Anterior1 de 4Próximo

 

Foi vendido como o jogo do ano e adquirido como isso mesmo. Houve de tudo no Estádio do Dragão para a recepção do FC Porto ao SL Benfica na 24ª jornada. Equilíbrio, emoção, golos, sangue quente, expulsões, ânsia e oportunidades falhadas. Os portistas começaram a vencer, mas viram o eterno rival alterar os rumos dos acontecimentos e perderam por 1-2. É apenas a terceira derrota dos homens de Sérgio Conceição na presente edição do campeonato, a segunda em casa (a primeira foi frente ao Vitória SC) e a segunda com os “encarnados” que saltaram para a primeira posição da Primeira Liga.

As novidades no “onze” inicial dos azuis e brancos demonstravam vontade em mostrar superioridade no último terço. Sérgio Conceição pôde apostar em Marega que regressou à titularidade com algumas novas companhias – Adrián Lopéz e Wilson Manafá, que têm alinhado nos últimos compromissos dos “dragões”. Em bolas longas ou curtas, na primeira parte voltámos a ver o avançado maliano a ser altamente solicitado ao eixo e à direita do ataque do FC Porto – todas as incursões iam animando a maioria da audiência no estádio.

Na perda de bola no meio-campo do SL Benfica, os “dragões” respondiam com pressão bastante alta no primeiro terço. No entanto, os “encarnados” iam contornando a situação antevendo as acções do adversário através do posicionamento sem bola. Ao recuperar, Pizzi, Rafa e João Félix eram os mais solicitados para percorrer alguns metros até à baliza contrária. Com recuperações de bola a favor de ambas as equipas, eis que Brahimi conseguiu driblar e tirar alguns jogadores do Benfica pelo caminho e é “barrado” por Ruben Dias (sancionado com cartão amarelo) na linha da área visitante.

Chamado a bater o pontapé de livre, Adrián Lopez rematou com o pé direito contra a barreira e conseguiu na recarga rematar no fundo das redes de Vlachodimos aos 18′ (1-0). Houve muitas dúvidas se um elemento do FC Porto estava a atrapalhar a visão do guardião do SL Benfica no momento do golo, mas o video-árbitro nada apontou.

Minutos depois chegou a resposta do SL Benfica perante um FC Porto algo subido no terreno. A velocidade do jogo ia aumentando a cada minuto que passava. Pizzi, aos 21′, remata para defesa de Casillas, que também viria a intervir aos 44′, após remate de Seferovic pela esquerda e do golo do empate aos 26′.

João Félix voltou a fazer gosto ao pé depois de receber uma bola isolado no lado direito da área portista. Casillas repôs a bola rasteira, mas Gabriel pressionou um adversário. A bola chegou a Manafá, mas Seferovic roubou a bola e fez um cruzamento rasteiro do lado esquerdo. A bola chegou tensa ao jovem avançado dos “encarnados” que, no meio da área, rematou para o fundo das redes (1-1). A bola passou no meio das pernas, que podia ter feito muito melhor para afastar o perigo.

Apesar da boa reacção dos “encarnados”, o FC Porto foi quem dominou o meio-campo adversário nos primeiros 45 minutos. No entanto, notava-se que a lição estava bem estudada para o SL Benfica, que iria à partida estar mais em missões defensivas. Havia uma enorme atenção em cobrir Alex Telles e Brahimi à esquerda. A capacidade individual de ambos teve de vir muito ao de cima para desbloquear a linha defensiva das “águias”. A aposta natural era recorrer ao lado aposto, onde andou o regressado Marega nas suas habituados corridas desenfreadas entre linhas, sempre à procura do desequilibro. O maliano mostrou estar muitas vezes seguro a receber a bola dos colegas. Foi uma primeira parte que demonstrou, à sua maneira e com várias adaptações dado à importância da partida, o bom momento de ambas as equipas.

Adrián colocou o FC Porto em vantagem
Fonte: Diogo Cardoso/Bola na Rede

E se o FC Porto procurou entrar no segundo tempo novamente por cima, acabou por ver o SL Benfica a colocar-se em vantagem. Rafa Silva apareceu para finalizar uma jogada que começou pela esquerda do ataque e, depois de tabelar com Pizzi, rematou forte para o fundo das redes de Casillas (1-2). A resposta azul e branca seguiu-se por Brahimi, que atirou a rasar a barra.

Perante a desvantagem e a necessidade de fazer golos, as primeiras substituições da noite vieram do banco dos dragões, com Conceição a lançar para o jogo Soares e Otávio. E a resposta à desvantagem foi mesmo a pressão e presença na frente, ainda que sem oportunidades claras. Bem posicionado a defender, o SL Benfica ia evitando aquilo que poderiam ser situações de perigo para a sua baliza.

E se a tendência do jogo empurrava o FC Porto para a frente, o minuto 77 veio contribuir para isso mesmo, com o SL Benfica a ficar reduzido a 10 unidades. O lance teve início na reposição de bola de Casillas, que serviu Otávio. O brasileiro foi puxado por Gabriel, caiu e a reação do médio encarnado acabou por provocar a confusão dentro das quatro linhas. No final, Jorge Sousa amarelou Otávio e mostrou dois amarelos a Gabriel, pela falta e pela reação.

Aos 84′ surgiu a grande ocasião para o empate do FC Porto, por intermédio de Felipe. Canto de Alex Telles e o central dos dragões cabeceou sem hipótese para Odysseas, mas a bola acabou por embater no ferro. Claramente à procura do golo, Soares voltou a estar perto do 2-2, com um cabeceamento por cima e, aos 90 minutos, valeu o guardião do SL Benfica, a negar o golo a Felipe. Marega seguiu-se nas tentativas de repor a igualdade, mas a inspiração de Vlachodimos negou o golo ao maliano.

Perante a insistência azul e branca nos últimos minutos, valeu a eficácia encarnada para evitar a divisão de pontos. Depois de já ter tido uma vantagem confortável na liderança da tabela, o FC Porto cedeu o primeiro lugar ao SL Benfica com esta derrota e cai para o segundo lugar, com menos dois pontos.

Onzes e substituições

FC Porto: Casillas, Manafá, Felipe, Pepe, Alex Telles, Herrera, Óliver (Danilo, 81′), Corona (Otávio 60′), Brahimi, Marega e Adrián López (Soares, 60′)

SL Benfica: Vlachodimos, André Almeida, Rúben Dias, Ferro, Grimaldo, Samaris, Pizzi (Gedson, 70′), Gabriel, Rafa (Corchia, 87′), Seferovic e João Félix (Cervi, 90′)

Anterior1 de 4Próximo

Comentários