atodososdesportistas

Em jeito de começo, o fim-de-semana trouxe para todos nós, (des)Portistas, um sabor agri-doce: se por um lado a saída do nosso El Comandante foi uma surpresa para todos (o jogador que eu mais admirava e que considerava o último dos três senhores do nosso futebol mais recente, a par de Rui Costa e Aimar, empobrecendo o nosso futebol), por outro tivemos uma alegria a fazer lembrar o jogo que nos deu a liderança do campeonato passado com vitória nos descontos, o que é sempre uma festa!

Jogámos mal na primeira parte, contra um Marítimo organizado e a explorar o contra-ataque. A nossa defesa não foi eficaz e salvou-se um meio campo combativo num fantástico segundo tempo, onde a entrega de Josué lhe valeu a cereja no topo do bolo, ao fazer o golo da vitória numa equipa comandada pelo maestro Carlos Eduardo. A arbitragem foi totalmente desprovida de conteúdo, com um árbitro que foi o culpado de todo este recente alarido: um penalty e respectiva expulsão por falta sobre Carlos Eduardo (que resultou numa caricata bola ao solo, veja-se…) e um pacto com os jogadores do Marítimo que permitia que cada interrupção tivesse direito a 2/3 minutos. Até jogadores que estavam fora do campo reentravam para serem assistidos. A actuação do juíz, a roçar o aberrante, culminou com uns hilariantes 4 minutos de desconto, quando esse foi só o tempo que o guarda-redes da equipa da Madeira esteve no chão em apenas um lance! No mínimo, seriam exigíveis 10 minutos.

Quando já todos davam um Porto fora da Taça da Liga e o Sporting já festejava, eis que chega a justiça divina e em pouco menos de 10 minutos o Porto faz aquilo que procurou toda uma segunda parte: dois golos e respectiva vitória! Um penalty claríssimo numa falta patética do central maritimista (que já não devia estar em campo pelo referido penalty sobre Carlos Eduardo), que só quem tem palas nos olhos pode dizer que não é. Como as pessoas (não) sabem, surgiu uma nova lei, ainda o ano passado, que refere (como todo o sentido, na minha opinião) que as faltas são marcadas onde acabam e não onde começam. Ghilas começa a ser agarrado fora da área e assim vem sendo por cerca de 3 metros, levando tudo à frente, até que não deu mais, caiu perto da marca de grande penalidade e obviamente o árbitro, numa das poucas vezes em que apitou bem, apontou para a marca dos 11 metros. Justiça feita, Porto apurado e melão em Penafiel.

Josué não tremeu da marca de grande penalidade  Fonte: Visão de Mercado
Josué não tremeu da marca de grande penalidade
Fonte: Visão de Mercado

Foi no final do jogo que entrou, uma vez mais, em acção aquele que tem sido o maior incendiário de jogos entre Sporting e Porto e que até chega mesmo a falar mais do Porto do que do seu actual Super-Sporting: Bruno “bébe” de Carvalho. Sim, tenho de lhe dar esta alcunha, pois sempre que fala o seu tom de suspeição e o seu chorinho já começam a ser evidentemente desculpas de mau perdedor e o cansaço que isso causa já começa até a irritar alguns sportinguistas que sabem ver futebol.

Anúncio Publicitário

Só para se ter uma noção do quão ridículo é esta insinuação de que o Porto atrasou o jogo de propósito, a segunda parte começa no Dragão apenas (repito: APENAS) 42 segundos depois do segundo tempo em Penafiel ter tido inicio. Estamos a brincar, Bruno “bebé” de Carvalho? Quer que os árbitros tenham todos o mesmo “relógio online” e que as vicissitudes dos jogos não variem de um para o outro? O jogo do Sporting foi corrido e sem grandes interrupções, o jogo do Porto foi o que se viu. O jogo do Sporting teve 3 minutos de tempo-extra, o do Porto 4 + 3 (dado o tempo da marcação da grande penalidade e todo o alarido provocado), por isso vamos fazer contas: de 3 para 7 vai uma diferença de 4 minutos; juntemos os 42 segundos de atraso entre o início das segundas partes dos respectivos jogos. É preciso dizer algo mais?! O Bruno de Carvalho queixa-se de uma diferença de cerca de 5 minutos… Então está explicado! 4,42 segundos mais o tempo que a informação demorou a chegar aos ecrãs de Penafiel (que há-de ter o seu atraso também…) se quisermos ser mais precisos! É feio querer tapar um grande buraco que um pouquinho de nada de areia, sr. Bruno de Carvalho. E ainda cai mais no ridículo quando afirma que vão passar a jogar esta Taça com juvenis e juniores… Parece que estamos no INATEL (com todo o respeito por quem joga nessa competição)!

Bruno de Carvalho em Penafiel  Fonte: Zero Zero
Bruno de Carvalho em Penafiel
Fonte: Zero Zero

Mais uma vez o choramingar do grande bebé não lhe trouxe nada mais do que passar a figura de homem triste e impreparado para falar quando é presidente e não adepto ou comentador. O comunicado da SAD sportinguista é, do início ao fim, uma paródia ao estilo dos Monthy Python, onde só falta o seu presidente cantar o célebre tema “Always Look on the Bright Side of Life”. Deixe-se de guerrilhas, limpe as lágrimas e limite-se a ser presidente. Deixe os comentadores desportivos vestirem a farda que você teima em vestir! O Sporting merece estar como está, mas não merece ter um representante que, de cada vez que fala, não corresponde àquilo que é o seu trabalho de escritório, muito bom, diga-se de passagem.

Para finalizar, acho piada a dizerem que o Porto não dá importância à Taça da Liga… E não dá! Todas as épocas a Taça da Liga é o 4.º objectivo, depois do campeonato, competições europeias e Taça de Portugal. É lógico que no ano passado, como fomos eliminados da Liga dos Campeões e da Taça de Portugal, a Taça da Liga passasse a ser um objectivo, tal como foi durante 4 anos o objectivo número um do Benfica dado que cedo ficavam arredados das restantes… Mas uma Taça da Liga não nos salva a época como a outros. Uma Taça da Liga, se vier, é bem-vinda pois é mais um troféu. Eu defendo o boicote dos três grandes a esta competição, pois não trás prestigio nem dinheiro (para clubes grandes não é nada, paga 5 meses de salário a um jogador da equipa) e pode provocar lesões (como a de Emídio Rafael numa fase de ascensão da carreira). É uma taça que até no calendário é uma coisa feia. Mas, enfim, se participamos, porque não tentar ganhar, rodando mais do que os outros na maioria dos jogos, embora sabendo que se for um jogo de tudo ou nada teremos de entrar com os melhores?

Bem, espero que quem leu até ao fim possa agora abrir os olhos e perceber que toda esta história do “atraso deliberado” não passa de mais uma campanha (muito bem feita) de toda a comunicação social e dos outros clubes contra o Porto. Não é coincidência isto acontecer com jogos envolvendo Marítimo e Sporting numa aliança anti-Porto?! Os madeirenses ainda andam em disputas por causa do “caso Kléber”. Já o Sporting, tem seguido o caminho de culpar sempre o árbitro quando não ganha. No final nós continuamos por cima, mesmo com altos e baixos! Um resto de boa semana a todos os (des)Portistas!