Não, caro leitor. Não estamos a elencar prováveis equipas presentes nos oitavos definal da Liga dos Campeões (quiçá quartos de final). Estamos, isso sim, a anunciar os ilustres adversários do FC Porto na fase de grupos da prova milionária.

Se é certo que, pertencendo ao pote 3 das equipas sorteadas, a vida estaria, provavelmente, sempre difícil para os dragões, poucos esperariam um caminho tão tumultuoso.

Em três presenças na fase de grupos da Champions, Sérgio Conceição conseguiu sempre o apuramento, mas este ano tem o verdadeiro teste de fogo. Diria mesmo que, caso se apure, o FC Porto já pode dizer que fez algo um bocadinho especial na versão 2021/22 da Europa do futebol.

FC Porto
Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

Tenho a teoria de que o verdadeiro fator decisivo na hora de avaliar se um sorteio foi “favorável” é mesmo a equipa do pote 4 (aquela que, a priori, estará mais ao alcance de qualquer clube português habituado a estas andanças). Também por aqui o FC Porto ficou com a fava: o AC Milan.

Anúncio Publicitário

Comecemos por analisar o momento dos “rossoneri”. Sob o comando de Stefano Pioli, o AC Milan teve relativo sucesso em dois anos seguidos. Digo relativo porque, não tendo conquistado títulos, o clube começou um processo de crescimento gradual e sustentado, que culminou no segundo lugar da Serie A no ano passado.

Não, de todo, um “bicho papão”, mas a verdade é que esteve na iminência de contratar Corona ao FC Porto. Alguém acredita que os dragões conseguissem contratar Ibrahimovic, Theo Hernandez ou mesmo Rafael Leão ao AC Milan? Não creio.

Este estatuto histórico, aliado a um orçamento superior, por si só, não ganha jogos, e o FC Porto tem estado presente nos momentos de decisão europeia nos últimos anos. Sérgio Conceição, de resto, já provou conseguir preparar tática e mentalmente a equipa para estes grandes jogos.

FC Porto
Na época passada, foi Sérgio Oliveira o herói de eliminatória frente à “vecchia signora”.
Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

As eliminações da AS Roma ou da Juventus FC aos pés do FC Porto são bons exemplos de superação portista no passado. Acredito que este AC Milan seja o adversário menos difícil do grupo e creio mesmo que, se o objetivo é passar esta fase (o que no FC Porto, já se sabe, é intrínseco), o jogo em casa frente aos italianos será decisivo. A partir daí, todos os pontos serão muito mais caros.

No que toca ao campeão espanhol, o Atlético de Madrid, antecipo dois jogos cuja palavra dominante poderá ser competitividade. Há semelhanças, não entre os clubes, mas entre as equipas: ambas têm dedo de treinador, identidade, resultados, mas são acusadas de jogar “feio”.

Como se “bonito” não fosse festejar no fim de um jogo ou de uma época. Acredito que, em vantagem, o FC Porto possa sofrer contra os espanhóis, mas que, em desvantagem, também os faça sofrer. Não acredito em goleadas (quer no Dragão, quer em Madrid).

Ainda em busca da glória europeia (é o único clube do grupo que ainda não foi campeão europeu), o Atlético de Madrid tem, como todos, um grande desafio numa fase muito precoce da competição.

Por fim, o Liverpool FC. Klopp tem um histórico esmagador sobre Sérgio Conceição, mas o que faz verdadeiramente a diferença em jogos desta dimensão é a intensidade a que as equipas inglesas estão habituadas a jogar.

Talvez por aí se explique que, em tantos anos gloriosos de história, o FC Porto nunca tenha sequer ganho um jogo em Inglaterra. O Liverpool FC, com Klopp, já saboreou a glória mas, na época passada, só garantiu a presença entre a elite no último suspiro do campeonato.

Individualmente, são os ingleses aqueles que têm melhores valores e, coletivamente, também são muito fortes. Num dia bom, diria que este é o adversário mais difícil que os dragões vão enfrentar.

Os dados estão lançados e ditaram seis noites difíceis, mas de necessidade de jogos à FC Porto. Uma coisa é certa: a Europa do futebol vai parar para seguir o grupo em que os dragões estão incluídos e esta é mais uma grande oportunidade para os portistas mostrarem que pertencem à Liga dos Campeões.

Artigo revisto por Gonçalo Tristão Santos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome