Evanilson chegou na época passada ao FC Porto catalogado como uma das boas promessas do futebol brasileiro. Para todos aqueles que também já o catalogam de “flop” deixem-me dizer-vos: creio que estão errados. Evanilson ainda vai mais do que a tempo de provar o seu real valor.

Evanilson está a passar por um processo que alguns suplentes do FC Porto da “era Conceição” vão passando. O treinador portista, como todos os técnicos a este nível, tem alguns defeitos, mas o histórico recente de aproveitamento de suplentes é uma tendência que deve ser interpretada como uma qualidade.

Anúncio Publicitário

Mbemba, Sérgio Oliveira, Grujic, Luis Díaz ou até o próprio Otávio são bons exemplos de jogadores que passaram, pelo menos, uma época “na sombra” e que, depois da venda de titulares, mostraram-se à altura dos antecessores.

Isto é “trabalho de casa”. Identifico esta tendência como uma qualidade porque, sendo o FC Porto um clube vendedor ou, melhor dizendo, um clube que perde titulares todos os anos, a capacidade de “descobrir” reforços internos dispensa, muitas vezes, idas desesperadas ao mercado.

Os jogadores do FC Porto, sendo verdadeiramente opções, estão prontos para despir o fato de treino e ir a jogo. A metáfora da substituição assenta como uma luva a este FC Porto: sai Herrera, entra Sérgio Oliveira, sai Militão, entra Mbemba, sai Marega, entra Toni Martinez… Então e quem sai para entrar Evanilson?

Estou convencido que, dada a qualidade do jogador, Taremi ainda vai a tempo de dar um salto competitivo na sua carreira. Creio que, nessa altura, Evanilson afirmar-se-á como titular.

O ponta-de-lança brasileiro tem até espaço para, esta época, ser mais influente do que na época passada, porque saiu Marega e nenhum avançado foi contratado.

Nos jogos em que Taremi e Martinez jogarem juntos na frente (já se viu que serão muitos) e que for preciso ir atrás do resultado, quem é a única solução no banco para refrescar a zona ofensiva da equipa? Evanilson, pois claro.

O ponta-de-lança brasileiro foi absolutamente fulcral na manutenção do FC Porto B na II Liga na época passada. Provou que aquele nível já não é o seu.

FC Porto Evanilson
O jogador desceu no final na época passada à equipa B para ajudar a formação a garantir a manutenção
Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

Para época de adaptação, e com uma concorrência apertada, diria que a primeira época do jovem canarinho em Portugal não foi má. Acredito que esta será melhor do que a anterior e que, em função do que pode acontecer no futuro, a próxima época será a época de explosão do jogador, que ainda é muito jovem e que não foi assim tão barato.

O brasileiro não é prejudicado pela forte concorrência que tem: é beneficiado pela oportunidade que tem de aprender e evoluir em cada treino. O verdadeiro desafio para Conceição é não perder o jogador, não deixar a ansiedade apoderar-se dele e impedir que o jogador procure o estrelato noutras paragens cedo demais.

Se Evanilson continuar um bom aprendiz, tem condições físicas e técnicas para ser lançado às feras e passar a ser o mestre ponta-de-lança do FC Porto.

Artigo revisto por Joana Mendes

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome