fc porto cabeçalhoUm golo solitário de Aboubakar fez frente às dificuldades que os Dragões tiveram de superar na casa dos beirões. Sérgio Conceição tinha avisado, na véspera, que o campeonato não seria um simples passeio e a vitória pela margem mínima refreou os ânimos da massa adepta. Pepa prometeu e cumpriu. O Dragão venceu bem…mas teve de sofrer.
Entrada forte e autoritária do FC Porto, com uma vintena de minutos que sufocaram o adversário e o remeteram para o seu meio campo. Oportunidades dignas de registo é que nem por isso, já que o bloco baixo e afunilado do Tondela criou dificuldades de penetração à frente de ataque azul e branca. Sérgio Conceição não inventou no onze e, face à ausência de Soares, ofereceu a Aboubakar a companhia mais esperada: Marega.

Do lado do Tondela, Pepa deixou Tomané no banco e foi quando fez uso do ponta de lança português que os beirões colocaram em sentido a equipa portista. E do primeiro tempo, como, de resto, de toda a partida, pouco a dizer. Corria o minuto 37 quando Aboubakar resgata um remate enrolado de Alex Telles, remata para defesa de Cláudio Ramos mas na recarga acaba por não perdoar e carimba o seu primeiro golo nesta edição do campeonato, depois de ter ficado a dever muitos tentos à sua conta pessoal na partida com o Estoril.

O segundo tempo trouxe, então, o avançado ex-Arouca ao jogo e também uma subida de linhas por parte do Tondela. As coisas animaram e, em certos momentos, o fantasma do FC Porto à la Nuno Espírito Santo pairou sobre o relvado do João Cardoso. Uma equipa recuada a aproveitar os espaços deixados nas costas dos adversários. Há aqui, porém, um mérito que tem de ser atribuído a Sérgio Conceição, que percebeu muito bem este “amedrontamento” do FC Porto face ao Tondela e mexeu bem na equipa, emprestando-lhe os cérebros de Herrera, primeiro, e de André André depois. Já mais perto do final, ainda tempo para Layún conferir maior segurança à circulação de bola azul e branca.

O jogo não terminaria sem mais um susto para as redes de Casillas, já depois de Aboubakar ter desperdiçado o 0-2 com um remate, colocado, ao poste. Um bom desdobramento atacante do Tondela, com a bola a chegar na esquerda a Wagner que obrigou o guardião espanhol, ainda que sem grande dificuldade, a estar atento para evitar um empate desolador.

Dois jogos, duas vitórias, cinco golos marcados e zero sofridos é a marca que confere neste momento a liderança do campeonato ao FC Porto. Como se pôde ver, alguns aspetos terão, necessariamente, de ser vistos, revistos e melhorados. Hoje, foi a qualidade individual a resolver, mas também convenhamos que um muitos momentos ao longo da época terão de ser mesmo essas individualidades a desbloquear partidas mais fechadas como a desta noite.

Anúncio Publicitário