É sabido o período de menos fulgor financeiro que o FC Porto atravessa e, devido a isso, um certo desinvestimento nas diversas modalidades do clube é notório. Ao longo dos anos o ecletismo do clube foi perdendo força, e, comparativamente com os rivais, a distância é enorme. E essa distância é ainda mais notória no que ao desporto feminino diz respeito. Equipas seniores de Futebol, Hóquei em Patins, Basquetebol e Andebol não existem, e é algo que em pleno século XXI não faz qualquer sentido.

O FC Porto é muito mais do que apenas um clube e o seu papel social é de extrema importância. A luta pela igualdade de géneros é uma luta que o clube deve abraçar, e um passo importante nessa luta, seria aumentar significativamente o número de mulheres que envergam as cores azuis e brancas.

O FC Porto possui neste momento nove modalidades (incluindo o Futebol) o que é manifestamente pouco para um clube desta dimensão e com o número de associados que possui. É evidente que o Futebol é e tem de ser o motor do clube, mas o ecletismo tem de ser visto como uma estratégia para o crescimento do clube. O regresso de modalidades históricas no clube como o Voleibol ou o Atletismo eram muito bem-vindas.

Exemplos como o de Aurora Cunha fazem falta ao FC Porto
Fonte: Bola na Rede

Uma outra vertente em que o clube tem de investir é nas infraestruturas. Criar uma academia para o futebol de formação é uma prioridade, onde os atletas possam residir, treinar, jogar e se possível estudar, tudo no mesmo local. Ficando o Olival destinado apenas para as equipas profissionais e mesmo o Olival precisa de melhoramentos, não faz sentido a Equipa B treinar num local e jogar noutro. O ideal seria ter tudo no mesmo local, construir algo de raiz que possa ter todas estas valências como acontece com os rivais. Mas tendo o FC Porto um contrato muito vantajoso com a Câmara Municipal de Gaia no que a utilização das instalações do Olival diz respeito, acredito que muito dificilmente nos próximos anos o clube avance para uma solução destas.

Anúncio Publicitário

As finanças do clube não ajudam, mas o clube tem de fazer um esforço para apostar quer no crescimento das modalidades quer em dotar o clube de melhores condições para os seus atletas e com isso crescer socialmente e obter melhores resultados desportivos.

Foto de capa: FC Porto

artigo revisto por: Ana Ferreira