fc porto cabeçalho

Ricardo Alberto Silveira de Carvalho: este é o nome do melhor defesa central da história do FC Porto e de um dos melhores do mundo no século XXI. Foram 118 os jogos que Ricardo Carvalho fez de dragão ao peito, clube ao serviço do qual conquistou por três vezes a Liga Portuguesa, por uma vez a Taça de Portugal, e em três ocasiões a Supertaça Cândido de Oliveira. A nível internacional Ricardo Carvalho foi pedra basilar na equipa do FC Porto que, comandada por José Mourinho, conquistou uma Taça UEFA e uma Liga dos Campeões.

Depois de abandonar os azuis e brancos o amarantino partiu para o Chelsea FC e, posteriormente, para o Real Madrid CF, onde veio a confirmar tratar-se, efetivamente, de um dos melhores defesas centrais do mundo. Sem ser particularmente alto ou muito forte fisicamente (1,82m e 74Kg), Ricardo Carvalho destacava-se por ser um futebolista à frente do seu tempo, um defesa central “do futuro”. A sua capacidade de leitura de jogo era absolutamente notável, permitindo-lhe frequentemente antecipar as jogadas; a sua movimentação impressionava pela rapidez e pelo acerto da mesma; e com a bola nos pés, Ricardo Carvalho era um jogador muito evoluído, capaz de iniciar a construção desde trás com qualidade, entenda-se, com critério.

Fonte: FC Porto
Fonte: FC Porto

Para além de ser muito forte no momento defensivo, Ricardo Carvalho foi certamente uma inspiração para futebolistas como Hummels ou Bonucci, que têm hoje no seu jogo com bola muito daquilo que foi deixado no futebol pelo defesa central português. Carvalho tinha a capacidade de roubar a bola por diversas vezes ao adversário durante o jogo e, mediante o posicionamento dos seus colegas de equipa, decidir quase sempre bem: iniciar transição rápida ou esperar pelo momento ideal para a soltar.

Com 38 anos de idade, e quando muitos já o davam como inapto para jogar ao mais alto nível, Ricardo Carvalho esteve presente no UEFA Euro 2016 a representar a seleção portuguesa de futebol (ao serviço da qual fez um total de 89 jogos), e mostrou ser ainda capaz (mais até do que alguns dos seus colegas de equipa mais jovens) de se exibir a um nível elevado, com a menor velocidade que agora apresenta a ser compensada por uma extraordinária capacidade de posicionamento e de leitura de jogo. Não fossem as limitações físicas associadas à sua idade e as boas exibições entretanto rubricadas por José Fonte, e certamente Ricardo Carvalho teria estado no Stade de France, no dia 10 de julho de 2016, ao lado de Pepe no centro da defesa da Seleção de Portugal.

Anúncio Publicitário

Agora, e já com 39 anos de idade, Ricardo Carvalho prepara a sua reforma na China, alinhando ao serviço do Shangai SIPG, clube treinado pelo português André Villas-Boas e que segue atualmente no segundo lugar da tabela classificativa da China Super League. Na memória de todos os adeptos do FC Porto ficam, acima de tudo, os tempos áureos do defesa central português e jogos como o da final da Taça UEFA, frente ao Celtic FC, nos quais Ricardo Carvalho parecia intransponível e Vítor Baía podia passar longos minutos de tranquilidade na baliza do FC Porto.

Foto de Capa: Orgulho Tripeiro

artigo revisto por: Ana Ferreira

Comentários

Artigo anteriorCom estas garras todas, o Leão poderá rugir bem alto
Próximo artigoRB Leipzig 2-0 SL Benfica: Último ensaio
Apaixonado por futebol desde a segunda infância, Francisco Sampaio tem no FC Porto, desde esse período, o seu clube do coração. Apesar de, durante os 90 minutos, torcer fervorosamente pelo seu clube, procura manter algum distanciamento na apreciação ao seu desempenho. Autodidata em matérias futebolísticas, tem vindo recentemente a desenvolver um interesse particular pela análise tática do jogo. Na idade adulta descobriu a sua segunda paixão, o ténis, modalidade que pratica de forma amadora desde 2014.                                                                                                                                                 O Francisco escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.