logo-BnR.png

ÚLTIMA HORA:

José Peseiro: O Moço dos Recados ou o Homem Certo?

fc porto cabeçalho

José Peseiro não teve uma vida propriamente fácil na sua carreira de 24 anos como treinador. Aos 55 quis agarrar uma oportunidade de ouro para provar o seu valor e relançar a sua carreira, ao assumir o comando técnico do FC Porto, assinando um contrato válido até junho de 2017 com mais um ano de opção. A dúvida que paira para os lados do Dragão é sobre se a SAD azul e branca vai continuar a contar com José Peseiro na próxima época ou se vai rescindir contrato com o treinador natural de Coruche, na tentativa de criar um projeto remodelado para o ataque ao título da próxima temporada.

Fui bastante crítico quando vi que as notícias oficializaram a contratação de José Peseiro para o comando técnico dos Dragões e, não querendo ser injusto, confesso que não estou arrependido. Admito que o FC Porto melhorou com a chegada de Peseiro tendo em conta o estilo de jogo que Lopetegui apresentava, e, acima de tudo, o treinador ribatejano mostrou-se mais humilde e mostrou o que é identidade de equipa nas conferências de imprensa e nos jogos. Também é um facto que Peseiro não teve tempo para mostrar o seu valor e não é com três meses de treino que consegue pôr a equipa a jogar à sua imagem. Depois destas constatações, que me parecem óbvias, porque é que continuo a achar que José Peseiro não deve continuar nos Dragões na próxima época?

A carreira de Peseiro, como já referi em cima, foi marcada por vários insucessos. Depois de ter levado o Nacional da Madeira à primeira liga e de ter dado nas vistas com o estilo de jogo invulgar que apresentava, o sucesso de Peseiro estagnou na ilha da Madeira. Em 2004, foi varrido do Real Madrid juntamente com Carlos Queiroz e um ano mais tarde, já em Lisboa, tornou-se uma das vítimas de chacota dos rivais do Sporting CP. Quando chegou a Alvalade, os adeptos leoninos depositavam grandes expectativas no seu recém-chegado treinador, uma vez que Peseiro tinha sido colega de “turma” de Mourinho e tinha tido sucesso quando teve oportunidade de treinar uma equipa como o CD Nacional. Apesar de ter brilhado na Taça UEFA, Peseiro conseguiu perder o ambicionado troféu europeu em casa contra o CSKA Moscovo, um ano depois de o FC Porto ter ganho a Liga dos Campeões com José Mourinho. Como se não bastasse, entregou o campeonato ao SL Benfica na mesma semana ao perder no Estádio da Luz e, para piorar, perdeu logo a seguir em casa contra o clube que o lançou para a ribalta do futebol português, o CD Nacional, entregando o segundo lugar e o apuramento direto para a liga dos campeões ao FC Porto.

Ainda assim, Peseiro conseguiu aguentar-se no Sporting CP, fruto da época europeia que os leões fizeram. Mas em Outubro de 2005, face ao lugar em que o Sporting CP se situava no campeonato (7.º) e face à eliminação precoce da Taça UEFA, apresentou a sua demissão do clube leonino sem ganhar nenhum troféu ao serviço dos Leões. Seguiram-se passagens sem títulos no Panathinaikus AC e no FC Rapid Bucuresti e ainda uma aventura não muito bem sucedida na Arábia Saudita, uma vez que, apesar de ter levado a selecção do Médio Oriente aos lugares de playoff para o Mundial 2010, não conseguiu levar de vencida a eliminatória frente ao Bairém.

José Peseiro mostrou-se otimista quando chegou ao Dragão Fonte: FC Porto
José Peseiro mostrou-se otimista quando chegou ao Dragão
Fonte: FC Porto

Foi já no seu regresso a Portugal, ao comando do SC Braga, que Peseiro ganhou o seu primeiro título de relevo contra o FC Porto: a Taça da Liga. Mesmo com esse troféu ganho, Peseiro não conseguiu aguentar-se nos minhotos por muito tempo face à insatisfação dos adeptos devido ao 4.º lugar, uma vez que o FC Paços Ferreira terminara a época em 3.º. Seguiu-se uma aventura curta no Al-Ahly até que surgiu a oportunidade da carreira de José Peseiro: o FC Porto. Na equipa azul e branca, Peseiro ainda tem a oportunidade de ganhar o maior título da sua longa carreira: a Taça de Portugal.

Com este currículo pouco invejado, não acredito que Peseiro, apesar de conseguir apresentar bom futebol, seja a pessoa certa para levar os Dragões a voltar a acreditar em bons desempenhos europeus e na conquista sucessiva de títulos a nível nacional. Existem treinadores portugueses de topo com maior currículo, e estão disponíveis para agarrar uma oportunidade ao serviço da equipa da Invicta. Falo de André Villas-Boas, que, na minha opinião, se ofereceu ao FC Porto no final do jogo que ditou a eliminação do FC Zenit da Liga dos Campeões frente ao SL Benfica. Marco Silva e Leonardo Jardim também me parecem nomes mais credíveis do que Peseiro e bem capazes de levar a equipa do FC Porto para o patamar de máxima exigência a que os portistas estão habituados.

Resta saber se a SAD estará disposta a arriscar mais uma época num treinador perseguido pelo insucesso ou se quer apostar num outro nome mais credível, de forma a relançar o sucesso do clube nortenho.

Foto de Capa: FC Porto

O Rafael é estudante de Jornalismo e Comunicação e é observador assíduo da Premier League e da liga mais espectacular do mundo que é a NBA. Chora e vibra pelo Porto e o seu maior talento é ser treinador de bancada. Dentro dos pavilhões assume-se como um adepto dos LA Lakers desde que se apaixonou pela beleza do Basquetebol.                                                                                                                                                 O Rafael escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

O Rafael é estudante de Jornalismo e Comunicação e é observador assíduo da Premier League e da liga mais espectacular do mundo que é a NBA. Chora e vibra pelo Porto e o seu maior talento é ser treinador de bancada. Dentro dos pavilhões assume-se como um adepto dos LA Lakers desde que se apaixonou pela beleza do Basquetebol.                                                                                                                                                 O Rafael escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

[my_elementor_post_nav_output]

FC PORTO vs CD TONDELA