Tornou-se ainda mais evidente no último jogo do FC Porto, que os Dragões sentem-se substancialmente mais confortáveis nos jogos grandes. Em três Clássicos, somam três vitórias. No entanto, a verdade é que o campeonato é uma corrida de consistência, não só de confrontos diretos.

As dificuldades que o FC Porto tem enfrentando contra as ditas equipas “pequenas” são notórias e têm sido a razão pela qual os Dragões não estão na liderança do campeonato. O estilo de jogo focado na fisicalidade, força e velocidade é mais facilmente anulado pelas equipas que baixam as linhas e que não dão espaço. E o problema é que, normalmente, as equipas, em Portugal, têm bastantes limitações no que diz respeito a um jogo de pressão alta. E, por isso, acabam por sofrer quando o tentam fazer.

E isso ilustra a falta de qualidade das equipas do topo do nosso campeonato. Tendo em conta o campeonato algo fraco que o FC Porto tem realizado e o momento algo conturbado que a equipa tem sentido, seria de esperar que clubes como o SL Benfica, Sporting CP e até o Vitória SC tivessem conseguido criar mais dificuldades ao longo deste campeonato. A verdade é que só o SC Braga conseguiu tirar pontos ao FC Porto dentro do top-10 da Liga NOS. Quando as equipas tentam pressionar mais o jogo dos Dragões e jogar mais de forma apoiada, estas têm caído muitas vezes, exatamente nas ratoeiras que Sérgio Conceição coloca em campo. Ratoeiras essas que se baseiam na pressão alta e intensa, e nas bolas nas costas dos defesas.

Fonte: Diogo Cardoso/Bola na Rede

Ainda assim, o SL Benfica está um ponto à frente dos Dragões, precisamente por estar mais confortável em jogar contra as equipas pequenas. A equipa de Bruno Lage ganhou todos os jogos, exceto aqueles contra o FC Porto. E esse facto levanta a necessidade de refletir, porque apesar de terem sido os portistas a celebrar em ambas ocasiões, existe a forte possibilidade de, quando chegar o final do campeonato, serem os benfiquistas a saírem mais felizes. Independentemente da vitória do último sábado, é facto que, caso os mandados de Bruno Lage consigam replicar a primeira volta, saem desta época como campeões.

Mas este fenómeno também não é novo. Na época passada, o FC Porto tanto sentia grandes dificuldades no campeonato contra as equipas pequenas, como, logo a seguir, jogava para a Liga dos Campeões contra equipas consideravelmente mais fortes e a equipa jogava como um peixe na água.

E o facto de não ser novo e ainda não ter sido corrigido também levanta questões sobre a liderança de Sérgio Conceição. Se o FC Porto ainda tem ambições de ir para os Aliados no mês de maio, este problema tem que ser corrigido. Numa primeira volta com triunfos sobre o Benfica e sobre o Sporting, é impensável que se registem duas derrotas e dois empates, especialmente contra equipas como o Gil Vicente, Marítimo e Belenenses SAD.

Foto de Capa: Diogo Cardoso / Bola na Rede

Artigo revisto por Joana Mendes

Comentários

Artigo anteriorOlheiro BnR: Marcus Edwards, a surpresa do Vitória SC
Próximo artigoTribuna VIP: Chega de Vieira
O Alexandre é um jovem que estuda Ciências da Comunicação no Porto. Apaixonado por tudo o que seja desporto, encontra a sua maior obsessão no futebol. Como não tinha grande jeito para jogar, decidiu que o melhor era apostar no jornalismo desportivo. Amante incondicional de bom futebol, não tem medo de dar a sua opinião nem de ser polémico. Sendo qualidades inerentes à profissão que deseja exercer no futuro, rege-se pela imparcialidade e pelo critério jornalístico na sua escrita.                                                                                                                                                 O Alexandre escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.