A derrota do FC Porto diante dos holandeses do Feyenoord Rotterdam voltou a revelar uma inconstância exibicional que tem sido várias vezes notória ao longo desta época. O resultado é um pouco injusto e o azar bateu à porta dos azuis e brancos com muitas oportunidades desperdiçadas, sendo que algumas delas por mera infelicidade. Isso não invalida os problemas revelados no processo defensivo e na incapacidade de controlar o jogo em posse.

É evidente que as alterações que o onze base sofreu, esta época, são uma atenuante e certas rotinas e movimentações demoram sempre um pouco a ficarem cimentadas. Mas certas falhas de concentração e alguns erros individuais começam a ser preocupantes e precisam ser analisados profundamente. Estou certo que a equipa técnica portista está atenta a todas estas situações e que os problemas estão devidamente identificados.

O FC Porto esta época realizou um grande jogo que foi diante o SL Benfica, no estádio da Luz. Depois, teve outros jogos bastante interessantes, como foi o caso da vitória em Krasnodar, ou diante o Vitoria FC. Depois teve vários jogos onde realizou excelentes primeiras partes mas, caiu muito no segundo tempo e, com isso, teve de sofrer bastante para garantir as vitórias. Os jogos em Portimão e Vila do Conde são prova disso.

Marchesín tem sido uma das grandes figuras do FC Porto
Fonte: FC Porto

Não é usual no FC Porto ao fim de 12 jogos oficiais averbar já três derrotas. Mas, este cenário deve ser enquadrado no contexto e existem razoes para este arranque de época um pouco titubeante. Muitas mudanças no plantel, várias contratações que chegaram tarde e, tudo isso, faz com que seja preciso algum tempo para que Sérgio Conceição consiga retirar todo o potencial dos jogadores.

Algo que deve ser destacado é a qualidade das contratações que o FC Porto realizou. Marchesín é o melhor guarda-redes do Campeonato, Marcano parece que nunca saiu do clube, Uribe já fez esquecer Herrera, Luis Díaz e Nakajima já demonstraram que são mais-valias e Zé Luis é o ponta-de-lança mais completo que atua em Portugal. Até ao momento, a única contratação que não funcionou foi o internacional argentino Saravia. Convém também não esquecer, o regresso de Sérgio Oliveira, que vai ser importante ao longo da época e as apostas em jovens da formação, com destaque para Romário Baró. O início da época não foi o desejado mas existe qualidade, quer na equipa técnica, quer no plantel para realizar uma época de excelente nível.

Foto de capa: UEFA

Comentários