opinioesnaomarcamgolos

Este Porto não joga futebol, joga à bola. Futebol envolve decisões, ideias, liderança, mas, sobretudo, gosto pelo jogo! O que o Porto neste momento faz é mais parecido com uma cambada de miúdos a jogar ao “sai fora” depois das aulas, apenas mais disciplinados. Claro que é um exagero, mas, se virmos bem, tem uma certa verdade.

Jackson esqueceu-se de como marcar golos? Ou simplesmente a equipa está tão fraca a segurar a bola no meio-campo que é preciso o grandalhão da escola vir buscar jogo à linha central? O Mangala esqueceu-se de como ser um pilar de segurança e controlo? Ou simplesmente a defesa está tão desconcentrada nos momentos chave que só o miúdo que joga a trinco, sempre calmo no recreio, parece manter o controlo absoluto das emoções? E são apenas três jogadores que por acaso são dos mais importantes neste momento, mas todos os outros não deixam de ter a sua quota parte de perdas ao longo desta nova época desportiva.

O que é que aconteceu em Coimbra, afinal? O Quintero é extremo? Parece que não. E essa surpresa de Paulo Fonseca acabou por ser corrigida com uma evidência chamada Licá. No entanto, durante a primeira parte, a maioria dos ataques eram feitos pelo lado direito, exatamente por causa do grande craque com provas dadas, mas apenas no miolo do terreno! E de que serviu? De nada. E também não foi surpresa. O Jackson não anda pelas redondezas da área, como já se sabe, e isso é péssimo. De repente, fez-me lembrar o Pena… Não que a comparação seja a melhor, mas lembrem-se que o Pena vinha buscar muito jogo ao meio campo, e até ajudava na defesa, mas foram muitas as vezes em que as bolas caíam na área sem que o goleador estivesse presente para as empurrar para golo. E o Pena era mais rápido do que o Jackson. Pois… Os ataques pelo centro não funcionavam porque somos lentos e os passes não são precisos, mesmo com Lucho no terreno. E a Académica continuava a ameaçar… Marcou com toda a justiça, e o Porto, mais uma vez, sem saber o que fazer. Esta equipa está baralhada, confusa, tanto nas posições de alguns jogadores como nos titulares. É uma dança das cadeiras. A 10 minutos do fim nem um 3-5-2 nos safou, uma medida que refletiu bem o ponto de interrogação do treinador. E o que fazer quando há um espirro na área? Marca-se penalty e dá-se mais um caso de jogo para todos os adeptos rivais poderem fazer discussão sobre corrupção durante os próximos dias. Nunca desejei tanto falhar um penalty a nosso favor… Nem a Académica nem o Porto mereciam.

O mau momento de forma do Porto manteve-se em Coimbra Fonte:http://www.porta19.com/
O mau momento de forma do Porto manteve-se em Coimbra
Fonte:http://www.porta19.com/

Mais uma derrota (para mim, os últimos empates foram derrotas), mais um péssimo jogo da nossa parte, o Fernando não joga contra o Braga e a Académica não ganhava ao Porto há 43 anos! Paulo Fonseca é ótimo a bater recordes, até para os outros! Vem aí o Quaresma para tentar salpicar alguma magia neste futebol, mas não façam confusões: magia não é milagre! O homem é cheio de ideias e não tem medo de ninguém. O Porto precisa disso. De ideias, de coragem, mas, sobretudo, de ter gosto pelo jogo!

Comentários

Artigo anteriorPogba, o menino de ouro
Próximo artigoO autocarro acidental
Para o João, discutir futebol é uma piada. É como estar à mesa de uma família benfiquista. Como diz o ditado, “numa casa com mau pão todos discutem e o Porto é campeão!”. Discute-se os árbitros e os treinadores, mas ninguém se lembra de discutir o padeiro. E ele adora piadas…                                                                                                                                                 O João não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.