Ainda na ressaca da categórica vitória azul e branca no Estádio da Luz, “euforia” e “otimismo” parecem ser palavras de ordem no universo portista. Isto tudo apenas dias após dois desaires que pareciam deixar à vista diversas fragilidades no plantel. Numa questão de meia dúzia de dias, tudo mudou: de bestas a bestiais.

E tal metamorfose não ocorreu apenas aos olhos de quem veste de azul e branco: para os rivais, um FC Porto que parecia não ter pedalada para acompanhar o ritmo de um “Super-Benfica” tornou-se num adversário incómodo que poderá intrometer-se na luta pelo título.

Bom, tudo isso Sérgio Conceição conseguiu esclarecer numa simples frase, após o jogo da terceira jornada: “Ontem não éramos os piores e hoje também não somos os melhores”. Palavras que me parecem bastante sensatas e verdadeiras, honestamente.

Após dois desaires, o FC Porto conseguiu sair do Estádio da Luz com os três pontos na bagagem
Fonte: Bola na Rede

O FC Porto não possui um plantel vasto, não possui para algumas posições do terreno opções válidas e perdeu jogadores capitais durante o período de transferências. Euforias, a esta altura do campeonato, poderão ser seriamente prejudiciais, dando a falsa impressão de que Conceição possui ao seu dispor um plantel rico e forte.

Do outro lado, teremos um SL Benfica “com os pés assentes na terra”, uma vez que o fim desta enorme sequência de jogos sem perder,  a contar para o campeonato, pode ter trazido todo aquele plantel e respetiva massa adepta de volta para a realidade: uma realidade onde eles não são imbatíveis, uma realidade onde não haverão goleadas em todos os jogos na Luz. Este fator poderá intensificar uma quebra de confiança nos encarnados ou (e acho mais provável) um maior rigor e dedicação nos jogos que aí vêm. Verificando-se este último cenário que enunciei, estará dado o mote para uma emocionante corrida a dois pelo título de campeão nacional da época 2019/2020.

Foto de capa: UEFA e FC Porto, respetivamente

Revisto por: Jorge Neves

 

Comentários