Anterior1 de 3Próximo

O FC Porto defrontou e venceu o FK Krasnodar num jogo a contar para a terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões. Os dragões demonstraram que a pontaria ainda necessita de mais treino, assim como a coesão defensiva. Apesar de não terem conseguido o domínio total do adversário, saíram da Rússia com um bom resultado e com a possibilidade de seguir em frente na Liga dos Campeões.

Os dez minutos iniciais foram um reflexo do resto da primeira parte. Muita posse de bola do FC Porto e muita atividade no setor ofensivo, mas com pouca pontaria e dinamismo na finalização. Soares esteve desde logo muito interventivo na tentativa de inaugurar o marcador, através dos dois remates que fez logo no início do primeiro tempo. O primeiro a ser bloqueado pelo adversário e o segundo a sair muito acima da baliza do russo Safonov.

Dois minutos depois, a grande oportunidade dos primeiros quarenta e cinco minutos. Sérgio Oliveira pressionou com profundidade no meio campo, recuperou a bola e passou de imediato na diagonal para Marega que ficou na cara do golo, mas o maliano não conseguiu acertar no alvo e atirou ao lado.

Foi em cima do primeiro quarto de hora que se deu a primeira investida do FC Krasnodar. Arranque pelo lado direito e numa jogada de insistência a bola sobra para Cabella rematar em força, mas foi em demasia e Marchesín só viu a bola a subir.

Mais uma ocasião mal aproveitada por parte da equipa de Sérgio Conceição. Moussa Marega ganha fisicamente no corredor direito, entra dentro de área com a bola à procura de alguém em boa posição e acaba por encontrar Soares, mas este não consegue rematar de primeira e a bola é cortada para Corona, que roda e chuta com pouca força, mas com a direção certa.

Pela meia hora de jogo podia-se concluir que havia um FC Porto muito atacante, mas a pecar em colocar a bola no fundo das redes. Soares, após cruzamento para o segundo poste de Manafá, acerta na bola, mas com pouca intensidade. De seguida Baró, fora de área, tenta a sua sorte com um remate que sai muito deslocado do alvo.

O FC Krasnodar queria aproveitar a ineficácia portista e após falta cometida por Danilo muito perto da grande área dos dragões, sancionada com cartão amarelo, o sueco Marcus Berg desperdiça a oportunidade e envia o esférico por cima. Último lance de perigo da primeira parte, ia para intervalo um jogo sem golos e com pouca emoção, mas que mostrava potencial para desenvolver na segunda parte. O FC Porto manteve o controlo, mas o FK Krasnodar demonstrou que podia surpreender a qualquer momento.

Após o intervalo no confronto entre russos e portugueses, pode-se dizer que Marega veio com a corda toda do balneário e “pôs-se a andar” sozinho para baliza, mas assim que os adversários o rodearam rematou. Apesar de ter sido com força, a bola foi à figura do guarda-redes russo.

Sérgio Oliveira marcou o único golo da partida através da cobrança de uma pontapé de livre
Fonte: FC Porto

Tonny Vilhena inspirou-se em Marega e quis tentar também a sua sorte, assumindo o lance desde trás e levando a bola com ele, mas ainda assim estava a alguns metros da baliza e saiu muito pior do que no lance do maliano.

Estava então na altura do FC Porto mexer no jogo e o colombiano Luis Díaz entrava em campo ocupando a vaga de Romário Baró, que estava já amarelado. O colombiano entrou com tudo e poucos minutos depois já criava perigo para a baliza do FC Krasnodar, não fosse o seu central a cortar a bola com a cabeça. Dava-se também a primeira substituição dos russos com a entrada de Suleymanov, para a saída de Namli, um dos melhores do emblema russo até ao momento.

Eram poucas as ocasiões de perigo no jogo e os treinadores continuavam a apostar nas substituições para dar algo diferente à partida. Do lado da equipa da casa entrava Fjóluson e saía Kambolov e no FC Porto era o especialista em futebol russo dos dragões, Zé Luís, que tinha a sua oportunidade de mostrar o que vale.

Perto dos 80 minutos, grande defesa de Marchesín, o novo guarda redes do FC Porto, que mostrou bem o porquê de ser o novo número um de baliza dos azuis e brancos. Monumental o argentino, que negou um golo que era quase certo para o FC Krasnodar e que, muito provavelmente, colocaria a equipa russa em vantagem na eliminatória.

Os dragões quiseram reagir, o jogo estava já a roçar os 89 minutos, já com Otávio em campo, e eis que há uma falta sobre Zé Luís à entrada da área. Sérgio Oliveira, assim como Alex Telles foram chamados à marcação. O português assume a cobrança e com um remate em força desfaz o empate e coloca o FC Porto em vantagem. Grande golo do centro-campista que deixa a equipa mais tranquila para o próximo jogo no Estádio do Dragão, na terça feira.

O FC Porto fica assim mais perto da próxima pré-eliminatória da Liga dos Campeões e basta um empate no Estádio do Dragão para que os azuis e brancos possam defrontar o Olympiacos FC ou o Başakşehir FK. Apesar da ineficácia, a equipa portuguesa cumpriu o objetivo, mas não se pode deixar adormecer na próxima partida. Foi visível alguma falta de ritmo competitivo, mas a máquina afinar-se-á ao seu próprio ritmo.

ONZES INICIAIS E SUBSTITUIÇÕES

FC Porto: Marchesín; Manafá, Pepe, Marcano, Telles; Baró (Luis Díaz, 55’), Danilo, Sérgio Oliveira, Corona (Otávio, 85’); Marega, Soares (Zé Luís, 74’).

FC Krasnodar: Safonov; Ramírez, Spajic, Martynovich, Petrov; Tonny Vilhena, Kambolov (Fjóluson, 72’), Cabella; Namli (Suleymanov, 66’), Wanderson, Marcus Berg (Ari, 62’).

Anterior1 de 3Próximo

Comentários