A CRÓNICA: DERROTA COM MÃO DE TREINADOR 

Depois da derrota por duas bolas a uma na Alemanha, o FC Porto via-se obrigado a vencer o Bayer Leverkusen no Dragão para continuar a sua caminhada na Liga Europa.

Os dragões entraram melhor na partida, pressionantes e com um ritmo alto, mas, como consequência da linha defensiva estar subida, sujeitos a sofrer com bolas longas nas costas, fruto da velocidade dos avançados da equipa alemã.

O Bayer chegou mesmo à vantagem aos 10′, por intermédio de Alario, depois de uma jogada individual de Demirbay na direita, que deixou para Havertz no meio, que, por sua vez, assistiu o argentino. A partir desse momento, os germânicos tomaram conta da partida e o FC Porto apenas tentou sair em contra-ataque ou ataque rápido, embora sem sucesso. Fechou, desta forma, o primeiro tempo, com os portistas a precisarem de dois golos sem resposta para seguir em frente.

Anúncio Publicitário

Ao intervalo, Sérgio Conceição tirou Uribe e colocou em campo Pepe, desequilibrando o esquema tático do FC Porto. Os dragões sofreram, no início da segunda parte, o segundo e terceiro golo, acabando por responder com um golo de Marega, mas que já não serviu para mudar nada na eliminatória. Tanto Bayer Leverkusen como FC Porto tiveram oportunidades para marcar, mas o marcador permaneceu inalterado após o 3-1 registado. Soares ainda foi expulso aos 84 minutos, depois de uma agressão a Tah.

O FC Porto foi, então, eliminado das provas europeias, num jogo em que a derrota partiu de Sérgio Conceição, com a substituição efetuada ao intervalo.

A FIGURA

Fonte: Diogo Cardoso/Bola na Rede

Kerem Demirbay – O médio alemão apareceu nos sítios certos no timing correto, fosse para pausar o jogo ou para ajudar no último terço, tendo contribuído para dois dos três golos do Bayer. No primeiro fez o desiquilíbrio individual e depois soltou para Havertz, que assistiu para Alario e no segundo empurrou para o fundo das redes de Marchesín.

O FORA DE JOGO

Fonte: Diogo Cardoso/Bola na Rede

Sérgio Conceição – O técnico portista desmoronou por completo o equilíbrio tático da equipa ao substituir Uribe por Pepe ao intervalo. O FC Porto passou a jogar em 3-5-2 e qualquer desiquilíbrio individual dos alemães poderia, a partir daí, dar vantagens numéricas para criar perigo junto da baliza portista.

ANÁLISE TÁTICA – BAYER LEVERKUSEN

O Bayer apresentou-se em 3-5-2, com Tapsoba estrategicamente no lado habitual de Marega, de forma a anular a possível vantagem devido à velocidade que o maliano poderia ter. No ataque, pelo facto da defesa azul e branca estar subida, o Bayer tentou jogar longo nas costas. Os germânicos tiveram várias situações com um homem solto no segundo poste, mas não aproveitaram.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Hradecky (6)
Lars Bender (6)
Tah (6)
Sven Bender (6)
Tapsoba (7)
Sinkgraven (6)
Amiri (6)
Demirbay (8)
Havertz (7)
Diaby (6)
Alario (6)

SUBS UTILIZADOS

Dragovic (6)
Weiser (6)
Bailey (6)

ANÁLISE TÁTICA – FC PORTO

O FC Porto jogou toda a primeira parte com um bloco condensado, alto, mas sem ser agressivo na pressão. A exceção ao último ponto deu-se nos primeiros dez minutos, até ao golo dos alemães, em que a pressão portista estava realmente a condicionar o adversário. O FC Porto, a nível ofensivo, não conseguiu descobrir o caminho para a baliza de Hradecky muito por não ter a perceção atempada da liberdade no miolo. Em toda a primeira parte, quer Otávio, Uribe ou Sérgio Oliveira, à vez, estavam soltos da pressão germânica, faltando uma circulação mais rápida para a bola chegar a essa zona antes da pressão defensiva fazer efeito.

A substituição de Uribe, um dos melhores em campo, por Pepe, desmoronou a equipa portista a nível tático. Os três centrais foram apanhados em situações de um contra um perante os avançados dos alemães e qualquer desequilíbrio facilmente daria golo.

O FC Porto pagou o preço de querer ir com tudo para a frente, sofreu dois golos no início do segundo tempo e, mesmo com o golo de Marega, a substituição não compensou.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Marchesín (5)
Corona (6)
Mbemba (6)
Marcano (6)
Alex Telles (6)
Otávio (6)
Uribe (6)
Sérgio Oliveira (5)
Luis Díaz (6)
Marega (6)
Zé Luís (5)

SUBS UTILIZADOS

Nakajima (6)
Pepe (6)
Soares (5)

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

FC PORTO

Bola na Rede: Sérgio, tira o Uribe ao intervalo para colocar o Pepe. Acha que essa mexida desiquilibrou a equipa?

Sérgio Conceição: Não acho que a mexida tenha desequilibrado a equipa. Os três homens de trás são rápidos e fortes. Aquilo que eu queria do jogo, pressionar o adversário, resultou. Nesses cinco minutos sentiu-se condicionado, mas a jogar de forma diferente no segundo tempo, a primeira vez que foram lá fizeram o golo, portanto não acho.

BAYER LEVERKUSEN

Peter Bosz: O FC Porto é uma grande equipa, vimo-lo em Leverkusen. Tentámos aprender com o que erramos em Leverkusen e mudámos, jogamos com três centrais, tivemos um bom jogo posicional, e saímo-nos bem. Trocámos a bola e conseguimos chegar aos golos.

Foto de Capa: Diogo Cardoso/Bola na Rede

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão

Comentários