Foi no dia 22 de outubro que o GD Fabril do Barreiro e o FC Porto viram os seus destinos cruzarem-se no sorteio da Taça de Portugal. Quase um mês depois, defrontar-se-ão na primeira ronda da clássica “festa da Taça”, ainda que sem os cabeças de cartaz – o público. Porém, a verdadeira celebração fez-se fora do campo. O clube militante do Campeonato de Portugal prometia cuidar do relvado para receber o FC Porto e em troca os dragões garantiram doar ao adversário a sua parte das receitas televisivas.

Disse-o Faustino Mestre à comunicação social portuguesa, este que é presidente do GD Fabril do Barreiro. Acrescentou ainda que o emblema setubalense exigiu jogar com o seu equipamento principal e que a partida se realizasse num sábado. E assim foi. E assim deverá ser sempre. Nos tempos em que vivemos, o futebol tem de se alimentar da união. Seja a nível profissional, semi-profissional ou amador. Pelo bem das bases do desporto.

A terceira eliminatória jogar-se-á no Estádio Alfredo da Silva, casa do clube Barreirense. Novamente, uma medida a favor do desporto rei e também da tradição da Taça de Portugal. Um complexo desportivo com capacidade para 21.498 espetadores que, apesar da ausência do público na hora do jogo, transmitirá os valores da equipa caseira.

Embora as duas instituições não se defrontem desde 1976, o histórico de confrontos entre ambos é largo. Encontraram-se por 55 vezes e de quase meia centena de jogos resultaram 36 vitórias para o FC Porto, sete empates e 12 vitórias para o GD Fabril do Barreiro. Tempos que nos remetem para quando o clube verde e branco competia na Primeira Divisão Portuguesa.

Anúncio Publicitário

O jogo realizar-se-á imediatamente após as paragens das seleções, no próximo dia 21 de novembro pelas 14h30, sendo natural que o FC Porto entre em campo com bastantes jogadores provenientes do banco de suplentes e reservas. Apesar das diferenças a nível financeiro e competitivo, a partida ficará marcada pelo respeito, desportivismo e solidariedade entre dois clubes verdadeiramente grandes.

Artigo revisto por Diogo Teixeira

1 COMENTÁRIO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Comente!
Por favor introduz o teu nome