SITE TEMPORÁRIO

19 de Janeiro, 2022

Microciclo FC Porto

Microciclo decisivo | FC Porto

Sabe-se que a época desportiva é longa, ainda assim, como muitos treinadores costumam apregoar, tal não impede as equipas de futebol de trabalharem muito dentro do chamado microciclo. Isto é, períodos com grande densidade de jogos que sucedem e antecedem pausas mais ou menos prolongadas.

Nestes períodos, e sempre com o foco no objetivo de longo prazo, os treinadores procuram, muitas vezes, incutir estímulos e objetivos de curto prazo para retirarem o máximo proveito dos seus jogadores e minimizarem o risco de desleixo.

Ora, muitas vezes, são as pausas para seleções que marcam o começo e o fim dos tais microciclos. Com praticamente dois terços da temporada por disputar, e com o regresso das competições de clubes após interregno para compromissos internacionais, o FC Porto acaba de entrar numa sucessão de jogos que se estenderá até ao final do ano civil e que poderá ser de capital importância para o sucesso da mesma.

A importância desta próxima sequência de partidas está intimamente ligada ao grau de dificuldade da maioria dos jogos por disputar. Em menos de um mês e meio o FC Porto defrontará o Liverpool FC e o Club Atlético de Madrid para a Liga dos Campeões e jogará contra o Vitória SC, o SC Braga e o SL Benfica para o campeonato.

Microciclo a decidir muito da época do FC Porto

Mas vamos por partes.

Com a missão cumprida na Taça de Portugal, os azuis e brancos ficam, agora, à espera de saber qual o adversário nos oitavos-de-final, que se jogarão, ainda, no presente ano.

No que concerne à Taça da Liga, competição da qual os dragões já estão arredados, o jogo com o Rio Ave a meio de Dezembro servirá apenas para cumprir calendário e dar oportunidades a quem menos tem jogado de mostrar serviço.

Posto isto, e se o sorteio da Taça for simpático, será no campeonato e na Liga dos Campeões que os comandados de Sérgio Conceição encontrarão os desafios mais hercúleos.

Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

O FC Porto é líder da liga nacional e vai assegurando, para já, lugar de qualificação na liga milionária, sendo que terá, nas próximas semanas, desafios decisivos para que tal cenário se mantenha.

Comecemos pela última. Restam por disputar duas jornadas da fase de grupos antes das provas europeias pararem até Fevereiro do ano que vem. Sob pena de ser atraiçoado por uma catástrofe, parece-me que a presença na Liga Europa é um dado adquirido.

A combinação de resultados que poderia levar a que o FC Porto caísse para o último lugar do seu grupo é altamente improvável pelo que, por enquanto, assumo a continuidade do clube nos palcos europeus como uma certeza.

É, portanto, a luta pelo segundo lugar que mais inquieta os portistas. A meritória campanha que a equipa tem feito até ao momento garante-lhe que, aconteça o que acontecer em Anfield Road, em caso de vitória no último jogo, em casa, com o Atlético de Madrid, estará presente no sorteio dos oitavos-de-final.

No entanto, a coisa pode, até, decidir-se antes, caso os colchoneros percam no confronto com o AC Milan e o FC Porto consiga uma histórica vitória na casa de um Liverpool FC que, já apurado, deverá fazer descansar algumas das suas principais estrelas.

De qualquer forma, parece-me que a equipa se encontra numa posição amplamente favorável para fazer história e seguir em frente num dos grupos teoricamente mais difíceis da competição. Não só pela posição que ocupa atualmente, mas, também, porque o futebol do Atlético de Simeone continua sem impressionar.

Já no que diz respeito ao campeonato, vão jogar-se um total de cinco jornadas no espaço de um mês. Intervaladas por deslocações, sempre difíceis, aos terrenos do Portimonense e Vizela (jornadas 13 e 14 respetivamente), o Estádio do Dragão irá receber visitas do Vitória SC, já no próximo fim-de-semana, do SC Braga, a meio do mês de Dezembro e do SL Benfica uns dias após a quadra natalícia.

São encontros de grau de dificuldade elevado que, no caso de sucessivas vitórias, poderão garantir um conforto na tabela decisivo para o que restará por disputar do campeonato em 2022.

FC Porto
Fonte: Diogo Cardoso / Bola na Rede

O Vitória SC de Pepa é uma das equipas do nosso campeonato com uma ideia de jogo mais atrativa. É uma equipa muito forte e criativa com bola e tem nas suas fileiras vários jogadores com peso no futebol português.

Apesar do sétimo lugar que ocupa, atualmente, na tabela classificativa, acredito que o futebol positivo que a equipa tem apresentado acabará por levar os vimaranenses, mais tarde ou mais cedo, a subir um par de lugares.

Com algumas debilidades no capítulo da finalização e na transição defensiva, o Vitória SC é, claramente, uma equipa que tem dado muito mais ao campeonato e aos jogos do que o contrário.

Duas semanas após a receção ao Vitória SC, o FC Porto vai receber o SC Braga. A equipa comandada por Carlos Carvalhal é, invariavelmente, um osso duro de roer. Carrasco dos azuis e brancos nas meias-finais da Taça de Portugal da temporada transata, manteve quase toda a sua estrutura basilar.

Apesar de um percurso mais titubeante na presente época, é inegável que é uma equipa com talento individual de sobra para criar dificuldades a qualquer equipa do nosso campeonato.

É certo que ainda paira na memória de todos a inusitada goleada (6-1) sofrida no Estádio da Luz, mas julgo que até isso, pelo tónico anímico que levará os jogadores e corrigir o resultado no encontro seguinte contra um dos grandes, faz dos bracarenses uma das equipas mais perigosas de defrontar nos tempos que se avizinham.

Já lá bem no final do ano, o FC Porto enfrentará mais um Clássico. Não vale a pena explanar aqui as dificuldades que advirão dessa partida, de tão evidentes que são. O cariz deste tipo de jogos é específico e especial e pouco importa o momento que as equipas atravessem.

A diferença na classificação é de 1 ponto e resta perceber se assim se manterá até ao dia do jogo. Em todo o caso, e principalmente porque se jogará no Estádio do Dragão, o objetivo terá sempre que ser a vitória, pelos pontos e pelo ascendente psicológico que jogos desta dimensão podem provocar.

Por fim, parece-me importante não desprezar as já mencionadas deslocações a Portimão, para defrontar o atual sexto classificado da prova que tem vindo a fazer um início de época auspicioso, e o Vizela, uma equipa e um clube com uma falange de apoio notável que se tem aguentado muito bem neste primeiro ano como primodivisionário e que há não muito tempo colocou enormes dificuldades, no seu estádio, ao SL Benfica.

São, por isso, inúmeros e árduos os desafios que se avizinham. Têm a palavra Sérgio Conceição e os jogadores.

Em suma, inicia-se, agora, mais um ciclo decisivo para o sucesso ou insucesso da época desportiva do FC Porto. São nove jogos em menos de mês e meio que definirão qual o grau de otimismo e conforto com que os dragões poderão olhar para a viragem do ano. Cá estaremos para fazer o balanço.