É sobretudo prudência o que se pede nas exigências que se vão multiplicar daqui por umas semanas, quando a época começar e a nova coqueluche azul e branca estiver à procura do seu espaço entre os mais velhos.

Podemos olhar para os números e logo reparar nos 33 golos que apontou em 39 partidas realizadas pela equipa de juniores do FC Porto, entre campeonato e youth league, provas que a formação às ordens de Mário Silva venceu de forma brilhante.

As marcas do jovem de 16 anos (completa 17 daqui a cerca de um mês) são verdadeiramente impressionantes, mas não deixam de estar ligadas a um contexto competitivo muito específico. É certo que Fábio Silva sempre esteve um passo à frente dos demais, que é como quem diz, andou sempre um patamar acima e isso serve, essencialmente, para atestar a competência de quem tem muito para dar ao clube e ao futebol português.

Fábio Silva renovou esta semana, até 2022, o contrato que o liga ao FC Porto
Fonte: FC Porto

A realidade que o espera no início do próximo mês (não é oficial, mas tudo indica que seja um dos quatro jovens da formação a fazer a pré época com o plantel principal) é substancialmente diferente daquela a que esteve e está habituado. Que deixe de sonhar acordado quem está à espera que o goleador de 16 anos seja a solução para todos os problemas de eficácia. Fábio Silva vai e tem de ser integrado, naturalmente, de forma progressiva e em contextos favoráveis, que lhe permitam ganhar a confiança necessária para encarar o grande desafio que o espera de maneira tranquila e livre de pressões (desnecessárias).

Não deve ser novidade para o leitor que estamos perante um prodígio de características só comparáveis aos melhores avançados do futebol mundial. Fábio Silva tem presença, movimentação, faro e, acima de tudo, frieza no momento da definição. Um excelente jogo de cabeça e capacidade para atirar à baliza com os dois pés. Isto é tudo o que já sabemos sobre Fábio Silva, em contexto de formação, onde o erro é tolerável uma, duas e três vezes. Aquilo que ainda falta saber é a resposta que o jovem dará no momento em que tiver de suportar o peso de 40 mil nas bancadas e as milhares de objetivas que estiverem apontadas sobre si. E quão mau seria se, à primeira dificuldade, o mundo desabasse sobre os seus ombros.

É o contexto, meus amigos, o contexto…

Foto de Capa: FC Porto

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários