É com uma ânsia tremenda que os adeptos do FC Porto têm lido as últimas notícias que apontam Nicolás Otamendi como o próximo reforço do FC Porto no eixo central da defesa.

Não é surpreendente esta euforia por um rumor destes, visto que para além de se tratar de um jogador que já brilhou num FC Porto em verdadeiros tempos de glória, continua a ser um central de topo, pertencente ao Manchester City FC, de Pep Guardiola. Se o rumor se confirmar, os adeptos do FC Porto poderão celebrar com esta contratação e também com o código bónus que lhes dará motivos de a dobrar para comemorar.

Foi precisamente ao serviço dos Citizens que o central argentino somou na última época 24 jogos e 2 golos. Se são números deveras interessantes? Não… E ao longo da época vários foram os momentos em que o jogador não ficou muito bem na fotografia.

Mas convém dizer que estamos a falar de uma das melhores equipas do mundo que compete naquele que é, na minha opinião, o melhor campeonato do mundo. A Liga Inglesa.

Não é fácil para Otamendi afirmar-se (como anteriormente havia conseguido) numa equipa com John Stones, Laporte, Aké… Enfim, nomes de peso que prevalecem nas escolhas de Pepe Guardiola.

Anúncio Publicitário

Por todas estas razões, começou a ser noticiado uma eventual saída do central para procurar relançar a carreira. (Porque não com 32 anos? Está longe de ser um veterano). A juntar a isto, também é de conhecimento público que o FC Porto precisa de nomes de peso e de reforçar o eixo central defensivo, até pela lesão de Iván Marcano.

Parece que se juntou a fome com a vontade de comer, e começou-se a perceber que ambas as partes até se podiam voltar a encontrar.

Mas o prato ainda não está pronto para matar a fome e a vontade de comer. Longe disso. Há alguns entraves que não vão facilitar de maneira nenhuma este regresso.

Em primeiro lugar, Otamendi tem contrato com o Manchester City FC até 2022 e assim o FC Porto não pode “jogar” com uma possível saída a custo zero da equipa inglesa. (Isso não invalida uma rescisão amigável ou algum acordo com o FC Porto para a cedência do jogador). No entanto seria impensável para os dragões desembolsarem 14,50 milhões de euros por qualquer jogador neste momento (tendo em conta o valor de mercado de Otamendi no transfermarkt).

Em segundo lugar, o salário que Otamendi aufere nos Citizens é incomportável para os cofres azuis e brancos. Trata-se de cerca de 6,8 milhões de euros por temporada. O FC Porto só é capaz de pagar menos de metade…

Para facilitar um pouco a situação, o central argentino é representado pela Gestifute de Jorge Mendes, ultimamente com boas relações com o FC Porto. Isso é um dado de relevo para este negócio.

O outro fator relevante é a vontade de sair e até de baixar significativamente o salário para voltar a uma casa onde já foi feliz, segundo noticiam alguns órgãos de comunicação social.

Repito: são 32 anos, os mesmos de Iván Marcano, menos cinco que Pepe (o jovem Pepe). Para termos noção da experiência que a defesa portista pode vir a ter, basta ver que a soma das idades de Iván Marcano com Pepe e Otamendi ultrapassa um centenário, ou seja, 100 anos. 3 vidas de futebol ao mais alto nível.

As últimas passagens pelo Dragão significaram 4 épocas consecutivas na Liga Portuguesa e 10 golos na globalidade das competições. Em 2010/2011 foram 10 golos, o que é um número extraordinário para um central.

Dez anos depois veremos se o bom filho à casa torna, mas o possível prémio de assinatura também pode ser motivo de preocupação para a estrutura azul e branca.

Já temos Vertonghen a atuar em portugal. Otamendi iria ser uma surpresa, e juntar Otamendi a Pepe é juntar dois internacionais A pelas suas seleções com uma história no mundo do futebol tremenda.

Veremos até que ponto teremos um regresso de sonho para ainda dar maior nome ao futebol português que, só esta época, promete ser um palco de estrelas do futebol mundial.

Artigo revisto por Diogo Teixeira

Artigo anteriorO possível 11 do Vitória SC para a época 2020/2021
Próximo artigoO possível 11 do Rio Ave FC para a época 2020/2021
O João estuda jornalismo na Escola Superior de Comunicação Social. A sua grande paixão é sem dúvida o jornalismo desportivo, sendo que para ele tudo o que seja um bom jogo de futebol é bem-vindo. Pode-se dizer que esta sua paixão surgiu desde que começou a perceber que o mundo do futebol é muito mais que uma bola a passear na relva. Apesar de estar distante do clube do seu coração, procura ao máximo não perder nenhuma novidade da cidade invicta e do futebol em geral.                                                                                                                                                 O João escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.