Foi uma venda “à FC Porto”, algo que já não acontecia há alguns anos. O prodígio Militão, ex-São Paulo, em cerca de meia temporada de dragão ao peito, valorizou 43 milhões de euros. Em toda a história dos azuis e brancos e do futebol português, o valor da transferência de Éder Militão (50 milhões de euros), foi o valor mais alto de sempre a ser comunicado à CMVM (Comissão de Mercado de Valores Mobiliários). No entanto, em termos futebolísticos, é uma grande perda para o FC Porto e para primeira liga na próxima temporada, que vê partir um jogador que será, com certeza, de classe mundial.

A cláusula de rescisão foi batida pelo Real Madrid CF e o Presidente Jorge Nuno Pinto da Costa nada poderia fazer para manter Militão no FC Porto, a menos que fosse o próprio jogador a recusar a proposta. Contudo, o prestígio e o histórico dos merengues, assim como a oferta salarial que receberá, são quase irrecusáveis. Certamente que os dragões não conseguiam manter um jogador deste calibre por muito mais tempo, pois a diferença a nível financeiro entre um FC Porto e os restantes tubarões europeus é abismal.

As saídas e entradas do plantel da próxima época ainda são uma miragem, mas caso a equipa da cidade Invicta não sofra grandes alterações no setor defensivo, a dupla Mbemba e Felipe pode ser uma alternativa viável, sendo que nessa situação a subida de Diogo Leite e Diogo Queirós para a equipa principal seria mais facilitada e, porventura, um deles até poderia ganhar alguns minutos.

Militão foi comprado por sete milhões de euros e vendido por 50 milhões de euros em cerca de seis meses
Fonte: FC Porto

Apesar do FC Porto passar por um período em que precisa de “apertar o cinto” a nível financeiro, os 50 milhões de euros que os cofres da SAD receberão provenientes do Real Madrid CF podem e devem ajudar no reforço do plantel para a próxima época. Este montante, juntamente com os milhões adquiridos na Liga dos Campeões, poderiam solucionar a renovação dos vínculos de Herrera e Brahimi, mas também na aquisição de um ou dois jogadores de alto nível que viessem acrescentar qualidade à equipa.

Embora seja uma grande perda para o FC Porto, o clube vive dos adeptos e não dos jogadores ou treinadores, que vão e vêm. Militão ajudou muito a equipa portista que ainda está na luta por três títulos nesta época e terá um papel preponderante nessa “caminhada”, resta-lhe então sair em grande do primeiro episódio da sua aventura no futebol europeu.

Foto de Capa: FC Porto

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários