O FC Porto deslocou-se ao Estádio da Luz este sábado para defrontar o maior rival pelo título de campeão nacional e atual detentor do mesmo, SL Benfica, tendo vencido por duas bolas a zero. Vamos então à análise do jogo dos dragões na Luz.

O FC Porto entrou dominante, assumindo o controlo do jogo e da posse de bola, numa demonstração de força perante o teórico favoritismo do SL Benfica, que jogava diante dos seus adeptos e que vinha de uma temporada 100% vitoriosa.

Os homens de Sérgio Conceição construíram com bola os seus ataques, jogando sempre entre linhas, com um destaque, principalmente no primeiro tempo, para Romário Baró, que apareceu diversas vezes isolado a oferecer linha de passe, ajudando a equipa a progredir no terreno. Baró teve, inclusive, oportunidades de golo, não tendo finalizado da forma mais correta. Todo o meio-campo portista se movimentou em progressão, dando sempre oportunidades de triangulações com os laterais e extremos portistas, criando superioridade numérica no lado da bola e, com isso, chegando com mais perigo à baliza de Vlachodimos.

Após a situação de finalização, quando a bola passava para a posse do Benfica, o processo defensivo dos azuis e brancos começava logo em Zé Luís, o primeiro homem, juntamente com Marega, a sair na pressão ao portador da bola, de forma a obrigar as águias a jogar direto na frente, onde os dragões tinham Pepe e Marcano para disputar bolas nas alturas, e a dar tempo ao meio-campo portista, nomeadamente a Danilo e Uribe, de se posicionarem corretamente para contrariar a ofensiva adversária. Esta pressão dos avançados portistas surtiu resultados, tendo os médios defensivos do SL Benfica, no caso Florentino e Samaris, de recuar excessivamente para dar linhas de passe aos seus defesas, e partindo assim, por completo, o meio-campo encarnado, não havendo pontos de ligação para uma progressão com bola, como habitualmente sucede.

Zé Luís foi crucial não só pelo seu golo, mas pelas suas ações defensivas
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede
Anúncio Publicitário

Nas jogadas em que os homens da casa conseguiram suprir as primeiras linhas de pressão portista, havia muita dificuldade por parte dos avançados encarnados de interligarem o jogo, sendo prontamente cercados por dois ou três elementos portistas que, ao sobrecarregar o lado da bola, ganharam facilmente a posse do esférico.

O primeiro golo portista surgiu de um canto, com Zé Luís a mostrar o seu instinto de golo e a aparecer no local exato e no momento certo para finalizar com classe por baixo das pernas de Vlachodimos.

Para a segunda parte, o SL Benfica procurou mexer com o jogo, abdicando de Samaris e lançando Taraabt como elo de ligação entre a defesa e o ataque encarnados, mas, de uma forma geral, o marroquino não conseguiu trazer desequilíbrio ao jogo, fruto da pressão incessante do FC Porto e das movimentações constantes dos jogadores azuis e brancos cortando linhas de passe.

À medida que o relógio ia correndo, os homens de Bruno Lage iam acumulando nervosismo e tentavam lançar-se para diante, de forma a chegar ao golo que lhes garantiria o empate, e o FC Porto cumpriu o seu papel de aguentar o ímpeto vermelho e branco e procurar o contra-ataque, sobretudo através do jogo direto para Marega, que acabou por marcar o segundo dos dragões e fechar a partida.

Num jogo em que o FC Porto esteve taticamente irrepreensível, muito graças ao trabalho da equipa técnica por ter estudado bem o adversário e esmiuçado as suas lacunas, a finalização continuou a ser o grande problema a apontar. Os azuis e brancos pecaram em várias jogadas, na definição no último terço do terreno, com destaque para um remate falhado de Marega quando estava completamente isolado frente a Vlachodimos.

O aspeto crucial da partida, e onde penso que os portistas terão ganho mais vantagem sobre os encarnados, foi a inclusão de Uribe como duplo pivot, trancando assim as portas do meio-campo, anulando o jogo vertical do SL Benfica e anulando Rafa, uma das principais ameaças encarnadas. O colombiano dos dragões foi praticamente a sombra do extremo português durante todo o jogo, fazendo-o perder a notoriedade que tem habitualmente no processo ofensivo dos lisboetas.

O FC Porto sai de Lisboa com os três pontos e com a sensação de missão cumprida. Os dragões foram superiores em todos os aspetos e dominaram o adversário no aspeto tático.

Foto de capa: FC Porto

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários