Mais um ano, e avizinha-se o tão aguardado e sempre escaldante dérbi da cidade invicta. O Boavista FC vai receber o FC Porto no Estádio do Bessa numa partida a contar para a 11.ª jornada da Liga Portuguesa. Decidi denominar este jogo como dérbi dos dérbis porque é, como sabemos, dos jogos com mais história no campeonato português.

Enganem-se aqueles que pensam que é só por isto que este é o dérbi dos dérbis, uma vez que o momento de forma das duas equipas é um convite para qualquer apaixonado por futebol esperar um jogo muito competitivo e agressivo – no bom sentido da palavra – sendo que a somar a isto tudo, os dragões vão jogar fora de casa num ambiente fervoroso como se vive no Bessa. É de facto uma contrariedade, mas sobre tudo isto iremos falar mais à frente.

Numa jornada em que vai haver outro dérbi com muita história no futebol português: o dérbi minhoto que opõe o Vitória SC ao SC Braga, realizar-se-á a 139.ª edição do dérbi da cidade invicta. Pode-se afirmar que o FC Porto tem sido feliz na casa do rival, com a última derrota a ser em 2007. Daí para a frente, a equipa azul e branca só sofreu um golo nos restantes doze jogos disputados entre as duas equipas. É este um breve capítulo do longo historial de confrontos entre os axadrezados e os dragões.

Falando agora de cada equipa especificamente e do seu momento de forma, iniciemos pelos homens da casa, as panteras negras.

O Boavista FC já foi um grande no futebol português sendo – no que respeita ao número de troféus conquistados – o segundo maior clube da cidade do Porto e de toda a região nortenha, e o quarto maior clube a nível nacional. Para comprovar tudo isto, recordemo-nos do título de Campeão Nacional conquistado na época 2000/2001, e das consequentes presenças na Liga dos Campeões e a gloriosa presença nas meias finais da Taça UEFA.

Atualmente, é um clube de meio da tabela que não costuma alcançar lugar europeus nem descer de divisão. Está a fazer um excelente arranque de campeonato, ocupando o sexto lugar da Primeira Liga com três vitórias, seis empates e uma derrota. No que respeita aos golos marcados e sofridos, conta com nove golos marcados e seis golos sofridos, estando longe de ser o melhor ataque e a pior defesa do campeonato. Nos dois últimos encontros, os comandados por Lito Vidigal somaram uma vitória frente ao SC Braga por duas bolas a zero, e uma derrota no Estádio do Bonfim frente ao Vitória FC. Esta derrota não belisca de forma alguma o grande arranque dos axadrezados, que por sua vez já tiraram pontos a um dos três grandes.

O último onze dos boavisteiros contou com Helton Leite na baliza; Carraça, Fabiano, Ricardo Costa, Neris e Marlon na defesa; Ackah e Obiora no meio-campo; Paulinho e Gustavo nas alas; e na frente de ataque, o ex-Sporting de Braga Stojilijković. Se se repetir este onze, será mais um reencontro entre Ricardo Costa, mais conhecido por Tarzan, e o FC Porto.

No que respeita aos comandados por Sérgio Conceição, são sem sombra de dúvida o clube com mais troféus conquistados no panorama nacional e internacional da cidade invicta e de toda a região norte do país. Teoricamente, são favoritos para este encontro, tendo em conta as estatísticas já analisadas acima e a grandeza e o poderio financeiro do clube. Mas isto é só na teoria, porque quando a bola começar a rolar no Estádio do Bessa vão estar onze jogadores contra outros onze que querem honrar o símbolo que carregam ao peito.

Veremos se será desta que Moussa Marega aparece pelo menos nos convocados do FC Porto
Fonte: Carlos Silva/Bola na Rede

O FC Porto não está no seu melhor momento de forma para enfrentar um dérbi desta dimensão. Tem mais jogos nas pernas do que o Boavista, pela presença na Liga Europa, mas mais importante que isso não tem convencido nos resultados e na forma de jogar. A equipa está muito inconsistente e Sérgio Conceição tem feito alterações no onze inicial em quase todos os jogos…

Para o campeonato, os dragões vêm de um triunfo escasso frente ao CD Aves por uma bola a zero, no Estádio do Dragão. Uma resposta não muito convincente ao empate consentido na Madeira. Desta forma, perderam a liderança para o SL Benfica e mantém-se no segundo lugar da tabela classificativa, com 21 golos marcados contra cinco sofridos (menos um do que o Boavista).

Na Liga Europa, o FC Porto vai de mal a pior com uma derrota recente por duas bolas a zero frente ao The Rangers FC, que empurrou a equipa azul e branca para o último lugar do grupo. Assim, torna-se difícil o apuramento.

Com toda esta instabilidade vivida no seio da equipa, é expectável que Moussa Marega volte a aparecer neste jogo, pois quer se queira, quer não, o avançado maliano continua a ser um dos pilares da manobra ofensiva do FC Porto.

O último onze apresentado por Sérgio Conceição – que ficou marcado por uma linha de cinco defesas – contou com Marchesín na baliza; Manafá, Mbemba, Pepe, Marcano e Alex Telles na defesa; Otávio, Danilo Pereira e Matheus Uribe no meio-campo; e Tecatito Corona no apoio a Tiquinho Soares. Será este o onze utilizado no Bessa? É esperar para ver, mas não será nenhuma surpresa mais uma revolução no lote de jogadores que vão iniciar o jogo.

É esta a antevisão de um jogo que promete muito, não só pelo ambiente que envolve, como pelo momento de forma das duas equipas.

Foto de Capa: Diogo Cardoso/Bola na Rede

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários