2019/20 tem sido, sem dúvida, uma época de sonho para Romário Baró. Pode até ser, eventualmente, paradoxal qualificar a fase inicial da temporada deste jovem desta forma, sobretudo devido à quantidade de jogos em que tem estado ausente por lesão.

Contudo, arrisco-me a afirmar que todos esses problemas físicos que o têm afetado poderão ser facilmente sobrepostos pela confiança que Sérgio Conceição aparentemente demonstra no seu futebol. Aliás, e se falamos de confiança, é impossível deixar a massa adepta de fora: Baró é, atualmente, visto como um jogador com enorme potencial pelos “portistas” que, apesar da sua tenra idade, é já encarado como uma realidade no atual plantel, uma efetiva mais-valia.

Se, por um lado, as oportunidades que o internacional sub-21 português já vem acumulando nesta fase inicial do ano desportivo devem ser encaradas como um fator positivo, os motivos por detrás das mesmas não devem ser vistos da mesma forma.

Vamos lá por partes: é impossível negar o talento que Baró demonstra dentro das quatro linhas. Um jogador claramente diferenciado, tecnicamente, com um bom olho para o passe, aguerrido e desequilibrador com a bola nos pés – claramente alguém que deixa qualquer adepto de futebol encantado com o seu talento.

Romário Baró foi um dos elementos em maior destaque na vitória do FC Porto por 0-2 no Estádio da Luz
Fonte: FC Porto

Contudo, o facto de, em condições de plenitude física, Romário ser titular “de caras” nesta equipa, revela a pobreza de qualidade existente no meio-campo do FC Porto. Com isto não procuro em nada rebaixar esta pérola da nossa formação, pretendo apenas constatar que, em caso de lesão ou de uma queda de rendimento (característica de jogadores de tenra idade), nenhum nome surge como ideal para substitui-lo no onze inicial.

E a falta de opções de qualidade no setor intermediário do campo não se restringe apenas à sua componente mais adiantada; muito pelo contrário, aliás.

No quesito “médios diferenciados”, atualmente, restaram apenas um lesionado Baró, um Danilo muito abaixo das suas capacidades e um Uribe que, recentemente, tem estado abaixo daquilo que se perspetivou aquando da sua contratação.

Relativamente aos restantes, em pouco me deixo iludir com um Bruno Costa ou com um Sérgio Oliveira e pedir regularidade ao Otávio é a mesma coisa que pedir para não se molhar à chuva.

Ah, quase que me esquecia do Loum, jogador contratado ao SC Braga por míseros 7.75 milhões de euros. Bom, do médio senegalês pouco ou nada tenho a dizer, visto que a maioria dos adeptos nem o deve conhecer, dado que SC apenas nos presenteou com o futebol de Loum no jogo da Taça de Portugal frente ao SC Coimbrões.

Foto de capa: FC Porto

Artigo revisto por Joana Mendes

Comentários