Cabeçalho Futebol NacionalO CD Aves e o FC Porto empataram a uma bola, numa partida a contar para a 12ª jornada da Primeira Liga. Os “azuis e brancos” marcaram primeiro, mas a equipa da casa conseguiu igualar o marcador no decorrer do segundo tempo.

Casa completamente cheia na Vila das Aves para receber os avenses e os “dragões”. A equipa da casa procurava surpreender o líder do campeonato, de modo a conseguir fugir da zona de descida. O FC Porto surpreendeu com o regresso de Tiquinho Soares ao onze inicial, algo que não acontecia há mais de dois meses.

Os pupilos de Sérgio Conceição tentaram controlar a partida desde o primeiro minuto ao construir os seus processos ofensivos desde a sua linha defensiva. O Aves, quando recuperava a posse de bola, tentava surpreender os “azuis e brancos” com transições rápidas. Salvador Agra foi o primeiro a criar perigo, com um remate ao lado à passagem do minuto 4.

O Porto pressionava alto e acabou por chegar ao golo com apenas seis minutos de jogo. Tiquinho Soares desmarcou Ricardo Pereira na perfeição e o internacional português não vacilou na cara de Quim. Colocando-se cedo na liderança, a equipa portuense controlou o jogo à sua maneira na etapa inicial. A turma da casa não baixou a cabeça e assustou José Sá aos dez minutos da partida com um remate à trave, da autoria de Amilton.

Após um início de jogo frenético, o ritmo de jogo quebrou. Por outro lado, Sérgio Conceição pedia mais concentração à sua equipa, que perdia algumas bolas no meio-campo atacante após iniciativas individuais.

Anúncio Publicitário

O Porto procurava libertar espaço nas linhas, focando mais a sua atenção do lado direito do ataque, para dar uso das investidas de Ricardo Pereira e Corona. Apesar do ímpeto inicial, a vantagem tangencial dos forasteiros manteve-se até ao intervalo.

A segunda parte iniciou tal como a primeira: os “azuis” controlavam as operações, enquanto que o conjunto local apostava nos contra-ataques. Numa altura em que o Porto parecia “dono e senhor” do jogo, Corona foi expulso por acumulação de amarelos aos 52 minutos. O treinador do Porto reagiu de imediato com a entrada de Maxi Pereira, de modo a obter algum equilíbrio defensivo.

A verdade é que, com mais um jogador em campo, os avenses conseguiram dominar as iniciativas. Lito Vidigal queria mais lançou Ryan Gauld na partida no lugar de Rodrigo Defendi. O Aves insistiu e conseguiu chegar à igualdade, por intermédio de Vítor Gomes. O médio avense ganhou espaço na área contrária e desfez a vantagem mínima dos portistas, respondendo ao cruzamento certeiro de Amilton.

Ciente da possibilidade de perder pontos nesta deslocação ao concelho de Santo Tirso, Conceição ordenou a entrada de Marega. O maliano, que entrou para o lugar de Aboubakar, tentou pressionar os centrais do Aves na construção de jogo adversária. Contudo, os recém-promovidos à Liga NOS continuavam mais perigosos, com Salvador a tentar a sua sorte de fora da área por duas ocasiões num espaço de dez minutos. O Porto tinha pela frente uma missão muito complicada, frente a um Desportivo das Aves aguerrido e organizado.

O jovem André Pereira foi a última aposta do Porto para tentar conquistar os três pontos. O avançado, no entanto, não conseguiu intervir com eficácia. O líder do campeonato pressionou nos minutos finais, mas o empate manteve-se.

O Porto perde, assim, dois pontos na Vila da Aves e pode ver os rivais Sporting e Benfica aproximarem-se na luta pela liderança. O Aves, por sua vez, conquista um ponto importante na luta pela manutenção na Liga.