de Maxi tem tudo para resultar na perfeição. Tendo ainda Fernando Fonseca de reserva para uma emergência, o FC Porto tem o lado direito da defesa assegurado para as próximas épocas.

Ricardo Pereira realizou uma época de grande nível
Fonte: FC Porto

Uma venda por 20 milhões de euros com mais cinco por objetivos é uma venda que pode ser considerada interessante. É evidente que os outros clubes sabem da necessidade do FC Porto em vender com alguma urgência e isso também se reflete na forma como negoceiam com os azuis e brancos. Não é uma venda extraordinária, mas analisando todas as variantes, último ano de contrato, poucas internacionalizações, posição que ocupa no terreno (os defesas nunca são tão valorizados como posições mais adiantadas no terreno), considero uma venda razoável.

Chegou ao FC Porto proveniente do Vitória SC a troco de dois milhões de euros. Por isso gera uma mais-valia à partida de 18 milhões de euros. Mais uma prova que o mercado interno e a formação tem de ser a prioridade na política desportiva do FC Porto. As vendas de André Silva, Rúben Neves e Ricardo são uma prova viva disso.

Foto de Capa: Leicester City

Artigo revisto por: Jorge Neves