Anterior1 de 3Próximo

Numa semana em que os dois grandes rivais do Minho se qualificaram para a Liga Europa, o FC Porto recebe em casa um dos carrascos da época passada, o Vitória SC. Na última temporada os vimaranenses surpreenderam tudo e todos com uma reviravolta no Estádio do Dragão (os azuis e brancos ganhavam por 2-0 ao intervalo e acabaram por perder 2-3). Desta vez os dragões levaram a melhor e venceram a turma de Ivo Vieira por 3-0.

O jogo começou bastante quente. Tapsoba foi expulso no primeiro minuto da partida por derrubar Marega, que seguia isolado para a baliza após um erro no passe de Denis Poha. Os vimaranenses ficaram com menos um desde muito cedo e a equipa de Guimarães acusou a falta do defesa-central Tapsoba. No seguimento da expulsão, Alex Telles foi chamada a cobrar a falta, bem perto do interior da grande área. A bola foi direta para a baliza, mas saiu um pouco ao lado. Foi assim a primeira oportunidade de um jogo de uma partida com duas expulsões e três golos.

Foram necessários apenas 14 minutos para Marega inaugurar o marcador. Corona teve muito mérito na assistência, mas o maliano, após parecer ter o lance como perdido, surpreendeu com uma excelente finalização. Tudo começou do lado direito, onde “Tecatito” bombeia a bola para Marega que recebe de uma forma “atrapalhada”, mas encontra de imediato o esférico e simula o remate até fazer o primeiro golo da partida. Era o terceiro golo oficial nas contas de 2019/2020, mas ainda estava por vir mais um. Muitos poucos minutos depois, Rochinha, número 16 do Vitória SC, rematou para uma grande defesa de Agustín Marchesín. De realçar o excelente passe de Davidson do lado esquerdo do ataque para o extremo direito da turma de Ivo Vieira.

Marcano aos 29 minutos marcou presença e ameaçou a baliza de Miguel Silva, deixando já a mensagem de que queria fazer o golo neste encontro (uma espécie de premonição). A bola saiu bastante tensa do lado direito, e mais uma vez Corona mostrou ter uma excelente visão de jogo e bombear a bola para a cabeça do espanhol, mas esta não levou o rumo certo e passou por cima.

Num curto espaço de tempo, antes do intervalo, duas lesões para cada lado. Do lado do conjunto da casa foi Pepe quem se lesionou e Mbemba entrou para o seu lugar. Do lado da equipa visitante, foi Al Murati quem saiu para a entrada de João Carlos Teixeira, ex- FC Porto.

Corona queria fazer mais uma assistência à força toda, mas Zé Luís não quis fazer o golo. O remate com o pé esquerdo não saiu da melhor forma e a bola levou muito efeito para a bancada do Estádio do Dragão. Acabava assim uma primeira parte em que o FC Porto estava por cima do resultado, mas que podia dilatar a vantagem na segunda parte, tendo em conta a expulsão que ocorrera na primeira parte e a superioridade de ocasiões.

A vitória do FC Porto foi folgada, mas os últimos minutos foram decisivos na conquista dos três pontos
Fonte: Diogo Cardoso/Bola na Rede

A segunda parte tinha tudo para ser do FC Porto, mas quem quis marcar primeiro foi mesmo o Vitória SC. Rafa Soares, também ele ex-FC Porto, marca o livre do lado direito para a grande área portista, e um desentendimento com Zé Luís e Marchesín quase dava golo para a formação vitoriana. Foi por pouco que não se fazia o empate. Mbemba não quis ficar atrás e no canto, aparece nas alturas para cabecear sem qualquer marcação, mas acaba por atirar ao lado.

O FC Porto estava muito interventivo na partida e Marega também. Romário Baró saiu em contra-ataque e deu um grande sprint pelo lado direito com bola, enviando a bola para o centro da área. Marega recebe o esférico, após alívio da defensiva do Vitória SC, e remata, mas saiu muito à figura do guarda-redes minhoto.

Azuis e brancos continuavam a sair na pressão à defesa vimaranense e a estratégia quase ia resultando. Romário Baró ganha no primeiro tempo, a bola ainda fica na posse do Vitória SC e Marega recupera, passando para Baró. A jovem promessa rematou com força, mas Miguel Silva defendeu apenas com uma mão. O Vitória SC saiu em contra-ataque e numa jogada coletiva, Lucas Evangelista tenta finalizar, mas Marchesín mostrou-se imponente e a bola não entrou.

O conjunto de Guimarães procurava fazer o empate, mas o FC Porto não deixava por nada e isso fez com que os ânimos se exaltassem para os lados da equipa visitante. Davidson protestou com o árbitro e este deu-lhe ordem de saída do campo. Jogavam agora com apenas nove jogadores e o empate estava mais longe.

Marega esteve quase a fazer o segundo golo do jogo, não fosse uma noite inspirada de Miguel Silva. Excelente passe de Otávio para a desmarcação do avançado, que remata cruzado. Marcano ameaçou mais uma vez de cabeça, mas sem sucesso e Marega com mais uma oportunidade, logo de imediato, não consegue finalizar, pois Miguel Silva continuou um autêntico “muro de betão”. Que o diga Danilo, que mandou uma autêntica bomba, quase indefensável, e viu-lhe o golo a ser negado. Cheirava a golo no Dragão.

No entanto, o muro alguma vez tinha de cair. Marcano, que já tinha ameaçado durante a primeira e a segunda parte, fez o tão procurado segundo golo, numa recarga após a defesa de Miguel Silva ao remate de Romário Baró. A porta estava aberta e ninguém merecia mais marcar na partida do que Moussa Marega. Boa jogada do FC Porto, Otávio no último passe para o maliano que faz o que melhor sabe: marcar golos. Aos 96 minutos ainda deu para Marchesín brilhar após remate de João Carlos Teixeira. Acabava assim uma partida de várias oportunidades, que podia ter sido por uma vantagem ainda maior. O FC Porto sobe ao segundo lugar à condição, logo atrás do surpreendente FC Famalicão.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES

FC Porto: Marchesín, Tecatito, Pepe (Mbemba 45′), Marcano, Alex Telles, Romário Baró (Otávio, 77′), Danilo, Matheus Uribe, Luis Díaz, Zé Luís (Soares, 77′) e Marega.

Vitória SC: Miguel Silva, Sacko, Tapsoba, Bondarenko, Rafa Soares, Al Musrati (João Carlos Teixeira, 39′) Poha (Florent Hanin, 82′), Rochinha, Pêpê (Pedro Henrique, 5′), Lucas Evangelista e Davidson.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários