A CRÓNICA: CD NACIONAL SEM FORÇAS PARA ASSUSTAR O FC PORTO

A três dias da primeira final da época, a Supertaça, o FC Porto defrontou o CD Nacional no Estádio do Dragão, naquele que foi o encontro entre os dois campeões da época passada. Nanu foi a novidade nos dragões, que mantiveram a dupla Marega-Taremi na frente de ataque.

A primeira parte não foi propriamente elétrica, mas sim jogada a ritmo morno, com o FC Porto a pressionar constantemente o CD Nacional, que apenas conseguiu rematar à baliza portista aos 34 minutos.

Depois de muita insistência azul e branca, com os indicadores a mostrarem 70% de posse de bola para os homens de Sérgio Conceição, o placar começou a mudar aos 19′. Corona recebeu de Otávio e deu para Taremi que, já dentro de área, foi derrubado por Pedrão. De grande penalidade, Sérgio Oliveira não desperdiçou e fez o seu quinto golo na Liga.

O avançado iraniano, que havia estado diretamente ligado ao primeiro golo, não haveria de ficar por ali. Aos 39′, depois de duas interceções de Diogo Leite, Taremi aproveitou uma má receção de Alhassan e assistiu Marega que, na cara de Daniel, não perdoou e aumentou a vantagem portista no marcador. Continuava a senda goleadora desta dupla, que segue a dar alegrias aos adeptos.

Anúncio Publicitário

Antes do intervalo, houve ainda oportunidade para Sérgio Oliveira bisar. O médio apanhou, em vólei, uma bola que ressaltou de uma disputa aérea na área do Nacional e atirou, com estrondo, para as mãos de Daniel. Fechava assim o primeiro tempo de sentido único no Dragão.

A segunda parte contou com balizas praticamente invioladas e valeu apenas pelos últimos 15 minutos em que os jogadores saídos do banco, naturalmente mais frescos, procuraram partir e desequilibrar o jogo. Destaque também para o regresso de Rúben Micael ao Dragão.

O FC Porto soma então 22 pontos, menos dois que o SL Benfica, adversário da próxima quarta-feira para a primeira final da época.

 

A FIGURA

Corona recebeu de Otávio e deu para Taremi que, já dentro de área, foi derrubado por Pedrão.
Fonte: Carlos Silva / Bola na Rede

Mehdi Taremi – O avançado iraniano esteve nos dois golos da equipa portista. Primeiro sofreu a grande penalidade que deu o primeiro golo, convertido por Sérgio Oliveira e, de seguida, assistiu Marega para o segundo dos dragões.

O FORA DE JOGO

Corona recebeu de Otávio e deu para Taremi que, já dentro de área, foi derrubado por Pedrão.
Fonte: FC Porto

Pedrão – O defesa central do Nacional esteve diretamente ligado ao primeiro golo do FC Porto, tendo cometido a grande penalidade sobre Taremi, e encontrou muitas dificuldades em sair com bola, acumulando 12 perdas da posse de bola para a sua equipa.

 

ANÁLISE TÁTICA – FC PORTO

O FC Porto apresentou-se no sistema tático habitual, com Otávio a vir buscar bola mais atrás, junto a Zaidu, e com o lateral Nigeriano a projetar-se pela linha para criar desequilíbrios na estrutura madeirense. Na frente de ataque, Taremi procurou vir mais atrás buscar bola, enquanto Marega fez sucessivas desmarcações nas costas dos defesas do CD Nacional para procurar o esférico.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

 Marchesín (6)

Nanu (6)

Mbemba (6)

Diogo Leite (6)

Zaidu (6)

Corona (6)

Uribe (6)

Sérgio Oliveira (6)

Otávio (6)

Marega (6)

Taremi (7)

SUBS UTILIZADOS

Luis Díaz (5)

Toni Martínez (5)

Marko Grujic (6)

Fábio Vieira (-)

João Mário (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – CD NACIONAL

O CD Nacional apresentou-se, a nível defensivo, em 4-1-4-1, com Riascos a ser o homem mais adiantado dos madeirenses. A estratégia dos homens da Choupana passou por aproveitar desequilíbrios defensivos do FC Porto para sair no contra-ataque, mas a pressão azul e branca obrigou os Pedrão e Lucas Kal a aliviar autenticamente a bola para longe da sua área.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Daniel (5)

Ruben Freitas (5)

Lucas Kal (5)

Pedrão (4)

João Vigário (5)

Camacho (6)

Alhassan (5)

Azouni (5)

Gorré (6)

Danilovic (5)

Brayan Riascos (6)

SUBS UTILIZADOS

Francisco Ramos (5)

João Victor (5)

Rochez (6)

Rúben Micael (5)

 

BnR NA CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

FC Porto

Bola na Rede: Hoje a defesa portista não teve muito trabalho, muito por causa da pressão e eficácia do meio-campo. Depois da saída de Danilo, que era um elemento preponderante nesse setor, ter um meio-campo agressivo e com este ritmo ainda antes do Natal, é uma pequena vitória para o Sérgio?

Sérgio Conceição: No nosso meio campo, formado por quatro elementos, o Sérgio Oliveira, o Uribe, o Corona e o Otávio, todos contam. Os dois da frente são muito fortes na pressão. Hoje houve uma nuance ou outra diferente, porque percebemos onde é que o adversário se sentia mais confortável. Achei até que, das coisas que não correram tão bem, foram o facto de chegarmos 5 metros atrasado, não chegarmos sempre a tempo, poderíamos criar ainda mais perigo.

CD Nacional

BnR: Sente que houve mais demérito da sua equipa ao não conseguir replicar a estratégia que tinham para o jogo ou, por outro lado, mérito do adversário  que obrigou a que tivessem que aliviar mais bolas, principalmente no primeiro tempo?

Luís Freire: Quando ganhas ou perdes há mérito e demérito. O FC Porto foi uma equipa com iniciativa, tivemos o mérito de não conceder muitas oportunidades,  mas tivemos o demérito de errar em dois lances. A partir daí, tivemos mérito em como reagimos ao 2-0 e, no cômputo geral, o FC porto venceu de forma justa.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome