Com o futebol parado há mais de duas semanas, e sem que haja para já o regresso oficial das competições, começa a haver uma especulação crescente quanto ao futuro da equipa na próxima temporada. Seja por jogadores em fim de contrato – e que não chegam a acordo de renovação -, ou por vontade de rumarem a outros campeonatos, há abertura para se falar de eventuais saídas e do impacto que isso pode ter no plantel orientado por Sérgio Conceição, que tem contrato até junho de 2021.

Com o treinador no leme da equipa, pelo menos para já, surgem os primeiros rumores da saída de jogadores preponderantes como é o caso de Alex Telles e, mais recentemente, Moussa Marega que, apesar de ter contrato até 2021, já demonstrou que não tem intenções de ficar.

Marega chegou ao FC Porto em janeiro de 2016, proveniente do CS Marítimo – equipa que representou durante uma temporada e meia. Quando chegou aos dragões, a adaptação não foi a melhor, o que obrigou a um empréstimo na temporada seguinte ao Vitória SC, onde surpreendentemente marcou 14 golos em 31 jogos. Um registo que abonou a seu favor e o fez regressar com prontidão ao FC Porto na temporada seguinte. De odiado, o jogador começou a ser idolatrado pelos adeptos portistas que criaram cânticos de apoio ao maliano.

 

Com o futebol parado há mais de duas semanas, começa haver uma especulação crescente quanto ao futuro da equipa na próxima temporada.
Em 2017/2018, diante do CS Marítimo, Marega apontou o golo da vitória nos minutos finais, que colocou o FC Porto muito perto da conquista do campeonato
Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

Em 2017/2018 – temporada em que os portistas voltaram a ser campeões – , Marega foi um dos principais responsáveis pelo título, com 23 golos marcados em 41 jogos, com um dos golos a ser apontado ao CS Marítimo, na reta final do jogo e que permitiu os festejos antecipado dos portistas. Depois de uma temporada de feição, o maliano surpreendeu de forma negativa ao se ter recusado a treinar no início da época 2018/2019. Foram momentos de grande tensão entre o jogador e o treinador, mas que acabaram sarados com naturalidade e Marega realizou mais uma época de grande nível, com 21 golos em 47 jogos.

Curadas as desavenças e os momentos menos positivos, Marega voltou a fazer parte das contas de Sérgio Conceição para a presente temporada, apesar de estar a ter uma prestação muito menos conseguida, com apenas nove golos apontados em 35 jogos. Este registo também se explica devido a alguns problemas físicos que o jogador teve e também à chegada de Zé Luís ao plantel. Ainda assim, o setor ofensivo continua a ser um dos mais debilitados da equipa e com a eventual saída de Marega os alarmes voltam a ligar-se.

Para já, vai ser importante terminar esta temporada e só depois fazer contas à vida. Mas tendo em conta que o FC Porto precisa de vender jogadores para conseguir equilibrar as contas – que há muito tempo estão desequilibradas – a saída de Marega pode estar em cima da mesa.

A vontade do jogador possivelmente continua a ser a mesma: a saída. E com uma cláusula de 30 milhões, o negócio torna-se cada vez mais possível. De reforçar que o FC Porto precisa de alcançar cerca de 100 milhões de euros em transferências para cumprir as normas do fair-play financeiro da UEFA para inverter o resultado financeiro negativo.

Uma saída que tem, obrigatoriamente, de abrir portas a novos jogadores.

Artigo revisto por Inês Vieira Brandão 

Comentários