A CRÓNICA: VALEU MESMO A SEGUNDA PARTE

Sem Sérgio Conceição no banco, o FC Porto venceu o Portimonense SC no Estádio do Dragão por três a um. A equipa algarvia mostrou logo ao que vinha e gelou as bancadas vazias do Dragão ao minuto 14. Beto estreou-se a marcar e comprovou as debilidades defensivas da equipa portista. Era visível uma passividade da equipa da casa que desagradava muito à equipa técnica de Sérgio Conceição.

Por isso mesmo, Taremi entrou logo ao minuto 31, dando lugar à saída de Matheus Uribe. O FC Porto conseguiu empatar ao minuto 48. Sérgio Oliveira bateu um canto de forma exímia e Mbemba cabeceou da melhor forma para bater Samuel Portugal. Foi com esta igualdade a uma bola que as equipas regressaram aos balneários.

Anúncio Publicitário

A segunda parte começou logo com a reviravolta no marcador. Mehdi Taremi fez a sua estreia a marcar de dragão ao peito e respondeu de forma assertiva a um cruzamento de Sérgio Oliveira. Mais uma assistência do capitão portista e mais um golo de cabeça esta tarde no Dragão.

O golo do xeque-mate não foi de cabeça, mas provou que o FC Porto se dá muito bem quando as equipas adversárias abrem espaço no setor defensivo. Sérgio Oliveira marcou o terceiro e fechou a contagem no Estádio do Dragão.

Com este resultado, o FC Porto sobe, à condição, ao terceiro lugar do campeonato. Já o Portimonense SC desce para o último lugar da tabela classificativa.

A FIGURA

Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

Sérgio Oliveira – Que jogo fez o capitão do FC Porto! Nunca baixou a qualidade nas diferentes mudanças operadas no meio-campo ao longo do jogo e esteve nos três golos portistas. Assistiu Mbemba no canto que empatou o jogo, assistiu Taremi para a remontada e marcou o terceiro que já era merecido por tudo aquilo que fez dentro das quatro linhas.

O FORA DE JOGO

 Primeira parte do FC Porto – Uma primeira parte para esquecer da equipa azul e branca. Como tem sido habitual nos últimos jogos do campeonato, a passividade e os erros defensivos foram a imagem de marca desta equipa. A sorte foi o golo marcado ao cair do intervalo e as mudanças que se começaram a ver na equipa depois do intervalo.

ANÁLISE TÁTICA – FC PORTO

A equipa portista apresentou-se num esquema base de 4-4-2 com Marega e Luis Díaz na frente de ataque. Otávio e Corona ocuparam as duas alas aproveitando a profundidade oferecida por Zaidu e Manafá, sendo que Sérgio Oliveira e Uribe formavam um duplo pivot. Este foi o esquema base com que o FC Porto começou o encontro.

No entanto, ao longo da primeira parte foram visíveis constantes mudanças de sistemas e posicionamentos de jogadores, até para baralhar a defesa resistente do Portimonense SC. Muitas vezes foi visível a subida de Otávio em movimentos interiores para se aproximar de Marega, ou a descida mais junto da zona intermediária para iniciar a construção de jogo. Matheus Uribe e Sérgio Oliveira também abandonaram muitas vezes o duplo pivot sendo que Luis Díaz acabou por abandonar definitivamente a zona central após a entrada de Taremi. O avançado Iraniano trouxe de volta um 4-4-2 puro, que sempre foi o ADN deste FC Porto de Sérgio Conceição.

A passividade e os erros portistas defensivos e na construção tinham de ser corrigidos. O FC Porto reagiu e causou maiores dificuldades até por ter dois homens na frente de ataque. Mbemba empatou tudo na sequência de um canto, mas não tira a mancha que foi esta primeira parte no Dragão.

Na segunda parte viu-se o efeito de um elemento com Taremi na equipa portista e rapidamente deu-se a remontada no marcador. As boas dinâmicas surgiram e depois do golo do iraniano, Grujic entrou para cimentar o 4-4-2 na companhia a Sérgio Conceição. O objetivo era trancar as ambições dos algarvios sem descurar a circulação de bola oferecida pelo internacional sérvio. Os espaços apareceram e o terceiro golo apareceu com relativa facilidade.

ONZE INICIAL E PONTUAÇÕES

Marchesín (5)

Manafá (5)

Mbemba (6)

Sarr (5)

Zaidu (5)

Sérgio Oliveira (9)

Matheus Uribe (4)

Otávio (7)

Tecatito Corona (7)

Luis Díaz (5)

Marega (6)

SUBS UTILIZADOS

Taremi (8)

Grujic (6)

Nakajima (-)

João Mário (-)

Romário Baró (-)

 

ANÁLISE TÁTICA – PORTIMONENSE SC

A equipa de Paulo Sérgio apresentou-se com uma linha de cinco defesas que se evidenciava quando o FC Porto tinha bola. Dener e Lucas Fernandes ficavam encarregues de trancar o meio-campo com Anderson Oliveira e Aylton Boa Morte no apoio para uma zona intermediária mais junto às linhas laterais.

Quando o FC Porto estava numa posição mais ofensiva, Beto era um elemento sozinho na frente de ataque da equipa algarvia. Já no momento ofensivo, Aylton e Anderson eram os dois apoios ao avançado português. A agressividade e sobretudo a inteligência na procura de erros do FC Porto foi a imagem deste Portimonense SC na primeira parte. Beto inaugurou assim o marcador, mas a equipa deixou-se empatar bem perto do intervalo.

A entrada na segunda parte não podia ser pior e o golo de Taremi desmanchou as ideias de Paulo Sérgio. A equipa teve de arriscar e abrir mais espaços no setor defensivo. Assim deu-se o terceiro golo e a machadada final do adversário.

11 INICIAL E PONTUAÇÕES

Samuel (7)

Moufi (7)

Murício Antônio (6)

Lucas Possignolo (6)

Willyan Rocha (6)

 Koki Anzai (6)

 Dener (7)

 Lucas Fernandes (6)

 Anderson Oliveira (6)

 Aylton Boa Morte (6)

 Beto (8)

SUBS UTILIZADOS

Fernando Medeiros (7)

Fali Candé (-)

Welington Júnior (-)

Júlio César (-)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome