fc porto cabeçalho 2

Depois de um mês de janeiro terrível e com muitas mudanças o FC Porto definiu o plantel que vai usar para atacar as frentes que ainda estão em jogo: o Campeonato, a Taça de Portugal e a Liga Europa.

Todos os grandes mexeram nos seus planteis para corrigir algumas carências que foram sentidas dentro das quatro linhas e também para preparar a próxima época. Do lado azul e branco entraram Marega, Suk e José Sá. A pergunta que me passou pela cabeça quando o Porto oficializou estas contratações foi: “Mas o que é isto?”. Não quero desvalorizar a grande primeira volta que Suk fez no Vitória de Setúbal ou a qualidade de Marega, mas estas entradas são repetições de algumas contratações pouco bem-sucedidas que a SAD do clube nortenho fez nos últimos anos e que acabaram em empréstimos ou em fracassos, tais como os casos de Kléber, Guilas ou Licá.

Já deu para perceber que Aboubakar não é tão afinado como Jackson (maldito Guangzhou) e nem o adepto mais otimista consegue dizer que Suk ou Marega sejam apostas seguras para fazer abanar as redes adversárias. Já sobre a aposta em André Silva já deu para perceber que o jovem internacional português não vai ser alternativa no Dragão e vai continuar a desempenhar (e bem) o seu papel na grande época que o Porto B de Luís Castro está a fazer. Então com que alternativas é que José Peseiro conta contra adversários de grande nível como o Dortmund, o Benfica ou o Sporting?

O FC Porto esteve em bom plano em Barcelos Fonte: FC Porto
O FC Porto esteve em bom plano em Barcelos
Fonte: FC Porto

Mas o que mais me incomoda é a área mais recuada do terreno. Na passada quarta-feira o Gil Vicente chegou com perigo à baliza do Porto em duas ou três ocasiões. Foram ocasiões flagrantes que surgiram com descuidos defensivos e que a juntar a uma maior qualidade técnica dariam golo. Jogaram Maicon e Marcano, habituais presenças no onze titular do Dragão. Esperava-se que, com os erros sucessivos a que o exigente público do Porto tem assistido durante esta época, a SAD apostasse num nome seguro para a defesa. Falou-se de Bruno Alves e…. Pouco mais. O Porto não reforçou a zona onde tem mais problemas e decidiu contratar um guarda-redes que apesar de ter muita qualidade não vai cheirar a relva nos próximos tempos. E a pergunta que fica é: o que é isto? Não sou um hater moderno mas há já algum tempo que esta política de contratações deve ser questionada. O fracasso de Imbula foi salvo por 4 milhões e 15% de uma transferência futura, mas a falta de qualidade ainda é um problema em algumas zonas do plantel. Resta esperar que Suk e Marega se revelem grandes avançados para fazer com que Aboubakar consiga perdoar menos e que os centrais do Porto não ofereçam mais golos para além dos que já ofereceram.

Anúncio Publicitário

Mas esta equipa de José Peseiro também tem zonas do terreno com muito talento. O meio campo do Porto conta com Danilo Pereira, Herrera, Ruben Neves, Sérgio Oliveira, Evandro e André André. Todos estes nomes têm qualidade para jogar em qualquer equipa em Portugal. E os extremos? Corona e Brahimi são mágicos e dispensam apresentações. Para além disso contam com o apoio em ambos os lados de Layun e Maxi, outros dois jogadores com enorme qualidade. Esperemos que Corona continue a marcar quando Aboubakar perdoar demasiado e que o importante trabalho defensivo de Danilo Pereira compense a falta de qualidade na zona central da defesa do Porto.

Fevereiro é um mês essencial para o clube da cidade Invicta. Será que este plantel tem o que é preciso para ganhar a um Benfica demolidor em pleno Estádio da Luz e manter acesa a luta pelo título? Será que este plantel tem qualidade contra um Dortmund rejuvenescido e que joga muito bom futebol? Para já digo que não.

Foto de Capa: FC Porto