O início de época do FC Porto não tem sido propriamente brilhante quer ao nível das exibições, quer ao nível dos resultados. Com duas derrotas e dois empates em 11 jogos realizados, não se pode dizer que seja um arranque excecional, mas existem algumas justificações para estes números.

Relativamente à época passada é notório um decréscimo de qualidade no futebol produzido e consequentemente nos resultados. Um dos fatores que, na minha opinião, mais tem contribuído para este arranque menos conseguido são as lesões. Mbemba mal chegou teve uma lesão complicada, Danilo regressou recentemente e ainda longe da sua melhor condição física, Soares também passou pelo “estaleiro” e mais recentemente Aboubakar, o mais azarado, terminou a época com uma lesão gravíssima.

A estes fatores temos de juntar um ano atípico devido a realização do Mundial de futebol. Jogadores como Herrera e Corona chegaram muito mais tarde e, principalmente, Herrera ainda está muito longe dos níveis exibidos na época passada, o que é perfeitamente normal.

Brahimi, Marega e Éder Militão também chegaram mais tarde aos trabalhos de Sérgio Conceição, tendo Marega passado por um problema disciplinar (já resolvido) que atrasou ainda mais a sua integração.

São vários os fatores que contribuem para esta oscilação exibicional, mas não podemos esquecer que a Supertaça foi conquistada, que na Liga dos Campões os objetivos estão a ser cumpridos e que no campeonato o FC Porto depende apenas de si próprio para revalidar o título.

O regresso de Danilo vai ser preponderante na melhoria do FC Porto
Fonte: FC Porto.

A fragilidade defensiva e a menor capacidade nos duelos individuais tem sido os dois pontos onde se tem notado uma diferença grande relativamente à época transata. Numa defesa onde saíram dois titulares e, onde os reforços por diversas razões demoraram a chegar, é perfeitamente aceitável esta menor eficácia. Nos duelos individuais (principalmente no meio-campo) onde o FC Porto era fortíssimo, a justificação também não é difícil de encontrar, com Danilo a regressar recentemente e com Herrera ainda na busca da melhor forma, os índices de duelos ganhos baixaram drasticamente.

Com os reforços perfeitamente integrados, com a subida de rendimento que certamente irá acontecer de jogadores como Herrera, Danilo, Soares e com André Pereira a poder fazer as vezes do azarado Aboubakar, o FC Porto continua a ser, na minha opinião, o mais sério candidato ao título. Um fator determinante para isto são as variantes táticas que Sérgio Conceição consegue criar a partir de características individuais dos jogadores, algo que os seus “rivais” não conseguem, onde o seu jogo é bastante mais previsível.

 

Foto de Capa: FC Porto

Artigo revisto por: Jorge Neves

Comentários