dragaoaopeito

Acabou o campeonato nacional, não há finais a ser disputadas, e a nova época pode começar a ser preparada. 2013/2014 não vai figurar no Museu do Porto, disso ninguém tem dúvidas. Que o novo ano dê uma volta de 180º em termos de conquistas e níveis exibicionais (quanto ao plantel, uma volta de 70º também se impõe).

O adeus de Luís Castro

Luís Castro fez um excelente trabalho na equipa B, tomou as rédeas da A quando era já insustentável ter Paulo Fonseca no comando da equipa, e voltou a assinar um contrato de 3 anos. Se é merecido? Eu digo que sim. Foi eliminado de ambas as taças nacionais (com um Benfica já desfalcado em ambos os jogos), teve uma saída inglória da Liga Europa, mas a verdade é que na sua posição qualquer treinador teria muitas dificuldades em fazer melhor. A renovação do seu contrato aceita-se, até porque é benéfico para o clube ter um treinador com a experiencia de Luis Castro na transição de jogadores das camadas jovens para as competições seniores. O Porto B acabou a Segunda Liga num segundo lugar, apenas a 2 pontos do líder Moreirense, algo que mostra bastante bem o sucesso que Castro teve esta época.

Luis Castro regressará a B, equipa que obteve o 2º Lugar na Segunda Liga Portuguesa  Fonte: ZeroZero
Luis Castro regressará a B, equipa que obteve o 2º Lugar na Segunda Liga Portuguesa
Fonte: ZeroZero

É ainda especial que no seu último jogo como treinador da equipa principal do Porto, Luis Castro tenha dado a titularidade a um talento do Porto B que pouca gente conhecia até à data. Mikel, na sua estreia pela equipa principal, contra um Benfica campeão (desfalcado, bem sei, mas a pressão de jogar contra um Benfica continuava a ser alta), mostrou poder vir a ser a curto-médio prazo uma boa alternativa a Fernando. O médio defensivo nigeriano de 20 anos esteve bastante bem no meio-campo portista, nomeadamente devido à agressividade que impôs em todos os lances, mostrando-se, no entanto, algo precipitado nos passes para os seus colegas.

Anúncio Publicitário

Espírito de Grupo

É bom saber que após uma época terrível existe um espirito de grupo dentro do plantel que faça acreditar que nem foi assim tão mau. Em termos mentais foi claramente benéfico ter ganho ao Benfica e ver os jogadores felizes após o apito final, a postarem imagens do plantel nas redes sociais. São pequenos exemplos de que o primeiro passo para dar a volta já foi dado – aceitação. Já se aceitou que a época foi má, já se aceitou que nada mais se pode fazer, e agora é começar do zero, ir de férias (ou ir para o Brasil), e preparar 2015.

Ricardo Quaresma tornou-se uma peça fundamental em campo e no balneário (ainda que o seu temperamento continue igual, não seria de estranhar que a braçadeira de capitão fosse sua), e neste fim de época mesmo os jogadores menos utilizados não apresentam a habitual insatisfação e vontade de sair do clube. Muitos devem sair e muitos outros devem entrar, mas a verdade é que é notória a existência de um núcleo duro (Quaresma, Josué, Ghilas, Quintero, Carlos Eduardo, Danilo e Alex Sandro) com experiência e vontade de estar no clube, que facilitará a habituação de novas entradas.

Não deixa de ser positivo ver um plantel anormalmente feliz, pelo menos há um grupo  Fonte: Instagram de Steven Defour
Não deixa de ser positivo ver um plantel anormalmente feliz, pelo menos há um grupo
Fonte: Instagram de Steven Defour

O Mercado já começou

De novos jogadores, os mais falados (dados como certos pela imprensa) são Ayoze Peréz, avançado espanhol (a vir, não será seguramente o primeiro hermano a chegar ao Porto), e o guarda-redes Ricardo (actualmente na Académica). Como falei num artigo há umas semanas, contracções, saídas e empréstimos só serão certas após passadas algumas semanas do término do Mundial, mas não me parece errado que uma ou outra contratação (de jogadores que seguramente não estarão no Braisl), possa estar já a ser equacionada neste momento. Se há ano em que os jornais desportivos vão vender bem no Verão, é este, seguramente.

Acabou 2013/2014 para o Porto; começa agora a silly season. O que desejo neste momento é que o maior número possível de jogadores portistas seja convocado para o Mundial, com o desejo pessoal de ver Ricardo Quaresma na lista de Paulo Bento. O Porto 2014/2015 começou Sábado; agora é ter cabeça…

 

P.S. – Menção honrosa à Dragon Force

Não poderia deixar de dar os parabéns à equipa de basquetebol que derivou do FC Porto (abandonou o basquetebol profissional 2012), a Dragon Force. Com jogadores provenientes da formação portista, a Dragon Force venceu a ProLiga, batendo o Illiabum por 73-72, no segundo jogo da final, no Dragão Caixa, e Moncho Lopéz merecerá seguramente um Dragão de Ouro pelo trabalho que desenvolveu com este conjunto de extraordinários jovens jogadores que voltaram a colocar o Porto no patamar mais alto do basquetebol nacional.

Comentários

Artigo anteriorA caminho do Brasil
Próximo artigoO jogo que vai decidir quem fica na Liga Zon Sagres
“Lisboa tem mais encanto pintada de azul branco”, o lema de qualquer portista de Lisboa que se preze. Em 22 anos, não me cansei de festejar. Com o Dragão longe mas sempre no coração, é demasiado fácil ser campeão.                                                                                                                                                 O Telmo não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.