Com as saídas de Éder Militão e Felipe, que rumaram à cidade de Madrid, o primeiro para jogar no Real Madrid e o segundo no Atlético, inicia-se o debate sobre o eixo central da defesa portista. Da época passada transitam Pepe, Mbemba, Diogo Queirós e Diogo Leite. A juntar a estes há ainda o venezuelano Osorio, que Pinto da Costa já confirmou no plantel da próxima temporada ou, pelo menos, com lugar na pré-temporada.

Pepe terá lugar certo no plantel e, provavelmente, no onze. Resta perceber quem o irá acompanhar. Mbemba, que me parece muito melhor jogador do que o que as poucas oportunidades que teve fazem crer, deve, no mínimo, permanecer no clube (ao que parece, como terceiro da hierarquia). Os dois Diogos são um caso bicudo. Atingiram um nível de maturidade elevado que já nem a equipa B suportará e se não se encontrar espaço para que possam começar a aparecer consistentemente nas opções iniciais da equipa principal, o melhor será rodarem no próximo ano numa equipa da Primeira Liga. Acredito que será o destino de pelo menos um deles. Quanto a Osorio, que realizou uma boa Copa América, será o seu desempenho nesta fase preparatória a ditar os seus futuros passos.

Parecem-me, a mim, opções de sobra para aguentar uma época inteira ao mais alto nível mas, aparentemente, não é esse o entendimento de Sérgio Conceição nem da SAD. Apesar de o FC Porto contar com cinco jogadores para duas posições, a possibilidade de o clube recorrer ao mercado para contratar um jogador para a posição é elevada.

É, então, com base nesta premissa que o nome de Iván Marcano surge como forte possibilidade para regressar ao clube. Depois de uma época infeliz na AS Roma, o jogador procura uma solução para prosseguir a carreira que lhe garanta tempo de jogo e luta por títulos.

Jogador pode estar de regresso ao clube
Fonte: FC Porto

Marcano passou quatro épocas ao serviço do clube, que se dividem em termos qualitativos. Se nas primeiras duas o seu rendimento deixou algo a desejar, nas últimas assumiu um papel de capitão e de enorme preponderância tanto na manobra defensiva como ofensiva da equipa. Deixou o clube no final do seu contrato e assinou um outro bem chorudo na capital italiana.

Em termos técnicos, e aos 32 anos, tem todas as condições para voltar a ter um papel de destaque na defesa do FC Porto. Impressiona, principalmente, pela sobriedade e calma com que executa todas as suas ações em campo. Tem uma leitura de jogo bastante acima da média, que lhe confere uma capacidade invulgar de jogar na antecipação. Praticamente intransponível pelo chão, está quase sempre no sítio certo. Impecável a dobrar o lateral e o central que joga ao seu lado. É canhoto, joga preferencialmente como central pelo lado esquerdo. Outra das suas qualidades prende se com a boa capacidade de passe na saída de bola. Ora, nesta perspetiva, acabaria por ser um excelente reforço.

Contra si tem o enorme ordenado que aufere, alguns anticorpos que terá fomentado junto da massa adepta depois de ter abandonado o clube a custo zero, a idade relativamente avançada e o número de opções válidas de que o FC Porto dispõe para a sua posição.

Em suma, parece claro que Sérgio Conceição entende que o FC Porto precisa de mais um central nos seus quadros. Assim sendo, Marcano tem que ser entendido como uma excelente opção para render no imediato, sempre e quando os valores económico-financeiros envolvidos se adequem à realidade portuguesa e à débil situação de tesouraria do clube.

Foto de Capa: FC Porto

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários

Artigo anteriorUm passo rumo à estabilidade
Próximo artigoOs escolhidos de Keizer para o estágio na Suíça
Fervoroso adepto do futebol que é, desde o berço, a sua grande paixão. Seja no ecrã de um computador a jogar Football Manager, num sintético a jogar com amigos ou, outrora, como praticante federado ou nos fins-de-semana passados no sofá a ver a Sporttv, anda sempre de braço dado com o desporto rei. Adepto e sócio do FC Porto e presença assídua no Estádio do Dragão. Lá fora sofre, desde tenra idade, pelo FC Barcelona. Guarda, ainda, um carinho muito especial pela Académica de Coimbra, clube do seu pai e da sua terra natal. De entre outros gostos destacam-se o fantástico campeonato norte-americano de basquetebol (NBA) e o circuito mundial de ténis, desporto do qual chegou, também, a ser praticante.                                                                                                                                                 O Bernardo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.