Romário Baró é uma das grandes pérolas da formação do FC Porto. O jovem atleta de 18 anos é um médio box-to-box muito talentoso, que no seu primeiro ano de sub-19 (júnior) é já utilizado na equipa B portista.

Chegou ao FC Porto na época 2014/15, vindo do Sporting CP e logo se percebeu todo o seu talento, sendo um indiscutível em todos os escalões de formação. Na sua primeira época no clube realizou 31 jogos e apontou nove golos demonstrando, logo ai, que estávamos na presença de um “predestinado”.

O jovem portista é também um indiscutível nas seleções jovens de Portugal, onde já leva 29 internacionalizações, com 1809 minutos de utilização, tendo apontado três golos. Romário Baró é um médio muito rotativo, que consegue chegar a zonas de finalização com facilidade. Dotado de uma excelente técnica individual, uma boa capacidade física e de uma capacidade de queimar linhas em posse fora do normal é o que chamamos, na gíria do futebol, um nº 8 completo. Enquadrando as suas características num sistema tático, diria que encaixa que nem uma luva no 4-4-2 do Sérgio Conceição.

Romário Baró, uma pérola do Olival
Fonte: FC Porto

A formação do FC Porto é, na minha opinião, a que possuiu atualmente mais talento no futebol português. Além de Romário Baró, nomes como João Costa, Diogo Costa, Diogo Dalot, Jorge Fernandes ou Rui Pedro são apenas alguns exemplos do abundante talento da formação azul e branca. Uma aposta continuada e consistente nos jovens “da casa” tem que ser a linha de estratégia do clube. As boas vendas de André Silva e Rúben Neves são a prova do retorno financeiro que essa aposta pode trazer, além da muita qualidade desportiva que acrescentam.

Anúncio Publicitário

É sempre difícil prever o futuro de um jovem jogador, mas creio que Romário Baró pode, num espaço de dois anos, ser um titular da equipa principal do FC Porto. Tem muito talento, é evoluído taticamente, muito inteligente em todas as suas movimentações e possui um caráter e uma forma de trabalhar de um verdadeiro profissional.

Foto de Capa: FC Porto

artigo revisto por: Ana Ferreira